Opinião | Juntos, conseguiremos!

Por a 26 de Março de 2020 as 15:21

Ninguém esperaria uma inversão tão rápida de um ciclo económico que, ainda há 2 meses, apontava para um ano turístico em crescimento, tal como tinha acontecido nos anos anteriores. Dados de janeiro de 2020 evidenciam esse bom momento com subidas nos principais indicadores de turismo. Vivemos hoje dias em 4D – diferentes, difíceis, disruptivos e deseperantes.

O horizonte irradiava sol, com algumas pequenas nuvens no horizonte, fossem elas decorrentes de estrangulamentos na infraestrutura aeroportuária, no excesso de concentração de turistas e nos fenómenos de overtourism ou na falta de mão de obra e de profissionais para fazer face ao crescimento do setor. Até porque, do lado da procura, esta se mantinha em forte afirmação, como os números de janeiro evidenciam. Nuvens essas que rapidamente evoluíram para tempestades e tsunamis económicos com forte capacidade destruidora de riqueza.

Já se sabe hoje, mesmo que a atual velocidade galopante dos desenvolvimentos  e acontecimentos desatualizem este breve contributo aquando da sua publicação, que o ano turístico corre sérios riscos de colapso, com muitas das empresas a terem dificuldades de ressurgir no pós-tormenta. De uma falta generalizada de mão de obra as empresas debatem-se agora em como manter os seus profissionais.

A atual pandemia, além dos impactos na saúde pública e nos mercados financeiros, “fechou” o setor da aviação comercial mundial, dos cruzeiros e do turismo em geral, pois a capacidade de mobilidade ficou também ela “fechada”. Este “efeito dominó” tem sido catastrófico.

Portugal já demonstrou anteriormente, como foi o período crítico após a crise financeira em 2008, agravada pelo período de pedido de assistência financeira, em 2011, que possui força e capacidade mobilizadora para transformar momentos difíceis em oportunidades.

Assim aconteceu com o nosso turismo, verdadeiro motor da economia. Assim acontecerá também com este momento. Não cancele, adie! E opte por férias em Portugal, porque … “juntos conseguiremos” (Insieme ce la faremo)!

*Opinião de  Jorge Abrantes, professor universitário na ESHTE e cofundador da Turilink – o emprego no Turismo.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *