Nordeste brasileiro com reforço da aposta da Exoticoonline

Por a 10 de Março de 2020 as 16:29

Depois de um ajuste na oferta disponibilizada ao mercado em 2019, os números do operador turístico Exoticoonline acabaram por ir ao encontro dos verificados em 2018. Miguel Ferreira, diretor-geral da Exoticoonline, revelou que, apesar da quebra registada nos programas para os destinos brasileiros e dos fracos resultados da operação charter para Agadir, a operação do operador foi compensada por um crescimento de 20% nas viagens de grupos para outros destinos como a Ásia e o Dubai. “A quebra que tivemos durante o verão, nomeadamente no Brasil, foi substancial e conseguimos compensá-la com grupos em outros destinos”, indicou o responsável. As viagens de grupos é algo que já fazia parte do dia-a-dia da Exoticoonline, mas que no ano passado ganhou especial destaque, muito devido à competitividade que apresenta com a rede de escritórios da MTS Group, acionista do operador, por todo o globo. “Permite-nos uma grande competitividade, um exemplo disso é o Dubai, onde temos escritórios próprios, ou seja, não dependemos de parceiros terceiros nos destinos, somos nós próprios a operar a nível de grupos”, esclarece.
A par da representação em vários locais do mundo, Miguel Ferreira aponta que a distinção no tratamento de viagens de grupos por parte da Exoticoonline vai além disso. Para o responsável, é essencial que se olhe para os grupos de MICE com profissionalismo, “não é um grupo de amigos, estamos a falar de branding de empresas, de investimentos tremendos da parte das empresas, que convidam os seus melhores clientes ou os seus melhores vendedores. É durante aquele período da viagem que a empresa tem demonstrar o peso da sua própria marca perante os seus clientes, fornecedores ou quem quer que seja que é convidado”. Como tal, a Exoticoonline apresenta uma proposta pensada, desde o início, fora da caixa. “Criamos experiências e actividades que não existem no dia-a-dia de um indivíduo, desde cursos de gastronomia local, cursos de charutos ou rum”, enumera, sustentando que “existe uma panóplia de coisas que podem e devem ser feitas que se tornam uma mais-valia na viagem”. Pois, segundo o responsável, “no final da viagem, o conjunto de experiências vivido vai ser a mais-valia da viagem para o cliente, neste caso, para a empresa e os seus convidados”.
Para 2020, o foco nas viagens de grupo mantém-se, mas não só. A experiência de 2019 ditou a decisão de não entrar em nenhuma operação charter para o verão, à excepção do período de Fim-de-Ano. A grande aposta concentra-se no Brasil, onde a Exoticoonline é especialista. Com a abertura do voo Lisboa – Maceió todas as quartas, sextas e domingos, entre 12 de junho e 23 de Outubro, o operador turístico volta a colocar este destino na sua programação para onde já operou em voos charters e que “foi um sucesso”. “Com a abertura do Maceió e a aposta conjunta com a TAP e as entidades oficiais locais, acredito que o Nordeste brasileiro possa voltar a ter os números muito interessantes este ano”, considera. A Maceió acresce os destinos Salvador da Bahia, Natal, Recife, Porto de Galinhas e Fortaleza. O responsável recorda que a oferta para o Brasil é flexível, “permite-lhe ficar cinco, seis, nove, dez , o número de noites que pretender, não é um pacote estanque de um destino em que só pode ficar sete ou 14 noites. Permite-lhe combinar, nomeadamente o Nordeste, com mais do que uma cidade, entrando por um aeroporto e saindo por outro”.
Outra das novidades é a Expo Dubai 2020, “o nosso grupo está presente no Dubai através da MTS, o que nos permite apresentar uma programação diversificada e a preços altamente competitivos, com assistência permanente no destino. Assim, os nossos parceiros agentes de viagens têm aqui fortes argumentos para fazer uma boa campanha de vendas”. Em breve, o operador vai disponibilizar também programas para incentivos e grupos.
Marraquexe, Dubai, mas também Nova Iorque integram também a programação do operador. As expectativas para os resultados da Exoticoonline são de manter os níveis do ano transacto, pois Miguel Ferreira identifica que talvez existe um aumento de oferta que não corresponde à procura existente.

Destinos com crescimento contínuo

Com um crescimento de 12% em volume de facturação durante o ano passado, em que o Algarve liderou, a central de reservas hoteleiras Destinos prevê continuar a crescer durante 2020. No ano passado, Miguel Ferreira explica que houve mais facturação na Destinos, mas uma ligeira diminuição da margem, fruto da concorrência “cada vez maior dos canais de vendas online”, mas também pelas margens “que não se deveriam trabalhar” de outras centrais de reservas hoteleiras (‘bed banks’). Isto obrigou a Destinos “a ajustar determinadas margens em determinados períodos do ano”.
O diretor-geral da Destinos considera que, apesar de existirem muitas centrais de reservas hoteleiras no mercado português, que tem uma dimensão reduzida, o futuro destas passa pela especialização. “Somos fortes numa região, se calhar menos fortes noutra, toda a nossa contratação é contratação própria da MTS, não temos intermediários, o que nos dá uma competitividade bastante boa. Há mercado para todos, dividido entre todos, agora não são todos fortes no mesmo destino. Há destinos em que o A é mais forte do que o B”, esclarece.
O responsável considera que o crescimento a dois dígitos que se tem verificado nos últimos anos, não deve manter-se, “chega a uma altura em que temos de ser realistas, acredito numa manutenção do crescimento, uma manutenção das vendas é fundamental”, indica, apontando que este crescimento vai estar correlacionado com o preço médio praticado pela hotelaria nacional. “Se a hotelaria continuar a subir o valor, é normal que outros destinos venham roubar clientes ao Algarve, isso é mais do que normal”. Para Miguel Ferreira, “o preço médio é influente”.

*Artigo publicado na edição impressa de 14 de fevereiro do Publituris.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *