Assine já
Homepage

Madeira passa a exigir apenas testes rápidos em viagens para o arquipélago

Esta medida entra em vigor a partir de 1 de julho, anunciou o Governo Regional.

Publituris
Homepage

Madeira passa a exigir apenas testes rápidos em viagens para o arquipélago

Esta medida entra em vigor a partir de 1 de julho, anunciou o Governo Regional.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
“Crescimento de camas na Madeira está limitado e privilegia requalificação”
Destinos
Madeira ainda sem data para regresso dos cruzeiros
Homepage
Madeira considera prorrogar obrigatoriedade de teste PCR
Homepage
Madeira investe 4,9M€ na “transformação radical” da Marina do Funchal
Homepage

A partir de 01 de julho passa a ser obrigatório a apresentação de teste rápido antigénio negativo à covid-19 para entrar na Madeira, realizado até 48 horas antes da viagem, em substituição do PCR, anunciou o Governo Regional, esta segunda-feira.

O executivo regional, liderado por Miguel Albuquerque, anunciou também que a partir de 21 de junho será exigido apenas um teste rápido antigénio negativo para as deslocações entre as ilhas da Madeira e do Porto Santo, realizado até 48 horas antes da viagem.

O presidente do Governo madeirense salientou, em conferência de imprensa, que “não serão aceites autotestes”, quer para as entradas na região, quer para as deslocações entre ilhas.

Até à entrada em vigor das novas medidas de controlo de viajantes, mantém-se o “corredor verde” nos portos, aeroportos e marinas do arquipélago para vacinados, testados e recuperados da covid-19 até 180 dias, sendo exigido aos restantes a apresentação de teste negativo PCR realizado até 72 horas antes da viagem.

Entre as medidas que sofrem alterações, está o horário de encerramento dos bares e restaurantes que vai ser alargado para as 00:00, já a partir de terça-feira, e o recolher obrigatório passará a vigorar entre as 01:00 e as 05:00. A lotação dos estabelecimentos pode ir até dois terços da capacidade, podendo funcionar com mesas de seis pessoas no interior e de 10 no exterior.

Na Região Autónoma da Madeira, os restaurantes e bares podem agora estar abertos até às 23:00 com uma lotação até 50%, com cinco pessoas por mesa, e nos bares não é permitido “beber ao balcão ou de pé”.  O recolher obrigatório vigora, atualmente, entre as 00:00 e as 05:00, incluindo aos fins de semana.

Miguel Albuquerque sublinhou que as novas medidas de controlo sanitário, determinadas ao abrigo da situação de calamidade devido à pandemia de covid-19, decorrem da diminuição diária de casos de infeção por SARS-CoV-2 no arquipélago, em média seis por dia, e da redução do número de internamentos, bem como do “processo acelerado de vacinação” contra a covid-19, já com cerca de 30% da população insular inoculada.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Miguel Bombarda

Créditos: Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa.

Homepage

Hospital psiquiátrico Miguel Bombarda vai dar lugar a hotel

O edifício do antigo Convento de Rilhafoles, onde funcionou o hospital psiquiátrico Miguel Bombarda, será transformado em hotel, adianta o Diário de Notícias.

Publituris

Os terrenos do antigo hospital psiquiátrico Miguel Bombarda, em Lisboa, vão dar lugar a um hotel, três lotes de habitação destinados a arrendamento acessível, uma escola básica e uma nova rua. A informação foi adiantada pelo Diário de Notícias (DN), que consultou a proposta de loteamento dos serviços camarários.

Nesta está prevista a construção de um estabelecimento hoteleiro no edifício do antigo Convento de Rilhafoles, onde funcionou o hospital psiquiátrico de 1848 até 2011, que marcou o encerramento definitivo da instituição. No lote onde se encontrava a antiga cozinha será atribuído um uso comercial, “previsivelmente de restauração”, como aponta o órgão de comunicação social.

Acrescem “três novos lotes de habitação com seis a oito pisos, destinados a arrendamento acessível”, para os quais são apontados 248 fogos em tipologias inferiores a T3, com uma área média de 90 metros quadrados. Para esta operação urbanística estão previstos “um mínimo de 128 e um máximo de 185 lugares de estacionamento de uso público”. De acordo com informações confirmadas pelo DN junto do Ministério das Infraestruturas, os lotes habitacionais do empreendimento “serão exclusivamente afetos à promoção pública”.

Prevê-se ainda que uma parte dos terrenos que pertencem ao Estado sejam cedidos à CML para a construção de uma escola básica 123, dedicada aos três ciclos de ensino básico, com capacidade para mil alunos, divididos por 12 turmas de 1.º ciclo e 25 de 2.º e 3.º ciclo. O projeto engloba também um Jardim Infantil para 75 crianças, que será instalado num edifício existente que deverá ser reabilitado.

Dos 42.255 metros quadrados que integram esta operação, 18.693 metros quadrados integram parcelas a “ceder ao município”.

O conjunto classificado como de interesse público em 2010, no qual estão incluídos o Balneário D. Maria II e o Pavilhão Panótico – uma construção em círculo que funcionou como enfermaria/prisão – serão requalificados como “equipamentos culturais/museológicos”.

Miguel Bombarda
Terrenos que vão ser alvo de intervenção. Créditos: Arquivo DN.

O mesmo não acontecerá com o Laboratório do hospital e várias oficinas e anexos, que se prevê serem demolidos para dar lugar a uma nova via de ligação entre a Rua Gomes Freire e a Rua Gonçalves Crespo, que atravessará o complexo.

A operação resulta de um protocolo entre a secretaria de Estado da Habitação e a Câmara Municipal de Lisboa. A proposta de loteamento para os terrenos do Miguel Bombarda está a ser desenvolvida pelos próprios serviços camarários, embora se mantenha na propriedade da Fundiestamo, empresa que gere parte do património imobiliário do Estado.

Projeto hoteleiro poderá ter entre três a cinco pisos

Atualmente, o processo encontra-se na fase de Pedido de Informação Prévia (PIP), nos serviços da Câmara Municipal de Lisboa (CML), aguardando a conclusão dos pareceres técnicos dos serviços da autarquia. Posteriormente, será submetido à apreciação dos vereadores, pelo que pode vir a sofrer alterações.

A zona do antigo hospital psiquiátrico tem vindo a ser debatida desde 2019, quando o Hospital Miguel Bombarda se tornou um dos imóveis do Estado integrados no Fundo Nacional de Reabilitação do Edificado (FNRE), afetado à habitação para arrendamento acessível. Por enquanto, e como o Diário de Notícias aponta, “as intenções ainda não saíram do papel”, mas já existe um esboço de como ficará o hospital e os terrenos adjacentes.

Se muito se adianta sobre as várias valências previstas para este terreno, pouco é avançado sobre o estabelecimento hoteleiro – aponta-se apenas para um lote de três a cinco pisos, sem adiantar o número de camas. De acordo com o DN, o facto de a rentabilidade dos projetos do Fundo Nacional para a Reabilitação do Edificado terem de chegar, obrigatoriamente, aos 4%, explicará a previsão deste estabelecimento.

“O edifício do antigo convento de Rilhafoles, sendo um edifício de valor patrimonial, a recuperar, com uma estrutura funcional específica, prevê-se que venha a acomodar um programa hoteleiro, conforme indicação da Fundiestamo”, indica o documento consultado pelo DN.

Agora, a proposta de loteamento terá de passar pela vereadora do urbanismo, seguindo-se a aprovação da maioria da vereação da autarquia. Por se tratar de um trabalho prévio dos próprios serviços da câmara, mas também por ser um projeto complexo que envolve património classificado, o DN aponta que um dos cenários possíveis seja uma aprovação condicionada, sujeita a alterações: “Mesmo avançando para a fase de licenciamento do projeto, é expectável que o resultado final demore vários anos”, pode ler-se na notícia.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Emprego e Formação

Instituto Politécnico de Castelo Branco abre novo curso de Turismo e Hotelaria

O Curso Técnico Superior Profissional (CTeSP) em Turismo e Hotelaria será ministrado na Escola Superior de Gestão, em Idanha-a-Nova. As candidaturas para a primeira fase estão abertas até 31 de agosto.

Publituris

A Escola Superior de Gestão em Idanha-a-Nova, do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), vai dar início a um novo Curso Técnico Superior Profissional (CTeSP) em Turismo e Hotelaria no próximo ano letivo 2022/2023.

Alguns dos objetivos gerais do curso passam pela “coordenação, organização e avaliação das atividades realizadas em diferentes áreas em unidades ou cadeias hoteleiras”, bem como pelo “planeamento, promoção e venda de produtos e serviços turísticos, de modo a garantir um serviço de qualidade e a satisfação dos clientes”, como se pode ler no website da instituição.

O curso em regime diurno, no formato presencial, é composto por 120 ECTS e começa a 19 de setembro. Tem a duração de dois anos e divide-se em quatro semestres, sendo que o último será dedicado a um estágio na área.

Algumas das unidades curriculares deste CTeSP, que conta com a coordenação de George Ramos, incluem disciplinas como “Gestão Financeira e Orçamental”, “Técnicas de Receção e de Alojamento Hoteleiro”, “Gestão de Comidas e Bebidas”, “Desenvolvimento de Produtos Turísticos” e “Enogastronomia”, entre outras.

As candidaturas para as 25 vagas disponíveis estão abertas até 31 de agosto de 2022, sendo necessário o pagamento de uma taxa de candidatura de 35 euros, no caso dos estudantes nacionais, ou 50 euros, para os estudantes internacionais. Já a segunda fase decorre de 26 de setembro a 4 de outubro.

A frequência do CTeSP tem uma propina anual de 650 euros para estudantes nacionais e 800 euros para estudantes internacionais, podendo ser paga em mensalidades.

O curso é elegível para candidatos com o 12.º ano completo ou curso profissional de nível 4; maiores de 23 anos, após a realização de provas “especialmente adequadas” e titulares de um CET ou outro grau de ensino superior. Caso os candidatos não possuam disciplinas aprovadas nas áreas relevantes para acesso ao CTeSP, terão de realizar uma prova de conhecimentos. Os detalhes de acesso podem ser consultados no website do IPCB.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Créditos: IP Património

Homepage

Estação de comboios de Viana do Castelo vai ser transformada em hotel mas mantém serviços

Fonte da IP adiantou à Lusa que “o projeto propõe a criação de 41 quartos no edifício de passageiros e de 15 quartos no antigo armazém de materiais, resultando num total de 56 quartos com capacidade total de 112 utentes”.

Publituris

O presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo disse esta terça-feira, 9 de agosto, que a estação de comboios da cidade, construída no século XIX, vai ser transformada em hotel por um investidor local e que o projeto está em fase de licenciamento, de acordo com informação adiantada pela agência Lusa.

Em declarações aos jornalistas, no final da reunião camarária de terça-feira, durante a qual foi questionado sobre o projeto, pela bancada do PSD e da CDU, Luís Nobre adiantou que “a Infraestruturas de Portugal (IP), proprietária do imóvel, entendeu dar uso a um espaço que está devoluto há mais de uma década”.

O autarca socialista garantiu que as funções e serviços atualmente a funcionar na estação de caminhos-de-ferro “não vão desaparecer, mas serão transferidos para outro local”.

“A bilheteira, o bar e outros serviços, vão manter-se. Não podia ser de outra forma. Ninguém ia fazer um investimento de 90 milhões de euros na modernização da Linha do Minho para depois prejudicar esse investimento”, sustentou.

Segundo Luís Nobre, o empresário, que já tem uma unidade hoteleira na cidade, “propôs à IP a refuncionalização do edifício em unidade hoteleira, tendo concretizado essa intenção, sendo que, “posteriormente, o município foi informado do projeto”.

“O município concorda. Faz sentido refuncionalizar aquele imóvel histórico, desde que se garanta e, foi dada essa segurança, que as atuais funções da estação não são prejudicadas. No fundo, trata-se de uma valorização de um edifício que passará a ter uma função dinamizadora, não só da atividade hoteleira, mas também das sinergias que vai criar e na revitalização de toda a envolvente”, especificou.

Contrato de subconcessão da IP celebrado com a Turilima

A agência Lusa contactou a IP relativamente ao contrato de cedência do imóvel e das características do investimento em causa, sendo que esta sublinhou que “o serviço de transporte ferroviário não vai sofrer alterações e a área destinada aos passageiros vai ser beneficiada”.

“Os serviços ferroviários serão mantidos, embora relocalizados em diversas zonas do piso 0 do edifício de passageiros e antigas instalações sanitárias, nomeadamente as bilheteiras e salas de apoio, a sala de estar e sala de refeições para o pessoal da CP, a sala de telecomunicações, a sala de comando, a sala do inspetor e, o espaço para a vigilância humana”, especificou a fonte da IP.

A mesma fonte adiantou que a IP “celebrou um contrato de subconcessão com a Turilima – Empreendimentos Turísticos do Vale do Lima SA, que prevê a construção de um hotel ocupando parcialmente três edifícios da estação de Viana do Castelo”.

“O projeto propõe a criação de 41 quartos no edifício de passageiros e de 15 quartos no antigo armazém de materiais, resultando num total de 56 quartos com capacidade total de 112 utentes”.

A Lusa tentou, sem sucesso, falar com a administração da Turilima, a empresa que detém os hotéis Axis de Viana do Castelo, de Ofir, em Esposende, no distrito de Braga, entre outros empreendimentos.

Antigo edifício dos CTT na mira para unidades de habitação

Após a reunião camarária, o autarca adiantou que “o município tem estado a acompanhar o processo de licenciamento [da estação de comboios de Viana do Castelo], juntamente com a Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN)”.

“O projeto inicial está a ser alterado porque inicialmente previa algumas alterações ao nível da cobertura. A DRCN e a Câmara entenderam que não podiam ser efetuadas. O objetivo é manter a fachada e as características históricas do imóvel”, referiu.

Luís Nobre adiantou que “as unidades hoteleiras criadas em contexto histórico são temáticas e apelam à memória, às experiências da cidade onde se instalam”.

“Neste caso há um elemento muito forte que é toda a mística da atividade ferroviária no concelho e, naquele local em concreto, que se vai perpetuar”.

Questionado sobre o montante do investimento, Luís Nobre disse desconhecer o mesmo, adiantando apenas que a nova unidade hoteleira “terá sempre que ter mais de 40 quartos, caso contrário não será sustentável”.

“A cidade precisa daquele espaço revitalizado, com dinâmicas que atraiam novos visitantes”, frisou.

O autarca adiantou existir uma “manifestação de interesse de um empresário de Viana do Castelo para a aquisição do edifício dos CTT, na principal avenida da cidade.

O investidor, que já contribuiu em regeneração urbana na mesma avenida, pretende transformar o imóvel dos CTT para unidades de habitação.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
“Be Our Guest”
Homepage

Hospitalidade em ambientes complexos teve destaque na terceira sessão “Be Our Guest”

A terceira sessão de conversas da ADHP “Be Our Guest” contou com a presença de Nuno Neves, General Manager do InterContinental Luanda.

Publituris

A terceira edição das conversas “Be Our Guest”, organizadas pela ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal, decorreu a 25 de julho com a presença de Nuno Neves, General Manager do InterContinental Luanda.

Em debate estiveram as questões relacionadas com a hospitalidade em ambientes complexos, numa sessão em que o profissional partilhou a experiência na direção de uma unidade do Grupo IHG na capital angolana.

Para Nuno Neves, a capacidade de adaptação à mentalidade e à cultura local é parte fundamental no processo de transição entre mercados e no desafio de manter funcional a operação hoteleira num ambiente complexo, exigindo “força mental” e “espírito de missão”.

Além dos fatores pessoais, como a distância do país de origem e da família, o General Manager do InterContinental Luanda destacou desafios práticos que se colocam em mercados caracterizados por ambientes de trabalho complexos, como problemas no abastecimento de água e eletricidade. Para lidar com estas questões, o profissional sublinhou a importância de cultivar nos profissionais da hotelaria a tenacidade, confiança e paciência, mas também uma capacidade de resposta e planeamento para os momentos de adversidade.

“Para tudo o que uma pessoa faz em prol do hotel ou em decisões importantes, [deve haver] um plano A, B e C. [Devemos] estar sempre dispostos para que nada seja uma surpresa”, considerou o profissional.

Nuno Neves deu também destaque ao papel central da formação no funcionamento de uma unidade hoteleira em contextos adversos, designadamente através da repetição de processos. A existência de mentalidades “abertas”, bem como o facto de os profissionais não se prenderem a “hábitos antigos”, foram algumas características apontadas pelo General Manager como comuns nestes mercados, referindo que os gestores hoteleiros podem tirar proveito destas para incutir conhecimentos formativos.

Para Raúl Ribeiro Ferreira, responsável pela moderação da sessão, o trabalho dos profissionais da hotelaria em contextos de maior adversidade carece de valorização em mercados como o europeu.

“Infelizmente, o trabalho feito nestes países não é muito valorizado quando se chega à Europa, injustamente por isso: porque mais do que a parte técnica, são precisos todos esses componentes que foram abordados e que fazem com que não seja apenas necessário saber servir, saber fazer os rácios, conquistar clientes. É preciso, depois, saber coisas tão simples como isso: como é que se tem água, como é que se tem eletricidade”, referiu o vice-presidente da ADHP.

Quando questionado sobre as diferenças entre os três mercados em que já trabalhou, o General Manager do InterContinental Luanda realçou a importância de “ter ‘jogo de cintura’ entre a religião e os hábitos” no mercado do Médio Oriente e lamentou que na Europa exista uma “cultura de cost control, cost cutting, cost effectiveness” e uma “gestão diária de recursos online para o hotel sobreviver” que retiram ao gestor hoteleiro o “contacto com o cliente”.

Já no mercado africano, o profissional considera existir uma elevada versatilidade na operação, o que permite que o contacto com o cliente seja frequente, e um sentimento de contribuição para a profissionalização e o estabelecimento de novos padrões na hotelaria da região.

Sobre o panorama da hotelaria em Angola, Nuno Neves destacou a existência de uma nova geração de jovens angolanos que estão a entrar no setor e a ser formados em unidades como o InterContinental Luanda, além de cidadãos de dupla nacionalidade que se formaram e estagiaram em Portugal e estão a regressar ao país com o objetivo de trabalhar ou abrir negócios próprios.

A iniciativa “Be Our Guest” promove conversas informais com diretores de hotéis de referência sobre as suas experiências profissionais, a hotelaria e o setor do turismo. As conversas decorrem sempre nas últimas segundas-feiras de cada mês, às 19h. A iniciativa “Be Our Guest” será interrompida durante o mês de agosto, retomando a 26 de setembro, na última segunda-feira desse mês.

A gravação da terceira sessão das conversas “Be Our Guest” encontra-se disponível no canal de YouTube da ADHP.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Literario

Vitrine do “Lisboa Pessoa Hotel”. Créditos: Fernando Bagnola.

Emprego e Formação

Instituto Politécnico do Porto cria pós-graduação em Turismo Literário

A pós-graduação da Escola Superior de Hotelaria e Turismo começa a 17 de outubro.

Carla_Nunes

A Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Instituto Politécnico do Porto (ESHT – P.Porto) abre as portas ao ano letivo 2022/2023 com uma nova pós-graduação em Turismo Literário.

O objetivo passa por “desenvolver competências na área do Turismo Literário, privilegiando uma perspetiva ao nível do desenvolvimento e implementação de roteiros literários como produto de dinamização dos destinos turísticos”, como se pode ler na brochura deste novo curso.

Dirigida a quem já exerce a atividade profissional em Turismo Literário, mas também a quem pretende iniciar o percurso nesta área, a pós-graduação começa a 17 de outubro de 2022, em regime pós-laboral e formato B-learning.

A segunda fase de inscrições para as 25 vagas disponíveis decorre de 16 de agosto a 2 de setembro, existindo ainda a possibilidade de uma terceira fase de inscrições, de 28 de setembro a 9 de outubro.

Algumas das unidades curriculares desta pós-graduação incluem temáticas como a “Conceção de Eventos Literários”, “Implementação de Produtos Turísticos em Turismo Literário” e “Desenho de Roteiros Literários”. O plano de estudos contempla dois semestres e 60 ECTS, num conjunto de dez disciplinas.

A professora-adjunta convidada da ESHT Ana Ferreira assume a coordenação da nova pós-graduação. Doutorada em Turismo pela Universidade de Vigo, a profissional tem desenvolvido trabalho de investigação focado na área de turismo literário e de eventos, elaborando roteiros com base na vida e obra de Camilo Castelo Branco, adaptados à cidade do Porto.

Em entrevista à Publituris Hotelaria em maio deste ano, Ana Ferreira ressalvou como o turismo literário “pode combater de forma determinante a sazonalidade associada a outros tipos de turismo”, já que este turista “não se desloca apenas numa época do ano”.

A pós-graduação em Turismo Literário tem um valor de 1.750 euros, sendo que o pagamento pode ser realizado numa única prestação, no ato da matrícula, ou em dez vezes.

Os interessados devem candidatar-se através do link de acesso e ingresso do IPP, sendo condição necessária de acesso uma das seguintes valências: título do grau de licenciatura ou equivalente legal; título de um grau superior estrangeiro, conferido na sequência de um 1.º ciclo de estudos organizado de acordo com os princípios do processo de Bolonha por um Estado aderente a esse processo; título de um grau académico superior estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objetivos do grau de licenciado pelo Conselho Técnico-Científico da ESHT ou a detenção de um currículo académico, científico e/ou profissional que seja reconhecido pelo Conselho Técnico-Científico da ESHT, como atestando capacidade para a realização com êxito deste curso.

Sobre o autorCarla_Nunes

Carla_Nunes

Mais artigos
Homepage

The Vintage Hotel & Spa Lisboa entra no portfólio da Small Luxury Hotels of the World

A marca é constituída por uma comunidade de hotéis independentes e conta com 520 pequenos hotéis em todo o mundo, com uma média de 50 quartos por unidade.

Publituris

O The Vintage Hotel & Spa Lisboa, unidade de cinco estrelas gerida pela Bomporto Hotels, passa a constar no portfólio da Small Luxury Hotels of the World (SLH), uma marca de luxo que reúne unidades hoteleiras com características únicas e de carácter independente. A primeira unidade do grupo Bomporto a integrar a marca foi o The Lumiares Hotel & Spa Lisboa, em novembro de 2019.

O Small Luxury Hotels of the World (SLH) é constituído por uma comunidade de hotéis independentes e conta com 520 pequenos hotéis em todo o mundo. Com uma média de 50 quartos por unidade, as propriedades SLH “têm características únicas, com os mais altos padrões de luxo e bem-estar”, como indicado em comunicado.

“A integração da nossa segunda unidade hoteleira na SLH vem reforçar a estratégia de desenvolvimento de negócio e a notoriedade no segmento de luxo. É um selo de qualidade e uma afiliação de renome e prestígio que contribui para a promoção das nossas unidades a nível internacional. ” afirma Nick Roucos, diretor-geral da Bomporto Hotels.

Localizado entre o Príncipe Real e a Avenida da Liberdade, o The Vintage Hotel & Spa Lisboa, boutique hotel de cinco estrelas, é composto por 56 quartos com uma decoração assente no design vintage e traços contemporâneos.  Combinando peças únicas de mobiliário vintage, produzidas especialmente para o hotel, e algumas reproduções feitas à medida, a estética do espaço reflete uma decoração contemporânea e simultaneamente apresenta o melhor do design dos anos 50, 60 e 70.

A unidade oferece diferentes atmosferas em cada um dos espaços que o compõem, tanto no rooftop bar, com um jardim vertical e vista para a capital, como nas diferentes áreas lounge, salas de estar e no spa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Homepage

Eurostars Santa Luzia 4* integra portefólio da Eurostars Hotel Company

O hotel localizado em Guimarães funciona em regime de aluguer e conta com 99 quartos, bem como uma área de bem-estar com spa e piscina.

Publituris

A Eurostars Hotel Company integrou um novo hotel no portefólio, o Eurostars Santa Luzia 4*, em Guimarães.

O antigo Santa Luzia Art Hotel, que agora pertence à carteira da Eurostars Hotel Company, funciona em regime de aluguer e contabiliza 99 quartos, totalmente equipados e decorados “em tons quentes”, como indicado em comunicado.

As instalações, que prometem “satisfazer as necessidades dos mais diversos tipos de turistas”, incluem uma cafetaria, um restaurante de cozinha portuguesa e internacional, ginásio e uma área de bem-estar, com spa, sauna, banhos turcos, piscina e zona de massagens e tratamentos. Inclui ainda uma piscina exterior no telhado, localizada no terceiro andar, bem como quatro salas de diferentes capacidades para a realização de eventos.

“Temos orgulho em continuar a avançar na expansão internacional da Eurostars Hotel Company e, ao mesmo tempo, consolidar a nossa posição num mercado como o português, tão estratégico para nós e com grandes expectativas de crescimento”, afirma o presidente do Grupo Hotusa, Amancio López Seijas.

Com a integração desta unidade, a cadeia hoteleira do Grupo Hotusa passa a gerir 23 estabelecimentos e mais de 1800 quartos em Portugal.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

José Arnaut é o novo diretor de F&B do Real Hotels Group

O profissional conta com 19 anos de experiência profissional na indústria hoteleira de luxo, tanto em Portugal como em Espanha.

Publituris

O Real Hotels Group anunciou em comunicado de imprensa a contratação de um novo diretor de F&B do grupo, José Arnaut.

Com 19 anos de experiência profissional na indústria da hoteleira de luxo, o profissional fez parte de unidades como o Tivoli Liberdade Lisboa, o EPIC SANA Lisboa, o Sheraton Lisboa Hotel & Spa e o Palácio Estoril Hotel & Golf. Em Espanha, também deu cartas no Le Meridien Barcelona, no Alfonso XIII Luxury Collection Hotel e no Gran Meliá Palácio de Isora, entre outros.

Começou a formação em Business Management na Universidade Lusíada, tendo posteriormente feito a licenciatura em Gestão Turística e Hoteleira na Universidade Internacional, apostando em várias formações em cozinha e gestão de comidas e bebidas.

Conquistou um certificado de Foodservice Management da Cornell University e, na mesma instituição, realizou o General Manager Program. Em 2021 adquiriu o grau de Executive Master’s em Gestão Hoteleira Internacional, na Les Roches Marbella.

“O novo desafio no Real Hotels Group constitui mais um passo na minha carreira, na medida em que será a primeira vez que vou trabalhar para 16 hotéis em simultâneo. Quero trazer a estas unidades a minha experiência em hotelaria de luxo e elevar a fasquia do serviço, ultrapassando os desafios que a pandemia nos trouxe”, afirma o profissional em comunicado.

O Real Hotels Group resulta da fusão, em 2020, de dois grupos hoteleiros nacionais, os detentores da marca REAL e a NEWPALM, operadora Holiday Inn Express da IHG – o que se traduz em 16 hotéis, num conjunto de 2.100 quartos distribuídos por Lisboa, Porto e Algarve.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Homepage

PortoBay Rio de Janeiro é alvo de remodelação no valor de 2M€

A fachada do edifício fez parte de um dos elementos remodelados.

Publituris

O hotel de quatro estrelas PortoBay Rio de Janeiro foi alvo de várias remodelações, num investimento de 2M€.

Estas decorreram no âmbito de um conjunto de remodelações levadas a cabo nos hotéis do grupo, de acordo com informação adiantada em comunicado.

A unidade aproveitou o último ano para proceder às obras que alteraram o exterior do PortoBay Rio de Janeiro para “uma imagem sofisticada em tons claros, integrado na paisagem cultural urbana da orla de Copacabana”.

Questões como a sustentabilidade e a eficiência energética tiveram peso no planeamento da intervenção, segundo o grupo, que explica que “todo o material retirado foi entregue para reciclagem ou reutilização”, por forma a reduzir o impacto ambiental da obra.

Para otimizar o rendimento energético da nova fachada, foram utilizados elementos maioritariamente feitos em vidro, alumínio e alumínio compósito (ACM).

“A escolha do tipo de vidro foi adequada às condições climatéricas da zona, permitindo limitar a troca térmica entre o interior e o exterior e, dessa forma, reduzir a necessidade de uso do sistema de ar condicionado do hotel e o impacto no consumo energético e na pegada de carbono inerente”, explica Cláudio Santos, CEO do PortoBay no Brasil.

O projeto de remodelação do PortoBay Rio de Janeiro contemplou ainda uma obra de manutenção profunda na zona da cobertura, onde está a situada a piscina. Acresce a reestruturação da rede elétrica do prédio, bem como a readequação do sistema de ar condicionado nas zonas públicas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

“Be Our Guest” debate “hospitalidade em ambientes complexos” a 25 de julho

A terceira sessão decorre a 25 de julho, às 19h00, com a presença de Nuno Neves, General Manager do Intercontinental Luanda.

Publituris

A terceira sessão da “Be Our Guest”, uma iniciativa de conversas promovida pela ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal, vai discutir “a hospitalidade em ambientes complexos” a 25 de julho, às 19h00.

Desta vez, a sessão conta com a presença de Nuno Neves, General Manager do Intercontinental Luanda, numa conversa moderada por Raúl Ribeiro Ferreira, vice-presidente da ADHP.

À semelhança das conversas anteriores, a sessão terá lugar em ambiente digital, via Zoom, sendo necessária inscrição através de um formulário. Em comunicado de imprensa, a associação alerta que as inscrições são limitadas.

Com formação em Gestão Hoteleira pela Alpina School of Hotel Management, na Suíça, e pela Cornell School of Hotel Administration, nos Estados Unidos, Nuno Neves é General Manager do InterContinental Luanda. No currículo, conta ainda com passagens pela direção de F&B do Meliá Milano, de unidades do Radisson em Roma e Bordéus, e do Hilton Vilamoura.

Antes de assumir a direção do InterContinental na capital angolana, foi General Manager do Océana Palace Hotel (Hammamet, Tunísia), do Radisson Blu Mammy Yoko Hotel (Freetown, Serra Leoa), do Radisson Blu Hydra Hotel (Argel, Algéria) e dos Park Inn by Radisson em Mascate e Duqm (Omã).

Raúl Ribeiro Ferreira é diretor da Estalagem Muchaxo Hotel desde 2003. Assumiu durante nove anos a presidência da ADHP, tendo sido eleito recentemente para um novo mandato como vice-presidente.

É professor na Universidade Lusófona, na Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar do Instituto Politécnico de Leiria e na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, responsável por unidades curriculares relacionadas com a gestão hoteleira e a gestão de restauração.

Tem formação em Gestão Hoteleira pelo Instituto Superior Politécnico Internacional e pela Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre, para além de um doutoramento em Gestão de Turismo pela Universidade de Lisboa.

A iniciativa “Be Our Guest” promove conversas informais com diretores de hotéis de referência sobre as suas experiências profissionais, a hotelaria e o setor do turismo, decorrendo sempre nas últimas segundas-feiras de cada mês, às 19h00.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.