Companhias ‘low-cost’ liderarão a recuperação pós-COVID

Por a 22 de Fevereiro de 2021 as 16:52

O modelo de companhia aérea low-cost levará à recuperação pós-COVID e ajudará a revitalizar a procura, segundo revela uma análise da GlobalData que adianta ainda que “medidas frugais de corte de custos e capacidade de resposta operacional farão com que essas transportadoras se movam rapidamente para absorver a procura reprimida e capitalizar quaisquer oportunidades à frente de outras companhias aéreas modelo de alto custo”.

A pandemia COVID-19 ampliou as preocupações dos consumidores em relação às finanças pessoais, mostrando a última pesquisa da empresa de dados e análise que, globalmente, uns surpreendentes 87% dos entrevistados estavam “extremamente”, “bastante” ou “ligeiramente” preocupados com sua posição financeira pessoal.

Gus Gardner, analista de viagens e turismo da GlobalData, admite que “as companhias aéreas de baixo custo (Low-cost carriers – LCCs) cortaram bem os custos”. O responsável da GlobalData refere ainda que, embora todas as companhias aéreas tenham reduzido drasticamente os custos para enfrentar a tempestade criada pelo COVID-19, é evidente que “as companhias aéreas de baixo custo conseguiram empurrar as bases já de baixo custo ainda mais para baixo. Essas transportadoras agora podem operar rotas com custo positivo com uma taxa de ocupação menor do que antes, o que é extremamente importante com os atuais níveis baixos de procura.”

Gardner diz ainda que as companhias low-cost foram as primeiras dos blocos a “captar qualquer procura reprimida no mercado e tiveram sucesso ao fazer isso”, salientando ainda que “o relaxamento das regras de viagens em toda a Europa no verão e o rápido aumento da capacidade implantado pelas low-cost para responder aos altos níveis de procura reprimida mostraram que as companhias aéreas de baixo custo permaneceram ágeis e flexíveis durante a pandemia. ”

Dado este alto grau de resiliência e flexibilidade para planeamento de rede e implantação de aeronaves, Gardner admite que “as tarifas baixas oferecidas pelas low-cost atenderão melhor à crescente necessidade de acessibilidade”, concluindo que estas companhias, provavelmente, ganharão uma posição “mais forte” no mercado como resultado da pandemia, “com as viagens de lazer a serem as primeiras a registar uma recuperação juntamente com as viagens de curta distância”, prevendo-se, igualmente, viajantes “mais cautelosos e a procurar viagens mais perto de casa”.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *