Assine já
Transportes

Air France reforça rotas para os EUA e aumenta operação em 20% face ao período pré-pandemia

Companhia aérea francesa conta operar, este verão, para 14 destinos nos EUA, numa operação que cresce 20% face à capacidade disponibilizada em igual temporada de 2019.

Publituris
Transportes

Air France reforça rotas para os EUA e aumenta operação em 20% face ao período pré-pandemia

Companhia aérea francesa conta operar, este verão, para 14 destinos nos EUA, numa operação que cresce 20% face à capacidade disponibilizada em igual temporada de 2019.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
easyJet anuncia maior operação de sempre em Berlim no Verão
Homepage
Air France retoma voos entre Faro e Paris a 6 de maio
Aviação
Air France regressa ao Brasil e reforça oferta nos EUA no inverno
Transportes
Air France anuncia até 122 voos por semana para 11 destinos nos EUA no inverno
Transportes

A Air France vai reforçar na próxima temporada de verão, que arranca a 27 de março, as rotas para os EUA e conta servir um total de 14 destinos no país, num aumento de operação que chega a 20% face ao período pré-pandemia, segundo comunicado da companhia aérea francesa.

“Durante o verão de 2022, a Air France servirá, portanto, 14 destinos nos EUA a partir de Paris: Atlanta, Boston, Chicago, Dallas, Denver, Detroit, Houston, Los Angeles, Miami, Mineápolis, Nova Iorque-JFK, San Francisco, Seattle e Washington DC, com quase 200 voos/semana, mais 20% do que no verão de 2019”, indica a companhia aérea, numa nota informativa divulgada esta terça-feira, 8 de fevereiro.

De acordo com a Air France, a operação para os EUA tem vindo a ser “gradualmente” fortalecida desde que o país reabriu as fronteiras para viajantes internacionais, em novembro de 2021, o que se deve à importância do mercado norte-americano, que é o “principal destino de longo-curso da companhia em número de lugares oferecidos”.

Atualmente, a Air France voa para 11 destinos nos EUA, concretamente para Atlanta, Boston, Chicago, Detroit, Houston, Los Angeles, Miami, Nova Iorque-JFK, Seattle, São Francisco e Washington DC, numa operação que representa 90% da disponibilizada em 2019, o último ano antes da pandemia.

Mas a companhia aérea francesa vai reabrir uma série de rotas neste verão e, a 27 de março, retoma os voos entre Paris-Orly e Nova Iorque-JFK, com um voo diário, no mesmo dia em que reabre também a rota Paris-CDG – Dallas (Texas), com até cinco voos semanais. A 4 de maio, a Air France abre ainda, pelo segundo ano consecutivo, um serviço sazonal entre Paris-CDG e Denver (Colorado), com três ligações por semana.

Apesar dos planos ambiciosos para os EUA, cujas rotas estão também acessíveis para os passageiros portugueses da companhia aérea através das rotas da Air France de Lisboa, Porto ou Faro via hub da companhia em Paris-CDG, a companhia aérea alerta que o plano de voos “é suscetível de evoluir em função das restrições de viagem”.

A Air France aconselha ainda os seus passageiros a consultarem as condições de entrada e os documentos exigidos por cada país de destino através do site airfrance.traveldoc.aero.

As rotas da Air France para os EUA gozam ainda do serviço o “Ready To Fly”, que é gratuito e opcional, permitindo que os clientes da companhia aérea tenham a “confirmação de que possuem todos os documentos e comprovativos sanitários essenciais às suas viagens antes de se deslocarem para o aeroporto”.

Até 28 de fevereiro, os clientes gozam ainda de bilhetes 100% modificáveis para viagens até 30 de junho de 2022, com a Air France a explicar que os “clientes podem modificar as suas reservas gratuitamente ou obter um voucher reembolsável caso não desejem viajar”, enquanto se o voo for cancelado pela companhia, “o cliente tem a opção de adiar a sua viagem, solicitar o reembolso total do seu bilhete ou beneficiar de um crédito através de um voucher, também reembolsável se não for utilizado”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Nome, morada e ‘e-mail’ de passageiros entre os dados expostos após ataque à TAP

Embora não existam indícios de que dados de pagamento tenham sido exfiltrados dos sistemas, os dados pessoais dos clientes da TAP divulgados pelo grupo cibercriminoso Ragnar Locker vão do nome, morada, ‘e-mail’, data de nascimento até data de registo e número de passageiro. Para já a TAP diz que o acesso ao serviço Miles&Go ou à área reservada dos clientes não foi comprometido.

Os dados pessoais dos clientes da TAP divulgados pelo grupo de cibercriminosos Ragnar Locker, que atacou a companhia aérea em agostos, vão do nome, morada, ‘e-mail’, data de nascimento até data de registo e número de passageiro.

“Lamentavelmente, queremos informar que as categorias de dados pessoais de clientes TAP divulgadas consistem nas seguintes: nome, nacionalidade, sexo, data de nascimento, morada, e-mail, contacto telefónico, data de registo de cliente e número de passageiro frequente”, adiantou a TAP em comunicado.

A companhia aérea indicou que a informação divulgada relativamente a cada cliente pode variar, reiterando que “não há indícios de que dados de pagamento tenham sido exfiltrados dos sistemas”.

“Embora os ciberataques constituam uma ameaça constante para muitas empresas, a TAP tomou imediatamente medidas para a contenção e resolução do incidente, de forma a proteger todos os dados detidos ou geridos”, salientou.

No documento intitulado “Aviso Importante aos Clientes”, a TAP recomendou ainda a “verificação das condições de segurança que os (…) clientes utilizam para aceder à sua área reservada, nomeadamente através da utilização de uma senha forte e da sua alteração frequente”, embora o acesso ao serviço Miles&Go ou à área reservada dos clientes não tenha sido comprometido.

A TAP pediu ainda para que os clientes “se mantenham cautelosos” face “a comunicações não solicitadas que requeiram informações pessoais” e que “evitem clicar em ligações ou descarregar anexos enviados a partir de endereços de ‘e-mail’ suspeitos”.

Além disso, a companhia aérea informa que “não enviará mensagens diretamente a clientes individuais sobre este assunto, por qualquer meio”.

A 20 de setembro, terça-feira, a companhia aérea tinha garantido que conseguiu conter o ataque informático de que foi alvo em agosto numa fase inicial e diz não ter indicação de que os piratas tenham acedido a informações sensíveis, como dados de pagamento.

“Em agosto de 2022, os sistemas internos de cibersegurança da TAP Air Portugal (TAP) detetaram o acesso não autorizado a alguns sistemas informáticos. A TAP está preparada para este cenário e mobilizou de imediato uma equipa de especialistas internos e externos de TI e de peritos forenses para investigar em detalhe o sucedido e prevenir danos adicionais”, explicou a companhia aérea.

Recorde-se que o grupo de cibercriminosos Ragnar Locker publicou na segunda-feira, 19 de setembro, 581 gigabytes (GB) de dados que diz serem relativos a 1,5 milhões de clientes da TAP, garantido, numa mensagem publicada na Dark Web, que “continuam a ter acesso aos sistemas informáticos da TAP”.

Num email enviado aos clientes na semana passada, a TAP alertou os clientes afetados pelo ataque informático, cujos dados foram publicados, de que esta divulgação “pode aumentar o risco do seu uso ilegítimo”, pedindo atenção a comunicações suspeitas.

No email, a transportadora recordou que o ciberataque foi “prontamente comunicado às diversas autoridades competentes”, reiterando que “foram desencadeadas as medidas e procedimentos apropriados de cibersegurança para este tipo de eventos com o apoio de uma empresa internacional especializada e líder da indústria” e que “as medidas adotadas permitiram garantir a integridade dos dados e a operacionalidade, em segurança, de todos os sistemas” da companhia.

“Lamentamos muito que dados pessoais seus tenham sido incluídos nesta divulgação e por qualquer inconveniente que isso lhe possa causar”, disse a TAP, reafirmando ainda o seu “compromisso” com a proteção dos dados pessoais e adiantando que estão “a ser desenvolvidas medidas de reforço da segurança” dos dados.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Airbus Global Business Services abre escritório em Coimbra em 2023

A Airbus vai abrir, no primeiro semestre de 2023, um escritório satélite do Global Business Services Centre em Coimbra, para o qual prevê contratar até 100 colaboradores. O processo de recrutamento abre nas próximas semanas.

Publituris

A Airbus vai abrir, no primeiro semestre de 2023, um escritório satélite do Global Business Services Centre em Coimbra, delegação que vem alargar os serviços do fabricante aeronáutico europeu a mais uma cidade portuguesa, depois da abertura, em 2021, do hub principal em Lisboa.

“A Airbus Global Business Services expande agora as suas operações para mais uma cidade portuguesa, reforçando o investimento que a Airbus está a fazer em Portugal”, lê-se num comunicado divulgado esta quarta-feira, 21 de setembro. 

O novo escritório da Airbus em Portugal vai criar até 100 postos de trabalho, cuja campanha de recrutamento arranca dentro de poucas semanas, prevendo-se que os primeiros colaboradores contratados iniciem funções no início do próximo ano.

“Depois de abrir em 2021 o principal hub do seu Global Business Services (GBS) em Lisboa, que já emprega mais de 350 pessoas e prevê contratar até ao final do ano mais cerca de 100 colaboradores, a Airbus procura agora contratar em Coimbra colaboradores nas áreas de Contabilidade, Procurement, IT Systems, Recursos Humanos e Travel & Expenses”, indica o fabricante aeronáutico.

A Airbus explica que decidiu abrir este novo escritório “para estar mais perto dos potenciais talentos a serem contratados” e porque Coimbra se tem destacado como “a cidade mais relevante para a implementação deste novo projeto devido à sua localização estratégica, opções de transporte e infraestruturas disponíveis, bem como pela presença das instituições de ensino superior politécnico e universidades escolhidas por milhares de estudantes para desenvolverem a sua formação em várias áreas”.

A Airbus Global Business Services abriu em Portugal em maio de 2021 e é uma plataforma internacional de desenvolvimento de talento da Airbus na Europa, que conta atualmente com mais de 350 colaboradores em Lisboa a trabalhar nas áreas de Finanças, Recursos Humanos, Procurement, Gestão de Informação, Engenharia, Comunicação, Atendimento ao Cliente, Jurídica e Compliance.

A Airbus GBS diz ainda que oferece aos seus colaboradores um “pacote salarial atraente e uma gama completa de benefícios”, incluindo seguro de saúde, práticas de success sharing e equipamentos para home office, assim como “uma política de trabalho flexível”, que disponibiliza também oportunidades de mobilidade e desenvolvimento internacional.

As oportunidades de carreira disponíveis atualmente  na Airbus GBS podem ser consultadas aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Summerwind Portugal tem novos contactos

A Summerwind Portugal atualizou os seus contactos gerais, assim como os e-mails dedicados às companhias aéreas Binter e LAM.

Publituris

A Summerwind Portugal atualizou os seus contactos gerais, assim como os e-mails dedicados às companhias aéreas Binter e LAM, informou a empresa de representação de companhias aéreas.

A Summerwind Portugal informa que a sua morada é na Av. Sidónio Pais, 24, 2.º Esq., 1050-215 Lisboa, e que o e-mail geral da empresa é [email protected], estando também disponíveis os números de telefone 211 642 034 e 210 965 713.

Além dos contactos gerais, a empresa atualizou também os emails dedicados para as companhias aéreas Binter e LAM, com a companhia aérea das Canárias a estar agora disponível pelos e-mails [email protected], [email protected] e [email protected]

Já a LAM, companhia aérea de bandeira moçambicana, passa a contar com o e-mail dedicado [email protected]

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Vinci dá primeiros passos para desenvolvimento dos aeroportos de Cabo Verde

O grupo Vinci acaba de dar o primeiro passo para o desenvolvimento dos sete aeroportos de Cabo Verde ao escolher a empresa portuguesa Quadrante para desenvolver, em consórcio, os estudos de arquitetura e engenharia para a primeira fase do programa.

Publituris

O Governo cabo-verdiano concessionou o serviço público aeroportuário ao grupo Vinci, envolvendo a gestão por 40 anos dos quatro aeroportos internacionais e três aeródromos, recebendo 80 milhões de euros, em julho.

O contrato de concessão irá permitir a expansão, modernização, manutenção e exploração de quatro aeroportos internacionais (nas ilhas do Sal, Santiago, Boa Vista e São Vicente) e de três aeródromos destinados a tráfego doméstico (ilhas do Fogo, São Nicolau e Maio) e “responder ao crescimento da economia de Cabo Verde, que tem registado um aumento do tráfego aéreo desde 2010, atingindo 2,7 milhões de passageiros anuais em 2018”, pode-se ler no comunicado.

De acordo com o contrato, a primeira parcela, de 35 milhões de euros, deve ser entregue na data de início da concessão e os restantes 45 milhões de euros “no momento em que se registe a recuperação do tráfego registado em 2019 ou, no primeiro trimestre de 2025.

O grupo Vinci terá ainda de pagar anualmente uma percentagem das receitas brutas ao Estado de Cabo Verde, de 2,5% de 2022 a 2041, de 3,5% de 2042 a 2051 e de 7% de 2052 a 2061.

Segundo o CEO da Quadrante, Nuno Costa, “esta é uma ótima oportunidade para reforçar Cabo Verde como destino turístico e até como um ‘hub’ regional, melhorando a sustentabilidade, a conectividade e performance operacional das infraestruturas aeroportuárias”, ao mesmo tempo que se contribuiu para oferecer uma “experiência de excelência” aos passageiros que visitam estes aeroportos.

“Para a Quadrante é também fundamental participarmos no roteiro para a neutralidade carbónica do grupo Vinci, uma vez que estas obras estão incluídas na meta de redução de 50% da pegada de carbono até 2030, com vista à neutralidade carbónica dos aeroportos até 2050”, destacou o executivo.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

TAP diz não ter indicação de que piratas tenham tido acesso a dados de pagamento

Depois do ataque no mês de agosto, a TAP refere que a intrusão foi “contida numa fase inicial” e que “não há indicação de que informações sensíveis, em particular dados de pagamento, tenham sido exfiltradas”.

Publituris

A TAP Air Portugal garantiu esta terça-feira, 20 de setembro, que conseguiu conter o ataque informático de que foi alvo em agosto numa fase inicial e diz não ter indicação de que os piratas tenham acedido a informações sensíveis, como dados de pagamento.

Depois da informação divulgada pelo jornal Expresso de que o grupo que atacou a companhia aérea em agosto publicou dados de 1,5 milhões de clientes e diz continuar a ter acesso remoto a sistemas da TAP, a companhia sublinha à Lusa que tem estado em todo o processo a trabalhar com o Centro Nacional de Cibersegurança, a Polícia Judiciária e a Microsoft.

“Em agosto de 2022, os sistemas internos de cibersegurança da TAP Air Portugal (TAP) detetaram o acesso não autorizado a alguns sistemas informáticos. A TAP está preparada para este cenário e mobilizou de imediato uma equipa de especialistas internos e externos de TI e de peritos forenses para investigar em detalhe o sucedido e prevenir danos adicionais”, explica a companhia aérea.

A transportadora diz ainda que “graças aos sistemas de cibersegurança e à rápida atuação da equipa interna de TI [tecnologias de informação], a intrusão foi contida numa fase inicial, antes de provocar danos nos processos operacionais”.

“As operações da TAP estão a decorrer com normalidade”, garante a companhia, reconhecendo que, “infelizmente, alguns dados foram roubados pelos hackers e estão a ser divulgados publicamente” e que os dados afetados podem incluir nomes, informações de contacto, informações demográficas e número de passageiro frequente.

A TAP diz ainda que a informação afetada relativamente a cada cliente “pode variar”, mas sublinha que, “até ao momento, não há indicação de que informações sensíveis, em particular dados de pagamento, tenham sido exfiltradas”.

“Esta intrusão visava causar danos à TAP e aos seus clientes. A segurança dos nossos clientes e parceiros comerciais e dos seus dados é a nossa maior prioridade. Continuaremos, por isso, a tomar todas as medidas necessárias para cuidar dos seus dados”, adianta.

Segundo o Expresso, o grupo de cibercriminosos Ragnar Locker “cumpriu a ameaça que vinha fazendo e publicou esta segunda-feira 581 gigabytes (GB) de dados que diz serem relativos a 1,5 milhões de clientes da TAP”.

Numa mensagem publicada na Dark Web – refere o jornal -, os Ragnar Locker “garantem ainda que continuam a ter acesso aos sistemas informáticos da TAP”.

Além das tabelas com moradas, números de telefone e nomes de clientes, o Expresso, que teve acesso aos ficheiros, escreve que a fuga de dados “apresenta documentos de identificação de pessoas que aparentam ser profissionais ou parceiros da TAP, bem como acordos confidenciais com várias empresas e relações com outras companhias de aviação”.

Recorde-se que num e-mail enviado aos clientes na semana passada, a TAP alertou os clientes afetados pelo ataque informático, cujos dados foram publicados, de que esta divulgação “pode aumentar o risco do seu uso ilegítimo”, pedindo atenção a comunicações suspeitas.

No e-mail, a transportadora recordou que o ciberataque foi “prontamente comunicado às diversas autoridades competentes”, reiterando que “foram desencadeadas as medidas e procedimentos apropriados de cibersegurança para este tipo de eventos com o apoio de uma empresa internacional especializada e líder da indústria” e que “as medidas adotadas permitiram garantir a integridade dos dados e a operacionalidade, em segurança, de todos os sistemas” da companhia.

“Lamentamos muito que dados pessoais seus tenham sido incluídos nesta divulgação e por qualquer inconveniente que isso lhe possa causar”, disse a TAP, reafirmando ainda o seu “compromisso” com a proteção dos dados pessoais e adiantando que estão “a ser desenvolvidas medidas de reforço da segurança” dos dados.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

easyJet assinala alargamento de rede em Portugal com oferta de 20% de desconto

Nova campanha da easyJet oferece descontos até 20% em 56 destinos europeus e é válida para reservas até 26 de setembro, cujas viagens decorram até 30 de março de 2023.

Publituris

A easyJet lançou uma nova campanha promocional para assinalar o alargamento da sua rede à partida de Portugal, que é válida para reservas até 26 de setembro e que oferece descontos até 20% em 56 destinos na Europa.

“A companhia aérea líder na Europa tem agora 110.000 lugares disponíveis, para reserva a partir de hoje, em viagens a usufruir até 30 de março do próximo ano”, indica a easyJet, num comunicado enviado à imprensa.

Com esta campanha, que já está disponível para reservas no site da companhia aérea, a easyJet está a oferecer preços que começam nos 29 euros, incluindo para as novas rotas lançadas este inverno para Fuerteventura, Grã-Canária, Tenerife Sul, Porto Santo, Funchal, Bilbau e Valência, desde Lisboa, enquanto à partida do Porto estão ainda disponíveis voos para Funchal, Praga e Luxemburgo.

“A campanha em vigor, para reservas efetuadas até ao dia 26 de setembro, assinala o alargamento da rede a partir de Portugal e proporciona aos clientes a oportunidade imperdível de visitar as novas rotas recentemente anunciadas pela companhia”, destaca a easyJet.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Porto Maritime Week regressa entre 26 e 30 de setembro com debate dedicado aos cruzeiros

Os cruzeiros vão ser um dos principais temas em debate no dia 30 de setembro, data em que decorre uma conferência sob o tema “Novos desafios na indústria dos cruzeiros”, com a participação de vários intervenientes deste setor.

Publituris

A 3.ª edição da Porto Maritime Week vai decorrer entre 26 e 30 de setembro, voltando a reunir na cidade Invicta mais de meia centena de oradores, nacionais e estrangeiros, que vão abordar “o estado da arte do setor, os principais desafios e as oportunidades que as dificuldades do momento também encerram”, incluindo no setor dos cruzeiros.

O evento, que vai decorrer em formato híbrido, com sessões transmitidas online e outras em formato presencial, que vão ter lugar no Crowne Plaza Porto Hotel, vai trazer até ao Porto os responsáveis de alguns dos principais portos mundiais, assim como das associações do setor e de companhias de cruzeiros.

Os cruzeiros vão ser mesmo um dos principais temas em debate no dia 30 de setembro, data em que decorre uma conferência com a participação de Eduardo Cabrita, diretor-geral da MSC Cruzeiros Portugal; Francisco Teixeira, diretor-geral da Melair, que representa a Royal Caribbean e a Celebrity Cruises em Portugal; António Pinto da Silva, diretor comercial da Mundomar Cruzeiros, que representa a Princess Cruises e a Cunard em Portugal; Sonia Corrales, da Norwegian Cruise Line; e Nikos Mertzanidis, da CLIA.

A conferência dedicada ao setor dos cruzeiros vai ser dedicada ao tema “Novos desafios na indústria dos cruzeiros”, tem início pelas 10h00 e conta com a moderação de Fernando Santos, da Global Sea.

Além do debate dedicado aos cruzeiros, a Porto Maritime Week vai abordar também temas ligados ao shortsea shipping e intermodalidade, portos e comunidades portuárias, às políticas comunitários e internacionais, assim como de companhias de navegação, da indústria naval, de transição digital e da descarbonização.

Pela primeira vez, a Porto Maritime Week vai também contemplar eventos paralelos, da responsabilidade dos parceiros da iniciativa, como a Associação 4Shipping, a PRIO e a TECNOVERITAS, voltando ainda a contar com o Jantar do Shipping, que foi suspenso nos dois últimos anos devido à pandemia.

As inscrições para assistir ao evento já se encontram a decorrer e podem ser realizadas aqui, onde está também disponível o programa da Porto Maritime Week, assim como a lista de oradores já confirmados.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Costa Cruzeiros acaba com testes pré-embarque no Mediterrâneo, Caraíbas e Emirados Árabes Unidos

O fim do teste pré-embarque entra em vigor a 8 de outubro e aplica-se aos passageiros da Costa Cruzeiros que estejam completamente vacinados contra a COVID-19.

Publituris

A Costa Cruzeiros vai abolir, a partir de 8 de outubro, o teste pré-embarque nos cruzeiros do Mediterrâneo, Caraíbas e Emirados Árabes Unidos, medida que faz parte da simplificação de procedimentos de saúde relacionados com a COVID-19, anunciada pela companhia de cruzeiros.

De acordo com uma nota informativa da Costa Cruzeiros divulgada esta segunda-feira, 19 de setembro, o fim do teste pré-embarque aplica-se aos passageiros que estejam completamente vacinados contra a COVID-19.

No Mediterrâneo e Caraíbas, os passageiros que não estejam completamente vacinados também passam a poder embarcar, desde que apresentem um teste antigénio pré-embarque negativo.

“A partir de 8 de outubro entrarão em vigor os novos procedimentos, que vão permitir uma maior simplificação das medidas, sobretudo as de pré-embarque, exigidas a bordo dos navios da empresa”, sublinha a companhia de cruzeiros, lembrando que, quer nos serviços a bordo quer nas excursões em terra, os procedimentos já tinham sido simplificados desde a primavera.

Apesar da melhoria da situação epidemiológica na Europa, os procedimentos variam consoante o destino, uma vez que em muitos destinos continua a existir limitações relacionadas com a COVID-19.

Desde forma, a Costa Cruzeiros informa que, nos cruzeiros com menos de 14 noites no Mediterrâneo e Caraíbas, com exceção da Grécia, os hóspedes que tenham completado a vacinação COVID-19 “poderão embarcar nos navios sem ter de passar por mais testes pré-embarque”.

Quem não tiver a vacinação completa, também pode embarcar, desde que apresente, no embarque, uma certificação oficial do resultado negativo de um teste antigénio (ou também um teste RT- PCR molecular) realizado até 48 horas antes da hora do embarque.

Já os cruzeiros com escala na Grécia obrigam à vacinação completa ou parcial, sendo que também os recuperados podem viajar nestes itinerários, desde que se submetam a testes de antigénio com resultado negativo até 48 horas antes da hora do embarque.

Os cruzeiros com passagem por Marrocos também obrigam à realização de testes para quem não está completamente vacinado, sendo necessário realizar um teste molecular RT-PCR adicional a bordo 48 horas antes da entrada no país.

Nas Caraíbas, as saídas do navio em Barbados, St. Vincent e St. Marteen só são permitidas se os passageiros apresentarem um teste de antigénio negativo e realizado 24 ou 48 horas antes da chegada do navio.

“Esses testes, assim como os programados antes da entrada no Marrocos, podem ser feitos a bordo dos navios Costa Cruzeiros por um preço especial”, refere a companhia na informação divulgada.

Nos cruzeiros pelos Emirados Árabes Unidos, Omã e Qatar, também é necessário possuir a vacinação completa contra a COVID-19 para dispensar o teste pré-embarque.

Já as viagens de Volta ao Mundo e cruzeiros transatlânticos com mais de 14 noites de duração exigem que os passageiros tenham a vacinação completa e façam um teste antigénio com resultado negativo nas 48 horas do horário do embarque.

Além destes requisitos, os cruzeiros de maior duração obrigam também ao uso de máscara nas áreas públicas durante os primeiros sete dias do cruzeiro, enquanto noutros destinos (Mediterrâneo, Caraíbas, Emirados Árabes Unidos) o uso de máscara é simplesmente recomendado.

“Esta nova versão dos protocolos continuará a garantir elevados padrões de segurança a bordo. Em caso de necessidade, os navios Costa continuam equipados para realizar testes à Covid-19, tanto antigénios como moleculares. Também será mantido o reforço da limpeza e higienização das áreas públicas, camarotes, terminais e veículos utilizados para excursões e transporte de hóspedes. A tripulação passa por testes COVID antes do embarque e periodicamente enquanto estiver a bordo”, refere ainda a Costa Cruzeiros.

Todas as informações sobre os protocolos em vigor nos navios da Costa Cruzeiros estão disponíveis aqui.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Emirates volta a recrutar em Portugal

Companhia aérea do Dubai voltar a realizar duas ações de recrutamento em Braga e Lisboa, a 21 e 23 de setembro, respetivamente.

Publituris

A Emirates vai voltar a realizar ações de recrutamento de tripulantes de cabine em Portugal e, este mês, tem previstos dois Assessment Days em Braga e em Lisboa, que decorrem já nas próximas quarta e sexta-feira, 21 e 23 de setembro, respetivamente.

Em Braga, a ação de recrutamento da Emirates, que acontece na quarta-feira, 21 de setembro, vai ter lugar no hotel Mercure Braga Centro, enquanto a sessão de Lisboa, que decorre sexta-feira, 23 de setembro, está marcada para o hotel Ramada Lisbon by Wyndham.

Segundo a companhia aérea, “o candidato ideal terá de liderar com confiança e assumir o controlo na gestão dos serviços a bordo, nomeadamente no que se refere aos procedimentos de segurança”.

Todos os requisitos para o processo de seleção estão disponíveis aqui e a Emirates indica que os interessados em participar nestas ações de recrutamento devem apresentar uma candidatura online e possuir o curriculum vitae (CV) atualizado e em inglês, assim como uma fotografia recente.

No dia das ações de recrutamento, acrescenta a companhia aérea de bandeira do Dubai, os candidatos devem estar preparados para passar todo o dia no local de seleção.

A companhia aérea lembra ainda que toda a sua tripulação recebe formação nas instalações da Emirates no Dubai e conta com “excelentes oportunidades de carreira”, ao abrigo da “vasta gama de programas de desenvolvimento” que a transportadora disponibiliza aos seus colaboradores.

“Toda a tripulação da Emirates está baseada na cidade cosmopolita do Dubai e usufrui de um pacote salarial  distintivo no mercado que inclui uma variedade de benefícios tais como um salário isento de impostos, alojamento gratuito oferecido pela companhia, transporte gratuito de e para o trabalho, excelente cobertura médica, bem como descontos exclusivos em compras e atividades de lazer no Dubai”, acrescenta a Emirates.

A tripulação de cabine da Emirates goza ainda de vários benefícios de viagem para si e para as suas famílias e amigos, que abrangem todos os destinos para os quais a companhia aérea voa.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

eDreams ODIGEO recupera planos de viagem de mais de 5 milhões de clientes afetados por perturbações nos aeroportos

A eDreams ODIGEO acaba de anunciar que ajudou, “com sucesso”, mais de 5.12 milhões de clientes afetados pelas disrupções nos aeroportos e voos de companhias aéreas desde o início da pandemia.

Publituris

Durante este período, a empresa diz que envidou o maior esforço operacional dos seus mais de 22 anos de história, “trabalhando incansavelmente a favor dos clientes para voltar a reservar voos cancelados, recuperar reembolsos de companhias aéreas e reorganizar os planos de viagem dos consumidores”.

A disrupção sem precedentes nas viagens causada pela pandemia provocou um aumento de 240% no número de viajantes que procuram assistência para os seus planos de viagem, em comparação com os níveis pré-Covid. Em resposta a isto, a eDreams ODIGEO destaca que aumentou as suas equipas de suporte e de reembolsos operacionais para apoiar ainda mais os seus clientes.

Este investimento adicional, segundo a empresa, em nota de imprensa, permitiu reduzir o tempo médio de espera dos clientes em 65% desde o início da pandemia, sendo que a velocidade média de resposta às chamadas dos clientes é agora de 95 segundos, contribuindo para que nove em cada 10 clientes (87%) declarem estar satisfeitos ou muito satisfeitos com o serviço que receberam. Em Portugal, esta velocidade média de resposta é mesmo superior à média global, situando-se em apenas 69 segundos.

Igualmente, este esforço resultou na resolução de 97% dos reembolsos dos clientes, sendo necessários os reembolsos das companhias aéreas para garantir a resolução de 100% de todos os casos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.