Reabertura das viagens internacionais no Reino Unido motiva aumento de procura na easyJet

Por a 24 de Fevereiro de 2021 as 10:49

A easyJet abriu esta terça-feira, 23 de fevereiro, as vendas para mais de 110 mil voos e 19 milhões de lugares na primavera de 2022 e explica que a decisão de abrir as vendas com tamanha antecedência se deve à elevada procura registada logo após o Governo britânico ter anunciado que pretende reabrir as viagens internacionais.

“As declarações do primeiro-ministro britânico ontem [segunda-feira, 22 de fevereiro] proporcionaram um impulso de confiança muito necessário aos nossos clientes, que se refletiu num aumento da procura por voos de 337%, em comparação com a semana passada. Por isso, colocámos mais voos à venda para este e para o próximo verão a ainda mais destinos, para que os clientes tenham mais opções, a preços únicos, para fazerem a reserva das suas férias”, refere José Lopes, diretor geral easyJet Portugal.

A companhia diz que, desde o anúncio do Governo britânico, as reservas de voos para a temporada de verão 2021 aumentaram 337%, “com as rotas de praia como Faro, em Portugal, Málaga, Alicante e Palma de Maiorca, em Espanha, e a Ilha Grega de Creta entre os principais destinos”.

“O mês de agosto, seguido de julho e setembro, estão entre os mais populares, sugerindo que os clientes easyJet estão ansiosos por uma pausa na praia ainda este verão”, acrescenta a companhia aérea no comunicado divulgado.

Para José Lopes, “esta iniciativa do governo britânico, vem reforçar a ideia de que é necessário que os governos diminuam as restrições para que o mercado faça o seu movimento natural e a economia, em particular nos setores da aviação e do turismo, seja estimulada com a procura”.

Para a primavera de 2022, a easyJet colocou à venda mais de 110 mil voos e 19 milhões de lugares, numa oferta que é válida até 31 de maio de 2022, cujos preços começam nos 14,99 euros e que goza de maior flexibilidade na reserva.

“Isso inclui uma garantia de reembolso para voos, caso sejam cancelados por proibições de viagens em um bloqueio regional ou nacional, sem taxa até 14 dias antes da partida e se as medidas de quarentena entrarem em vigor à última hora, os voos afetados podem ser alterados sem uma taxa de alteração”, explica ainda a companhia.

 

 

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *