LAM retoma ligação Maputo-Lisboa em março de 2020

Por a 7 de Outubro de 2019 as 21:32

A companhia aérea LAM – Linhas Aéreas de Moçambique, representado em Portugal pela Summerwind, vai retomar o voo Maputo-Lisboa a partir de 31 de março de 2020, início do verão IATA.
A ligação, operada pela HiFly, vai contar com três frequências semanais, concretamente às terças, quintas e sábados no sentido Lisboa-Maputo, e às quartas, sextas e domingos no sentido inverso.
João Carlos Jorge, director-geral da LAM, explicou ao Publituris, à margem de uma apresentação que decorreu em Lisboa, esta segunda-feira, que a transportadora moçambicana procurou um operador baseado em Portugal, neste caso a HiFly, que lhe “desse uma perspectiva de futuro, porque a nossa intenção é começar a nossa operação com um ‘wet-leased’, em que o operador providencia tudo, desde o avião, a tripulação, a manutenção e os seguros, e transitar no futuro, dentro de um ano ou ano e meio, para uma operação em que tenhamos mais controlo”.
Recorde-se que a LAM saiu da lista das companhias aéreas impedidas de voar no espaço aéreo europeu em maio de 2017, desde então tem sido feito um processo de adaptação da companhia aérea para poder voltar operar voos para destinos europeus. O director geral realça que, legalmente, a companhia aérea já está autorizada a voar para a Europa, mas antes será realizado um ‘assessment’ à operação da LAM pela EASA (European Union Aviation Safety Agency). Mesmo assim, depois de vários anos sem operar esta rota, desde 2011, a transportadora optou por selecionar um parceiro para apoiar inicialmente a concretização da ligação. “Depois de ter tanto tempo passado sem operar a rota, gostaríamos de ter o apoio de um operador que tem essa experiência que nós não temos”, explica.
Inicialmente, a operação será realizada a bordo de A340-300 com 267 lugares e três classes – executiva, económica premium e económica, podendo existir a opção de operar também com um A330, que “oferece melhores condições para a rota” ao nível de eficiência. Segundo o responsável, o compromisso da operação concentra-se em operar no verão IATA, contudo, não deixa de mencionar que “pouco tempo depois da operação iniciar, queremos tomar a decisão de continuar” durante o resto do ano.
Para a operação, que vai ficar disponível para reserva nos GDS no final deste mês de outubro, a expectativa é ir buscar um “novo mercado” para o destino. João Carlos Jorge considera que esta rota destina-se essencialmente ao corporate e familiar: “Pensamos que com esta rota vá haver o Turismo de lazer e um bocado de diáspora que saiu de Moçambique há muitos anos e que quer, por nostalgia, voltar para visitar o país, é isso que estamos a estimular”. O objectivo não é atrair os passageiros que voam com a TAP, que já opera esta ligação diária, mas sim aos passageiros que chegam ao destino sem ser por voo direto. “Queremos até fazer uma parceria com a TAP, se isso fosse possível, oferecer voos diários aos nossos passageiros, eles oferecerem aos deles, pois penso que ganhamos ambos”, indica.
O pedido de slot no Aeroporto de Lisboa foi feito de forma a permitir que na chegada a Moçambique os passageiros possam usufruir também das restantes ligações aéreas proporcionadas pela LAM desde o aeroporto de Maputo, como Inhambane, Vilankulo, Beira, Chimoio, Quelimane, Tete, Nampula, Nacala, Pemba e Lichinga.

Um comentário

  1. Jorge Santos f

    9 de Outubro de 2019 at 3:05

    Já fazia falta a LAM começar a voar para portugal, recordo os tempos de 2011 em que fazianos coos noturnos para oa dois lados.
    DESEJO BOA SORTE PARA AL A.M

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *