Assine já
Transportes

easyJet mantém resultados no negativo, mas aponta recuperação total para final de 2022

Com resultados ainda no vermelho no ano fiscal de 2021, terminado em setembro, a easyJet aponta para estar a níveis pré-pandémicos no 4.º trimestre de 2022.

Publituris
Transportes

easyJet mantém resultados no negativo, mas aponta recuperação total para final de 2022

Com resultados ainda no vermelho no ano fiscal de 2021, terminado em setembro, a easyJet aponta para estar a níveis pré-pandémicos no 4.º trimestre de 2022.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
easyJet regista prejuízo pela primeira vez na sua história
Homepage
easyJet espera voar 15% da capacidade de 2019 no terceiro trimestre de 2021
Homepage
easyJet
O ano de todos os recordes na easyJet
Homepage
easyJet
Ponta Delgada: mais de um quarto dos passageiros voaram em low-cost
Homepage
Açores

A easyJet obteve, no exercício fiscal de 2021, terminado em setembro, receitas de 1.458 milhões de libras (cerca de 1.725 milhões de euros), comparando com os 3.000 mil milhões de libras (cerca de 3.540 mil milhões de euros) do exercício transato de 2020, correspondendo a um decréscimo de 52%.

No que toca aos lucros, a companhia aérea anuncia, no comunicado ao mercado, que obteve prejuízos de 858 milhões de libras (ligeiramente acima de mil milhões de euros), após contabilizar perdas de 1.079 milhões de libras (1.270 milhões de euros) no ano anterior.

Ao comentar os resultados, Johan Lundgren, CEO da easyJet, admite que a companhia está a passar pela pandemia com “força renovada”, tendo “transformado o negócio ao otimizar a rede e flexibilidade, proporcionando uma economia significativa de custos”.

Depois de apresentados os números referentes ao ano fiscal de 2021, pode ler-se no comunicado que a companhia vê “um início encorajador para este ano [2022]”, destacando a “forte procura para os períodos de pico de férias de inverno, juntamente com o aumento da procura de verão”, admitindo que a capacidade no último trimestre de 2022, ou seja, de julho a setembro do próximo ano, “esteja perto dos níveis do ano fiscal de 2019”.

“Com planos ambiciosos de crescimento, estamos a expandir as nossas posições de liderança em bases importantes como Gatwick e Milão com ‘slots’ e aeronaves adicionais este ano e com 118 aeronaves encomendadas com uma compra adicional de 59 opções e direitos confirmados para continuar a desenvolver nos próximos anos”, diz Lundgren, vendo uma “oportunidade para a easyJet conquistar clientes e quota no mercado” aos rivais neste período.

Quanto à nova variante da COVID-19, Ómicron, a companhia refere no comunicado que, “é muito cedo para dizer que impacto a variante terá nas viagens na Europa e as consequências que quaisquer restrições de curto prazo possam ter”.

“Continuamos a ver os bons níveis das novas reservas para a segunda metade do ano e continuamos a esperar que o quarto trimestre de 2021-2022 mostre um regresso aos níveis próximos da pré-pandemia em termos de capacidade, já que as pessoas optam por fazer as suas esperadas férias de verão”, refere a companhia no comunicado.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Grupo Royal Caribbean suspende teste COVID-19 antes do embarque já este mês

Grupo de companhias de cruzeiros vai suspender já na próxima segunda-feira, 8 de agosto, o teste antes do embarque para passageiros vacinados contra a COVID-19 em cruzeiros até cinco dias e espera alargar a suspensão a todos os cruzeiros em breve.

O Grupo Royal Caribbean deverá suspender os testes COVID-19 antes do embarque para passageiros vacinados em cruzeiros até cinco dias já a partir da próxima segunda-feira, 8 de agosto, avança o jornal britânico especialista em turismo Travel Weekly, que cita Jason Liberty, presidente e CEO do grupo de companhias de cruzeiros.

De acordo com o responsável, a suspensão dos testes aplica-se, numa primeira fase, apenas aos cruzeiros até cinco dias, ainda que Jason Liberty admita que a sua abolição se venha a estender aos restantes cruzeiros dentro de pouco tempo.

“Assim que o teste nos EUA foi suspenso, assistimos a um aumento de 9% a 10% nas reservas para viagens de 2022. Ganhámos bastante terreno desde que essa exigência foi levantada”, afirmou o responsável, durante a apresentação dos resultados trimestrais do grupo, na passada quinta-feira, 28 de julho.

Tal como o presidente e CEO do Grupo Royal Caribbean, também Michael Bayley, presidente e CEO da Royal Caribbean, uma das mais conhecidas companhias de cruzeiros do grupo, concorda que a suspensão dos testes deverá atrair um maior número de cruzeiristas, até porque, explicou, cerca de 40% dos clientes da companhia que receberam crédito para um futuro cruzeiros ainda não o utilizaram e estão à espera que a exigência do teste deixe de existir.

“Esperamos ver um aumento nas reservas”, acrescentou Jason Liberty, admitindo que o Grupo Royal Caribbean espera que 2023 já seja um ano “normal”, com melhores taxas de ocupação e um EBITDA mais elevado.

O responsável mostra-se confiante na recuperação que as companhias de cruzeiros do grupo têm vindo a apresentar, motivo pelo qual afirma que 2022 é um “ano de transição”, ao longo do qual o grupo espera ver aumentar os níveis de ocupação.

“Estou confiante em nossa trajetória de recuperação”, afirmou, explicando que o grupo tem assistido a uma forte procura na Europa para 2023, que tem vindo a aumentar à medida que o verão vai decorrendo.

“Esperamos que a Europa se comporte de forma muito semelhante a 2019”, indicou ainda Jason Liberty, revelando que, neste momento, a ocupação na Europa ronda os 75%, muito por culpa do impacto do conflito militar na Ucrânia.

Recorde-se que, além da Royal Caribbean International, o Grupo Royal Caribbean conta também com as companhia de cruzeiros Celebrity Cruises e Silversea Cruises, sendo representado em Portugal pela Melair Cruzeiros.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Qatar Airways obtém certificação ISO em Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacionais

A Qatar  Airways obteve a certificação ISO 45001:2018, relativa a sistemas de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacionais, que confirma o empenho da companhia aérea na prevenção de lesões de trabalho e melhoria do bem-estar dos colaboradores.

A Qatar  Airways obteve a certificação ISO 45001:2018, relativa aos sistemas de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacionais, que confirma o empenho da companhia aérea na prevenção de lesões relacionadas com o trabalho e na melhoria do bem-estar dos seus colaboradores.

“A certificação foi obtida através da implementação de várias medidas preventivas, incluindo avaliações de risco, formações e inspeções regulares de adesão”, indica a companhia aérea, revelando que a avaliação decorreu ao longo de um período de 28 dias e abrangeu vários critérios avaliados pelo Bureau Veritas, entidade responsável pela atribuição da certificação.

Durante o período de avaliação, foram realizados testes independentes por oito auditores em onze locais, num processo que envolveu também entrevistas a colaboradores das companhias aéreas durante o período de avaliação para assegurar a conformidade com a norma do sector.

“A segurança e o bem-estar dos nossos colaboradores são de grande importância para nós, e a nossa nova ISO 45001:2018 é uma prova das medidas vigorosas que temos vindo a implementar. Reduzimos, comprovadamente, os fatores que levam a lesões relacionadas com o trabalho e, consequentemente, melhorámos o estilo de vida dos nossos colaboradores”, congratula-se  Akbar Al Baker, CEO da Qatar Airways.

Esta foi a 14.ª certificação ISO recebida pela companhia aérea de bandeira do Qatar, que viu, assim, reconhecida a excelência operacional em todos os seus departamentos e subsidiárias.

Tal como a Qatar Airways, também a subsidiária de catering da Qatar Airways, a QACC, conquistou recentemente a sexta certificação ISO, concretamente a ISO/IEC 17025:2017 para Acreditação Laboratorial, enquanto o Aeroporto Internacional de Hamad (HIA) obteve quatro certificações ISO, incluindo a ISO 55001:2014, a ISO/IEC 27001:2013, a ISO 22301:2019 e, mais recentemente, a ISO/IEC 20000-1:2018.

Já a Qatar Aviation Services (QAS), serviço de assistência em terra da Qatar Airways, conquistou duas certificações ISO de Sistemas de Gestão de Qualidade para os seus serviços operacionais de companhia aérea e para os seus serviços de gestão de cargas, ao abrigo da certificação 9001:2015.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Emirates oferece bilhetes para o maior parque aquático do mundo

Oferta da Emirates é válida para reservas realizadas até 21 de agosto e, além dos passageiros que viajam para o Dubai, abrange também os passageiros com voos com escala superior a 15 horas no Dubai.

A Emirates está, desde esta terça-feira, 2 de agosto, a oferecer um bilhete para o Aquaventure, o maior parque aquático do mundo e que se localiza no Dubai, aos passageiros que viajarem com a companhia aérea para o Dubai, à partida de Portugal.

De acordo com um comunicado da companhia aérea, a oferta é válida para reservas realizadas até 21 de agosto e, além dos passageiros que viajam para o Dubai, abrange também os passageiros com voos com escala no Dubai superior a 15 horas.

A oferta permite o acesso ao longo de um dia inteiro ao Aquaventure, considerado o maior parque aquático do mundo e uma das principais atrações turísticas do Dubai, ficando localizado no resort Atlantis The Palm.

“Este parque apresenta passeios famosos e atrações recordistas, com mais de 1 km de praia privada, escorregas aquáticos fantásticos e ainda inúmeros parques infantis. Desfrute de 105 escorregas aquáticos, incluindo o Lea of Faith, Anaconda e, o preferido das famílias, Surf’s Up Wave Rider”, destaca a Emirates, na informação enviada à imprensa.

Além dos escorregas aquáticos, o Aquaventure disponibiliza também Safaris de Tubarões, em que é possível nadar com estes animais marinhos, bem como o novo programa Mini Biólogo Marinho, onde é possível aprender tudo sobre a vida marinha.

“Existem diversões para toda a família, com aventuras para as crianças, onde podem explorar a maior zona infantil do mundo, com mais de 16 atrações, incluindo o primeiro rally-racer infantil do mundo e o escorrega tornado”, acrescenta a companhia aérea de bandeira do Dubai.

Para os passageiros portugueses, que viajem com a companhia aérea para o Dubai nos voos da Emirates, a oferta é válida para reservas realizadas até 21 de agosto, em qualquer classe de bordo, devendo a viagem decorrer entre 5 de agosto e 15 de outubro.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Iberia regressa aos níveis de capacidade pré-pandemia

A companhia aérea espanhola estima atingir os mesmos níveis de capacidade na operação de inverno face a 2019. Portugal, mais concretamente, Lisboa terá 40 voos semanais, enquanto o Funchal manterá a três frequências semanais.

Victor Jorge

A Iberia anunciou que está a finalizar o programa de inverno, que vai de 30 de outubro de 2022 a 25 de maço de 2023, revelando que continua a “consolidar a recuperação toda a rede de voos e destinos” e que no próximo inverno registará os mesmos níveis de capacidade do período pré-pandemia, apontando o relançamento das rotas para a América Latina e Estados Unidos da América (EUA), bem como um maior desenvolvimento dos voos de curta e média distância.

A aposta da Iberia na América Latina consiste na recuperação dos voos diretos para o Rio de Janeiro e Caracas, os últimos dois destinos que ainda se encontravam em aberto depois da pandemia, disponibilizando a companhia três voos semanais para cada destino.

Além disso, a companhia aérea espanhola destaca a relevância dos desenvolvimentos em destinos como Havana, de três para cinco voos semanais, além de Guatemala e El Salvador para onde passará a voar sete vezes por semana em vez das cinco frequências de voo, mantendo-se os seis voos semanais para Quito e os três para Guayaquil.

O México continuará a ser o destino com mais disponibilidade de voos, para além de Bogotá e Buenos Aires, onde a Iberia consolidará o período de inverno com dois voos diários. Já em Santiago do Chile, Lima e São Paulo, a companhia manterá o voo diário, destinos aos quais se juntam San José e Costa Rica que passam a ter, em vez dos seis voos por semana, sete voos semanais. Montevideo e Panamá passarão a contar com seis voos por semana e Porto Rico com quatro ao longo de toda a temporada de inverno.

Aposta norte-americana
Já mais a Norte, nos EUA, a principal novidade da Iberia é a inclusão de Dallas na operação de inverno, cidade para a qual foram lançados voos para este verão, até 29 de outubro. De acordo com a informação prestada pela Iberia, “Dallas é o principal ‘hub’ para a American Airlines -sócia da Iberia, British Airways, Finnair e Aer Lingus no acordo de exploração para as rotas entre a Europa e a Atlântico Norte -, contribuindo para gerar tráfego suficiente para manter esta rota também no inverno, com três frequências semanais até fevereiro e quatro para o mês de março”.

Além disso, a Iberia revela estar a crescer em diversos destinos nos EUA, em comparação com o inverno transato, embora as restrições das viagens a partir da Europa só tenham sido levantadas no mês de novembro de 2021. Assim, em Miami, a Iberia passará de 10 para 14 voos por semana, ou seja, duas voos diários, enquanto para Nova Iorque aumenta mais três frequências, passando de 10 para 13, sendo que em março atingirá as 14 frequências semanais.

Aumento de capacidade nos voos na Europa
Também na rede de voos de curta e média distância, a Iberia anuncia uma maior aposta, com a capacidade a aumentar face ao inverno de 2019, assumindo esse compromisso tanto no corporate como lazer.

Na Europa a Iberia foca-se em Itália, acrescentando sete frequências extra para Milão, passando de 28 para 35 voos semanais, e mais quatro para Roma, totalizando 37 voos por semana. Assim, em ambos os destinos, a companhia aérea oferecerá, no próximo inverno, uma média de cinco voos diários em cada direção.

Para Portugal, a Iberia revela que oferecerá até 40 voos semanais para Lisboa (até seis voos diários), mantendo a aposta no Funchal em todo o inverno, com três frequência por semana.

Outros destinos europeus a serem considerados nesta aposta de aumento de capacidade são Genebra, Bruxelas e Bordéus, para onde a Iberia passará a voar até cinco, três (em ambos os casos), respetivamente.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Air France abre nova rota diária entre Paris e Newark em dezembro

Nova rota para Newark, nos EUA, marca o regresso da Air France a uma rota que deixou de operar em 2012 e junta-se aos seis voos por dia que a companhia aérea já opera para Nova Iorque-JFK.

Publituris

A Air France vai abrir, a 12 de dezembro, uma nova rota direta entre Paris-Charles de Gaulle e o aeroporto de Nova Iorque – Newark Liberty, que vai contar com voos diários, ao longo de todo o ano, informou a companhia aérea em comunicado.

“Este voo diário marca o regresso da Air France a Newark, destino histórico da companhia servido com voos diretos até 2012”, sublinha a Air France na informação divulgada, revelando que os voos para Newark vão ser operados num avião Boeing 777-200, com capacidade para 280 passageiros, incluindo 40 em Business, 24 em Premium Economy e 216 na Economy.

De acordo com a Air France, a nova rota vem juntar-se aos seis voos diários que a companhia aérea já opera para Nova Iorque-John F. Kennedy, a que se juntam ainda dois voos diários operados pela Delta Air Lines, parceira da Air France na aliança Sky Team.

“Ao servir os dois principais aeroportos da cidade de Nova Iorque, a Air France oferece mais opções aos seus clientes, que vão poder escolher o aeroporto mais próximo de seu destino”, acrescenta a Air France, revelando que Newark será o 18.º destino da companhia aérea francesa na América do Norte este inverno.

Os novos voos vão partir de Paris-Charles de Gaulle pelas 12h30 e chegam a Newark às 15h00, enquanto em sentido inverso a partida decorre pelas 17h05, chegando à capital francesa pelas 06h05 do dia seguinte.

Para os passageiros portugueses da Air France, os novos voos de Newark vão estar disponíveis através dos voos da companhia aérea de Lisboa ou do Porto via hub em Paris-CDG.

Os detalhes do programa de voos e as tarifas já podem ser consultados em airfrance.pt, ainda que a companhia aérea alerte que o “programa de voos é suscetível de mudanças e mantém-se sujeito à obtenção das necessárias autorizações governamentais”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

LATAM Airlines com problemas na linha telefónica de atendimento a agentes de viagens

Companhia aérea pede desculpa pelo incómodo causado e pede aos agentes de viagens para usarem outros canais de contacto, uma vez que a linha de atendimento telefónico se encontra com problemas.

Publituris

A LATAM Airlines veio esta terça-feira, 2 de agosto, pedir aos agentes de viagens que contactem a companhia aérea através de e-mail ou do seu website, uma vez que a linha de atendimento telefónico se encontra com problemas.

Num comunicado divulgado esta terça-feira, a companhia aérea explica que está a assistir a interrupções no serviço telefónico, motivo pelo qual pede aos agentes de viagens que entrem em contacto com a LATAM Airlines através do website www.latamtrade.com, onde é possível comunicar com a companhia aérea através de chat. Disponível está também o contacto por e-mail.

A LATAM Airlines garante que tanto o e-mail como o contacto por chat através do seu website estão “operacionais como habitualmente” e pede desculpas pelo inconveniente causado.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Europcar Mobility Group patrocina Volta a Portugal

O Europcar Mobility Group (EMG) vai patrocinar o Prémio da Camisola da Montanha na próxima edição da Volta a Portugal, que decorre entre 4 e 15 de agosto.

Publituris

O Europcar Mobility Group (EMG) vai patrocinar o Prémio da Camisola da Montanha na próxima edição da Volta a Portugal, que decorre entre 4 e 15 de agosto, trazendo de volta a prova mais emblemática do ciclismo nacional.

“Partimos para a estrada já no próximo dia 4 de agosto com entusiasmo, por fazermos parte de um evento desportivo com tanta história e tradição no nosso país. É uma honra e um orgulho podermos dizer que a Europcar é um dos patrocinadores da Volta a Portugal”, sublinha Paulo Pinto, Head of Portugal da EMG em Portugal.

Nesta edição da Volta a Portugal, o EMG patrocina o Prémio da Camisola da Montanha e, além da presença na camisola do vencedor deste prémio, vai estar também presente na prova com stands com animação destinada ao público, enquanto a organização vai viajar em carros cedidos pela marca.

“A ligação da Europcar a este evento, surge de forma natural, dando continuidade a uma estratégia global de mobilidade sustentável, que já está em curso há alguns anos. A Europcar tem solidificado a sua atividade através de uma frota diversificada que disponibiliza um conjunto de soluções atrativas de mobilidade e alternativas ao veículo próprio tais como: aluguer de veículos ligeiros de passageiros e de carga de mercadorias, veículos elétricos, e ainda aluguer de bicicletas, scooters e motos”, acrescenta Paulo Pinto.

No total, a prova conta com 10 etapas em vários pontos do país, oferecendo ao EMG a oportunidade de “se aproximar dos consumidores nacionais, reforçando a ligação à marca”, uma vez que estão previstas ativações criadas especialmente para animar a festa que a Volta proporciona pelas localidades por onde passa.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Sindicatos lançam pré-aviso de greve para 10 aeroportos portugueses entre 19 e 21 de agosto

O pré-aviso de greve prevê que a paralisação entre em vigor às 00h00 de 19 de agosto, prolongando-se até ao fim do dia 21.

Publituris

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC) e o Sindicato dos Quadros da Aviação Comercial (SQAC) lançaram um pré-aviso de greve que abrange 10 aeroportos nacionais entre 19 e 21 de agosto, paralisação que vai servir para protestar contra “a inflexibilidade das propostas apresentadas pela ANA/VINCI ao longo do último ano”.

“Perante a inflexibilidade das propostas apresentadas pela ANA/VINCI ao longo do último ano e a tentativa de reduzir direitos consagrados no Acordo de Empresa, atacando os direitos que os trabalhadores alcançaram ao longo de décadas, o SINTAC e o SQAC consideram urgente acabar com esta política cega e acabar com toda esta instabilidade”, referem os sindicatos num comunicado enviado à imprensa.

Segundo os sindicatos, em causa está a “reivindicação do levantamento da suspensão das contribuições para o fundo de pensões por parte da Vinci”, bem como a contratação de “mais recursos humanos para operações aeroportuárias, supervisores de operações de socorro e técnicos de manutenção nos vários aeroportos nacionais”.

O pré-aviso de greve foi lançado após auscultação dos trabalhadores e, segundo o comunicado divulgado pelos sindicatos, vai abranger “todos os trabalhadores de todos os aeroportos da ANA, concessionados pelo grupo Vinci Aeroportos”, entrando em vigor às 00h00 de 19 de agosto e prolongando-se até ao fim do dia 21.

Os sindicatos reclamam a reposição das contribuições para o fundo de pensões dos trabalhadores, que a Vinci Aeroportos “deixe de tentar destruir os direitos obtidos ao longo de décadas pelos trabalhadores da ANA”, aumente “dignamente o salário dos seus trabalhadores, tendo em conta os seus resultados e a inflação” e “tome medidas urgentes no sentido de contratar os recursos humanos em falta”.

O SINTAC e o SQAC apontam que este pré-aviso surge “após várias tentativas, ao longo dos últimos anos, de evitar que uma greve fosse adiante”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Receita do Grupo SATA cresce 15,2% face a 2019 no 1.º semestre

O Grupo SATA registou, entre janeiro e junho, receitas no valor de 107,9 milhões de euros, valor que torna este no “melhor 1.º semestre em termos de Receita desde que há registos consolidados”.

Publituris

No primeiro semestre do ano, o Grupo SATA obteve receitas de 107,9 milhões de euros, valor que cresceu 51,4 % face a igual período do ano passado e 15,2% em comparação com o primeiro semestre de 2019, antes da pandemia da COVID-19, o que, segundo o grupo de aviação açoriano, “antecipa uma boa execução do Plano de Restruturação em 2022”.

De acordo com um comunicado do Grupo SATA, o valor de 107,9 milhões de euros constitui “o melhor 1.º semestre em termos de Receita desde que há registos consolidados” e deve-se à “recuperação do tráfego pós-pandemia”.

Além da receita, o Grupo SATA assistiu também ao aumento do número de passageiros transportados pela Azores Airlines, a companhia aérea que realiza voos para fora do arquipélago dos Açores, e pela SATA Air Açores, que liga as ilhas açorianas, que “duplicou em relação ao 1.º semestre de 2021 e ficou apenas 2,3% abaixo do primeiro semestre de 2019”.

Entre janeiro e junho de 2022, a Azores Airlines obteve receitas de 70,2 milhões de euros, crescendo 115% em comparação com o mesmo período de 2021 e 8,6% em comparação com o mesmo período de 2019.

Já a SATA Air Açores apresentou receitas de 41,5 milhões de euros entre janeiro e junho, o que traduz um aumento de 2,2% face a igual período do ano passado e de 26% face ao primeiro semestre de 2019.

“Em ambas as companhias aéreas o semestre de janeiro a junho de 2022 passou a
ser o melhor 1.º semestre em termos de Receita dos últimos 10 anos”, indica o grupo de aviação açoriano.

Na informação divulgada, o Grupo SATA revela que, no primeiro semestre, foi também possível descer os Custos Operacionais Unitários, com exceção do combustível, que apresentaram um decréscimo de 31,4% e 10%, face ao primeiro semestre de 2021 e 2019, respetivamente. Já na SATA Air Açores, os Custos Operacionais Unitários caíram 18,4% e 5% face aos seis primeiros meses de 2021 e 2019, respetivamente.

“Estes ganhos tendem a aumentar à medida que a operação normaliza, as iniciativas de restruturação se consolidam e os custos extraordinários de combate à pandemia desaparecem. Estas poupanças transversais ajudam a acomodar, embora apenas parcialmente, o brutal impacto da subida dos custos com combustível”, explica o Grupo SATA.

No caso do combustível, a tendência é a oposta e, no primeiro semestre de 2022, este custo subiu 304% em relação a igual período de 2021, o que corresponde a 24,3 milhões de euros, muito por culpa da guerra na Ucrânia. Em comparação com 2019, os custos do combustível aumentaram já 75%, representando cerca de 13,9 milhões de euros.

Em resultado do aumento do preço do combustível, o EBITDA da Azores Airlines foi de 14,9 milhões de euros, em linha com 2019, com o grupo de aviação açoriano a destacar que, este indicador, é “tradicionalmente negativo no 1.º semestre”.

Já na SATA Air Açores o EBITDA do primeiro semestre foi de 4,9 milhões de euros, , “substancialmente superior a 2019”, quando este indicador tinha ficado nos 0,2 milhões de euros.

Na informação divulgada, o Grupo SATA revela ainda que, ao nível operacional, os níveis de pontualidade dos voos das suas companhias aérea “estiveram sob pressão no 2.º trimestre”, devido aos constrangimentos aeroportuários na Europa e EUA, ainda que o grupo sublinha que, “as companhias aéreas SATA têm na generalidade conseguido executar a operação planeada”, registando-se um “mínimo de cancelamentos”.

Apesar dos resultados positivos, a incerteza que a aviação vive leva o Grupo SATA a indicar perspetivas “moderadas” para o resto do ano, um a vez que, considera o grupo, “o tráfego no verão continua a crescer a um ritmo forte e sustentado”, mas os “preços do combustível continuam elevados, indiciando tendência para descer ligeiramente, mas de forma muito volátil”.

“Também o crescimento da inflação e aumento das taxas de juro ameaçam a procura no último quadrimestre. Ainda assim, neste contexto, o Grupo SATA antecipa terminar
o ano com uma performance melhor do que a prevista no seu Plano de Restruturação”, conclui o grupo de aviação açoriano.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Emerald Luna é o primeiro navio de bandeira portuguesa a navegar nos rios Reno e Danúbio

O Emerald Luna é um navio com capacidade para 180 passageiros e 47 tripulantes, que conta com um total de 92 cabines de passageiros.

Publituris

A Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) certificou o Emerald Luna como o primeiro navio de bandeira portuguesa autorizado a operar nos rios Reno e Danúbio.

Num comunicado enviado à imprensa, a DGRM explica que esta certificação se trata de um “marco histórico” para a Bandeira Portuguesa, que passa a ter um navio autorizado a navegar no rio Reno, a maior via navegável europeia.

De acordo com a DGRM, esta autorização é possível devido à publicação do Decreto-Lei n.º 40/2021, que prevê que o acesso ao regime reservado pela Convenção Revista para a Navegação do Reno aos navios que podem navegar naqueles rios.

“A DGRM passou a ser a entidade nacional competente para a emissão dos certificados que comprovam que a embarcação pertence à navegação do Reno, nos termos e para os efeitos do disposto nos artigos 2.º e 5.º do Regulamento de Aplicação das disposições do terceiro parágrafo do artigo 2.º daquela Convenção”, indica a DGRM.

Deste modo, os navio de bandeira portuguesa e que cumpram os requisitos da Convenção para a Navegação no Rio Reno, podem passar a ser certificados para navegar neste rio, o que, acrescenta a DGRM, “se reveste de grande importância económica para a Europa Central”.

O Emerald Luna é um navio com capacidade para 180 passageiros e 47 tripulantes, que conta com um total de 92 cabines de passageiros e tem 135 metros de cumprimento e 11 metros de boca, tendo sido construído em 2021 nos estaleiros de Scheepswerf Den Breejen Shipyard.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.