APHORT defende reabertura de bares e pede criatividade aos proprietários

Por a 19 de Junho de 2020 as 10:54

A APHORT – Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo defende a reabertura dos bares, ainda encerrados, devido à pandemia da COVID-19, e incentiva “os proprietários de bares a reabrir os seus estabelecimentos e a aceitar um novo desafio, à luz da “nova normalidade”.

A associação apela à reabertura destes espaços respeitando as regras definidas para os estabelecimentos de restauração e bebidas, nomeadamente no que diz respeito à limitação da lotação, à utilização exclusiva de lugares sentados – no interior e nas esplanadas – e observando o cumprimento do distanciamento social e do horário de funcionamento. “Os bares podem ter música e servir bebidas, optar pelo tradicional serviço de cafetaria ou até servir refeições”, enumera a APHORT, sugerindo, desta forma, várias atividades alternativas à habitual diversão noturna, ainda não permitida pelo Governo.

“Este é um momento para os empresários serem flexíveis e terem alguma criatividade”, afirma Rodrigo Pinto Barros, presidente da APHORT. “A pandemia veio exigir aos nossos estabelecimentos um enorme esforço de adaptação, de forma a ser possível, por um lado, cumprir as novas regras do mercado e, por outro lado, ir ao encontro dos novos comportamentos dos clientes. Neste contexto, o desafio que se coloca aos bares é o mesmo que foi colocado aos setores da hotelaria e da restauração, que tiveram que se reinventar e criar uma nova dinâmica de funcionamento, o que, em alguns casos, até conduziu à criação de novas oportunidades de negócios.”

“Os bares estão classificados como estabelecimentos de bebidas, tal como os cafés, as cafetarias ou as casas de chá. Em alguns casos, alguns bares estão também licenciados como estabelecimentos de restauração. Neste sentido, se os cafés, as cafetarias, as casas de chá e os restaurantes estão já abertos, a APHORT não vê razão para os bares não reabrirem também”, explica em comunicado.

“As circunstâncias excecionais do momento em que vivemos pedem medidas também elas excecionais. Nesta altura, acreditamos que é possível encontrar soluções que, mesmo com alguns condicionamentos, sejam uma alternativa mais interessante do que manter os bares encerrados e há já exemplos desses no mercado. É nesse sentido que estamos a incentivar estes empresários a aceitar mais este desafio, sobretudo tendo em conta a indefinição de uma perspetiva que ainda se mantém, por parte do Governo, em torno do reinício da atividade relativa aos estabelecimentos de diversão noturna”, explica o presidente da APHORT.Rodri

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *