Caminhos de Fátima vão ganhar três novos itinerários no Médio Tejo

Por a 28 de Janeiro de 2021 as 11:01

Os Caminhos de Fátima vão ganhar três novos itinerários no Médio Tejo, que se encontram em diferentes fases de desenvolvimento, passando a ligar o Santuário de Fátima a Tomar, Beira Interior e Alto Alentejo, anunciou a consultora Upstream, a quem foi adjudicado o projeto.

“A Upstream acaba de anunciar a adjudicação do projeto “Caminhos de Fátima do Médio Tejo”, que inclui três novos itinerários no Médio-Tejo. O projeto – da responsabilidade da Comunidade Intermunicipal do Médio-Tejo – promete o desenvolvimento e sinalização de novas variantes de acesso a Fátima profundamente enraizadas na tradição e património Marianos na região”, lê-se na informação divulgada pela consultora.

A operacionalização do projeto vai decorrer ao longo de um período de cinco meses, ao longo dos quais vai ser realizado um “levantamento cartográfico e digital prévio dos percursos”, assim como dos “pontos de interesse turístico e religioso, dos recursos de apoio aos viajantes e dos conteúdos para comunicação”.

“Fátima é a principal atração turística do Médio Tejo e do Centro de Portugal. De todo o Mundo, milhões de viajantes partem anualmente até ao Santuário movidos pela sua fé e espiritualidade, mas também para conhecer um destino rico em tradições e recursos patrimoniais e naturais”, explica Catherine de Freitas, CEO da Upstream.

Os novos percursos abrangem os 13 concelhos englobados na CIM Médio Tejo, que é responsável pelo projeto, nomeadamente Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Sertã, Tomar, Torres Novas, Vila de Rei, Vila Nova da Barquinha.

Além da comunicação e intervenção junto das comunidades e entidades locais, a Upstream está no terreno a fazer também a georreferenciação dos pontos de interesse para quem visita o território e vai prosseguir, depois, com ações de melhoria, eventos, comunicação e estruturação de programas turísticos para promoção destes itinerários religioso-culturais.

O Projeto Caminhos de Fátima no Médio-Tejo conta com o apoio do Turismo Centro de Portugal e está a ser desenvolvido em parceria com o Centro Nacional de Cultura, entidade que gere a rede dos Caminhos de Fátima em articulação com o Santuário de Fátima.

Um comentário

  1. Samuel Mendes

    1 de Fevereiro de 2021 at 21:02

    Não esquecer que estes itinerários já existem. Não tentem fazer dos peregrinos, turigrinos. Há uma grande diferença entre o caminho de Fátima e o caminho de Santiago. No caminho de Fátima o importante é chegar, e o mais rapido possível, logo o que vale é o caminho mais curto. No caminho de Santiago o que importa é o caminho, sem tempo e sem espaço. Mas em qualquer dos casos, não existe pachurra para montras, museus ou coisas similares.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *