INE: Viagens de portugueses diminuem, mas aumenta a estada média

Por a 26 de Outubro de 2020 as 14:45

No segundo trimestre de 2020, os residentes em Portugal realizaram 2 milhões de viagens, o que correspondeu a um decréscimo de 64,9%.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o impacto da pandemia COVID-19 e a declaração do Estado de Emergência no mês de abril e do Estado de Calamidade no mês de maio, que impuseram medidas de confinamento, “contribuíram para o decréscimo observado”. Contudo, conclui a análise do INE, “apesar desta redução, verificou-se um aumento muito significativo do número de noites passadas fora do ambiente habitual pelos turistas especialmente em abril e maio: 8,00 noites e 5,41 noites, respetivamente. Ou seja, no período em questão registou-se uma média de 6,46 dormidas nas viagens de cada turista residente, representando um acréscimo de 57,2%.

No período em análise, constata-se ainda que 99,4% das deslocações corresponderam a viagens em território nacional, diminuindo 59,1% face a igual período do ano anterior.
Já no que diz respeito às viagens turísticas com destino ao estrangeiro, estas foram “praticamente nulas (0,6% do total), totalizando 12,4 mil (-98,5%).

O “lazer, recreio ou férias” foi a principal motivação para viajar, tendo a sua representatividade aumentado. Por sua vez, o motivo “visita a familiares ou amigos” correspondeu a 686,6 mil viagens, correspondendo a um decréscimo de 67,5%.
A tipologia de alojamento “hotéis e similares” concentrou 10,8% das dormidas resultantes das viagens turísticas no 2º trimestre de 2020, perdendo peso no total (-20,7 p.p.). O “alojamento particular gratuito” manteve-se como a principal opção de alojamento (84,2% das dormidas), sendo o único tipo de alojamento a reforçar a sua representatividade.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *