TdP quer criar rede para dinamizar Turismo industrial

Por a 17 de Janeiro de 2020 as 14:56

O desenvolvimento de uma oferta turística diferenciadora, ancorada em ativos dos territórios, é o objetivo do Turismo de Portugal com a apresentação do Plano de Ação para a implementação de uma rede de Turismo Industrial, que vem reforçar a atratividade dos territórios de baixa densidade e captar mercado nacional e internacional, ao longo de todo o ano, em alinhamento com a Estratégia Turismo 2027.

O Plano de Ação foi apresentado, esta sexta-feira, em São João da Madeira, numa sessão encerrada pela secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, que considerou que “este é um conceito de indústria viva que agora se pretende estruturar e qualificar, contribuindo para a diferenciação da oferta ao envolver empresas com produtos e marcas nacionais, algumas com uma expressiva capacidade exportadora, e a sua partilha através da experiência turística”.

“No caso do património industrial, está ainda em causa a preservação da identidade dos territórios e a valorização de antigos processos industriais, como as minas e a conserveira”, acrescentou.

A criação desta rede tem subjacente uma atuação concertada com os agentes dos territórios, públicos e privados, privilegiando assim uma abordagem nacional que permita ganhar escala e maior notoriedade.

Até 2022 vão ser desenvolvidas ações no âmbito dos Recursos, Produto e Promoção e Venda, assim como no modelo de gestão, o qual prevê a constituição de um Grupo Dinamizador e a celebração de um Memorando de Entendimento entre os parceiros públicos e privados aderentes.

Destaca-se o levantamento e caracterização dos recursos associados à indústria viva e ao património industrial, a capacitação dos agentes, a melhoria das condições de visitação, a implementação de uma certificação (Norma de Qualidade Turismo Industrial – NP 4556 – 2017) e a identificação de programas e circuitos para venda a turistas nacionais e internacionais.

Os projetos de valorização do Turismo Industrial, desde que tenham subjacente uma abordagem em rede, uma oferta inclusiva e com práticas sustentáveis, vão poder recorrer a financiamento através do Programa Valorizar, Linha de Apoio ao Desenvolvimento de Produto, e que será aberta a curto-prazo.

No segundo semestre deste ano será também criada uma plataforma digital, agregadora da oferta, complementada por ações de promoção internacional e, em 2021, implementado um sistema de monitorização.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *