Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira candidata-se à UNESCO

Por a 8 de Junho de 2021 as 15:41
Geoparque, Mina de Sal Gema de Loulé. Loulé 11 Março 2020, FOTO: VASCO CÉLIO/STILLS

Os municípios de Loulé, Silves e Albufeira e a Universidade do Algarve uniram-se para dar a conhecer alguns dos segredos mais bem guardados do Algarve, um património com mais de 350 milhões de anos, que agora pode ser visitado pelos amantes do turismo de natureza e curiosos da história e do território nacional.

O aspirante Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira será o único geoparque a sul do rio Tejo e ocupa um total de 1.381km2, cerca de um terço do território algarvio, onde reside um património geológico anterior ao aparecimento dos dinossauros tão singular e tão relevante que permite contar vários capítulos da história do planeta Terra.

“A candidatura a Geoparque Mundial da UNESCO surgiu na sequência do importante património paleontológico, que nos últimos anos tem vindo a ser revelado na formação do grés de Silves. Tudo começou com a descoberta do Metoposaurus algarvensis (227 milhões de anos), espécie singular de salamandra gigante com mais de 2 metros de comprimento que dá nome a este geoparque, só foi descrito, até ao momento, nesta região do mundo”, explica Cristina Veiga-Pires, Diretora Científica do Geoparque.

Hoje já é possível visitar alguns dos geossítios identificados e ainda descobrir a cultura, a natureza, as gentes e a gastronomia que os envolvem, numa viagem imersiva ao interior deste Algarve onde reside o ADN de toda a região.

Subir à Rocha da Pena, descobrir os mistérios da Mina de Sal-Gema na cidade de Loulé, observar a Formação do “Grés de Silves”, que percorre o Vale Fuzeiros, fazer uma caminhada até à Fonte Benémola ou visitar o Planalto do Escarpão são apenas algumas das atividades que poderá fazer ao longo deste território. Deste rico património geológico fazem ainda parte os geossítios da Discordância Angular no Pirinéu, da Penina, onde se encontra a Jazida do Metoposaurus algarvensis, e do Complexo vulcano-sedimentar nomeadamente na Torre e dos Megalapiás da Varejota.

“Este território reúne o legado de uma história geológica que conta o nascimento de cadeias montanhosas e mares antigos, e se estende desde muito antes dos continentes terem a sua configuração atual, ou mesmo dos dinossauros existirem, até aos dias de hoje”, acrescenta Cristina Veiga-Pires, Diretora Científica do Geoparque.

2 comentários

  1. Gracinda pedro

    11 de Junho de 2021 at 9:15

    E muito bom haver pessoas a divulgará a nossa estória tao rica que a maioria não conhece

  2. M. Fátima Nascimento

    9 de Junho de 2021 at 8:50

    Como visitar??
    Salinas de Loulé adoravs conhecer!!!!
    Como???

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *