Pestana investe 250 milhões de euros em 20 novos hotéis

Por a 11 de Dezembro de 2019 as 15:38

As contas estão feitas e a promessa é ambiciosa. No próximo ano, o Pestana Hotel Group vai abrir 10 novos hotéis- seis deles em Portugal. Até 2025, o grupo anunciou um investimento total de 250 milhões de euros na criação de 3500 quartos, revelou, esta quarta-feira, 11, o chief development officer, José Roquette, em conferência de imprensa.

Lisboa vai acolher três novos projetos. O já anunciado quatro estrelas na Rua Braamcamp, de 90 quartos, fruto de um investimento de sete milhões de euros e o também já conhecido projeto na Rua Augusta, também de quatro estrelas, com uma oferta de 89 quartos. A juntar aos dois hotéis vai ainda inaugurar uma Pousada em Alfama, com 50 quartos, que resulta de uma joint-venture com um promotor local. No total, o grupo irá investir uma fatia de 20 milhões de euros do orçamento global em Lisboa, numa oferta que contempla 250 novas unidades de alojamento.

Para o Porto estão agendadas as aberturas da Pousada na Rua das Flores, num investimento de 14 milhões de euros que visa a criação de 89 quartos bem como um novo hotel, o Pestana Douro, em Gondomar, com 165 quartos e que está orçado em 20 milhões de euros

O plano de expansão do grupo hoteleiro português para 2020 em solo nacional prevê ainda uma segunda unidade em Câmara de Lobos, na Madeira e a construção da última fase do Pestana Tróia Eco-Resort.

No que diz respeito às remodelações,  metade do orçamento anual – 25 milhões de euros – será investido nas intervenções de atualização necessárias ao portefólio. Os destaques no ano vindouro centram-se na remodelação do quatro estrelas Pestana Dom João II, no Algarve, hotel com perto de cinco décadas e cuja última intervenção se realizou há sete anos. Também na Madeira, o Pestana Palms, no Funchal, integra a lista de renovações.

“Não há nenhum lugar onde possamos fazer hoje investimento com as mesmas condições de rentabilidade do que em Portugal. Isto, comparando os nossos top performances com os hotéis de Londres, Berlim e Amesterdão. Portugal é uma estrela ao nível da rentabilidade”, adiantou o administrador.

 

Internacional: Pestana CR7 cresce fora-de-portas

Lá fora, a marca Pestana CR7 continua a dar cartas e estão definidas três novas aberturas nos próximos 12 meses: em Madrid, em Nova Iorque e em Marraquexe. Há ainda uma unidade da insígnia prevista para Manchester, em Inglaterra, com abertura em 2023. O grupo liderado por Dionísio Pestana anunciou ainda um hotel na cidade de Tânger, também em Marrocos, no próximo ano.

Sobre os projetos pensados para o estrangeiro, José Roquette refere que o grupo vive “a fase mais lenta e ingrata da internacionalização” devido ao “desenvolvimento mais lento, ao investimento mais caro e à menor rentabilidade” destes projetos face a Portugal. Ainda assim, o responsável admite ser “muito importante para o grupo olhar para fora com visão” e acredita que por um “motivo de solidez a longo prazo” faz sentido continuar a apostar fora-de-portas.

Já no Brasil, o maior grupo hoteleiro nacional vai reabrir a unidade em Bahia, no Rio Vermelho, que encerrou em 2017.

“O Brasil estava a bater no fundo, os anos 2017 e 2018 foram anos muito maus. Em 2019 começámos a ver a luz ao fundo do túnel e começou a apresentar resultados positivos o que nos deixa com esperança de que esta recuperação continue”, adiantou o CEO, José Theotónio.

O hotel será alvo de uma intervenção e deverá reabrir no final do próximo ano. Numa primeira fase, estarão em operação apenas metade das unidades de alojamento, cerca de 206.

“Há uma nova ala do aeroporto de Salvador e um novo centro de conferências para 110 mil pessoas. Obviamente que se a equipa comercial tiver capacidade de captar alguns desses congressos,o hotel vai ter uma boa vida”, adianta.

O melhor ano de sempre

Com o ano na reta final, é altura de balanços e, em 2019, o grupo que se prepara para a inauguração da centésima unidade, registou receitas de 450 milhões de euros (434 milhões de euros em 2018) e um EBITDA de 186 milhões de euros.

Em termos de operação, o CEO salienta a boa performance das Pousadas de Portugal  que estão “mais saudáveis operacionalmente e financeiramente do que jamais estiveram” e o sucesso na abertura do Pestana Blue Alvor que registou taxas de ocupação na ordem dos 90% nos primeiros meses de vida.

“O nosso crescimento não foi em todas as regiões. Em Portugal estamos a viver um ciclo muito forte e obviamente que Lisboa e Porto continuaram a crescer, não cresceram aos níveis que cresciam no passado mas tivemos resultados muitíssimos bons. Na área dos resort começámos a sentir uma muito maior concorrência, que vem de vários fatores”, acrescentou O CEO.

Além dos 10 hotéis projetados para 2020, que irão gerar mil postos de trabalho, o grupo tem outras 10 unidades em pipeline até 2025.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *