“É tempo de #LerPortugal” é a nova mensagem do Turismo de Portugal (com vídeo)

Por a 21 de Abril de 2020 as 10:20

É tempo de #LerPortugal é a nova mensagem do Turismo de Portugal, que convida os portugueses e o público internacional a inspirarem-se nos livros para viajarem pelo nosso país.
Esta mensagem assume-se como um estímulo para conhecer mais sobre Portugal e a sua literatura, num tempo em que não se pode viajar fisicamente pelo país.

Com esta campanha, o Turismo de Portugal quer “continuar a estar presente e apoiar as pessoas que estão em casa, oferecendo motivos de sonho e de esperança num novo tempo, numa sequência natural da campanha #CantSkipHope, lançada a 20 de março”. “Por isso, por agora, o convite é para ficar em casa, ler e procurar inspiração nos livros para mais tarde conhecer ou reencontrar as paisagens literárias e os locais eleitos por escritores e poetas”, indica o instituto público em comunicado.

O primeiro filme que foi lançado põe em diálogo alguns enxertos de obras de Fernando Pessoa, Luís de Camões, Florbela Espanca, Eça de Queiroz, Sofia de Mello Breyner e José Saramago, com uma sugestão impressiva de imagens do nosso país. Esta linha de comunicação terá outras declinações, abrangendo outros escritores e poetas, nacionais e estrangeiros, que se inspiraram em Portugal para criarem as suas obras.

Com criatividade da Partners, a campanha deverá crescer até ao final deste ano, prevendo-se ainda o envolvimento e colaboração dos diferentes públicos.

3 comentários

  1. Maria

    21 de Abril de 2020 at 10:57

    Se pudesse lançar um desafio, à semelhança do que acontece noutro país que conheço, deixaria escrita, por exemplo, esta frase de Saramago num mural de forma destacada para que quem passasse por ela não ficasse indiferente e escrevesse ao lado, em baixo, em cima… que significado teria para cada pessoa. E a frase seria esta: “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”

  2. Maria

    21 de Abril de 2020 at 10:45

    Tenho outra lembrança, desta feita relacionada a faculdade, onde tinha uma cadeira de Cultura Portuguesa. Creio que não se fala muito nisso, mas foi das que mais me entusiasmou, sobretudo a parte da Bruxaria e Superstição. Não cheguei a participar numa caminhada à noite pela serra de alusiva a este tema, por isso só posso imaginar. E quando o faço, imagino as bruxas com suas vassouras e tochas indicando o caminho até uma clareira onde entoam rituais e convidam os visitantes a fazerem parte da sua “actuação”.

  3. Maria

    21 de Abril de 2020 at 10:35

    Foi há muito tempo atrás. Eu era apenas uma estudante curiosa sobre o mundo à minha volta, mas ainda não tinha expandido os meus horizontes. Graças a uma visita de estudo que teve como mote a batalha de Aljubarrota e “As viagens na minha Terra” descobri, pela primeira vez esse caminho feito por escritores como Garret, o Eça e Pessoa e segui as suas pegadas por Sintra e Lisboa. A partir daí a minha curiosidade nunca mais teve limites.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *