Falência da Thomas Cook “irá trazer danos à atividade turística em Portugal”

Por a 23 de Setembro de 2019 as 12:25
Almoço Debate Legislativas 2019, CTP, Turismo, Francisco Calheiros, António Costa

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) considera que a falência da operadora e companhia aérea inglesa Thomas Cook “irá trazer danos à atividade turística em Portugal, sobretudo na região do Madeira”.

“Obviamente que a falência de uma empresa com a dimensão e importância da Thomas Cook é uma péssima notícia para o Turismo mundial. Sendo o britânico, o nosso principal mercado emissor – com uma quota de 19,6% em dormidas e 16,9% em receitas – haverá com certeza consequências negativas para as nossas empresas, ainda que menos do que nos restantes mercados da Thomas Cook”, afirma Francisco Calheiros, presidente da CTP. “Estamos preocupados e a acompanhar atentamente esta situação, procedendo também a um levantamento de informação”.

Com 178 anos de atividade, a Thomas Cook integra companhias aéreas, hotéis e resorts, e opera para vários destinos no mundo, incluindo Portugal. Em 2018, foi a segunda maior operadora turística em total de vendas do Reino Unido, com 17% de quota, logo a seguir à TUI, lsublinha a CTP.

A Thomas Cook é responsável por mais de 20 mil postos de trabalho em todo o mundo, dos quais nove mil no Reino Unido. O governo britânico prepara-se para efetuar a maior operação de repatriamento em tempos de paz, para trazer de regresso a casa 150 mil britânicos que se encontram deslocados. Atualmente, cerca de 600 mil clientes estão em viagem, muitos com pacotes completos de férias.

Um comentário

  1. Nerivan Silva

    24 de Setembro de 2019 at 1:43

    De fato, fica evidente que o mundo está passando por rápidas transformações que afetam a todos nós. Isto requer uma perícia de cada um, principalmente na questão financeira. É hora de pensar e alongar a visão.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *