Novo aeroporto: “Hoje em dia já não há plano B”, alerta António Costa

Por a 9 de Setembro de 2019 as 17:08

Ter chegado tarde a um consenso sobre a localização para a solução o aeroporto complementar à Portela trouxe custos para o país e actualmente “não há plano B” para uma nova localização. Foi assim que António Costa, secretário-geral do Partido Socialista (PS), respondeu a um dos principais desafios que o Turismo nacional enfrenta.

O responsável foi o convidado de um almoço-debate com o mote “O Turismo primeiro” organizado pela Confederação do Turismo de Portugal (CTP), que aconteceu no Dom Pedro Lisboa, onde reuniu os principais empresários do Turismo nacional e presidentes das associações do sector.

“Não posso deixar de manifestar muita apreensão quando o principal partido da oposição, quando ainda agora votou esse programa nacional de infra-estruturas, venha  ter novas dúvidas existenciais sobre os projectos de alta velocidade  quando sobretudo vem pôr em causa a opção já tomada para que o desenvolvimento da capacidade aeroportuária da cidade de Lisboa seja complementar com o desenvolvimento do aeroporto do Montijo”, preveniu António Costa, fazendo referência aos últimos comentários do líder do PSD.

Para o secretário-geral do PS é bem simples: “Hoje em dia, já não há plano B. Qualquer outra solução comprometeria muito fortemente a dinâmica de crescimento do Turismo e a dinâmica económica em todo este sector”. Há assim que “manter uma linha de trabalho que não devolva o país à incerteza do que é que vai acontecer a seguir”, defende, esperando que “a perspectiva de consenso não se desfaça” e que “não haja novas hesitações em prosseguir a opção que foi feita, porque seria uma fortíssima ameaça à continuidade da actividade turística do nosso país e ao crescimento deste sector que é fundamental para gerar emprego, riqueza e dinamizar todo um conjunto de actividades económicas”. “Reabrir o debate sobre esta ou qualquer outra solução seria comprometer o desenvolvimento do país”, concluiu.

Na senda de respostas aos desafios do Turismo apontados pelo presidente da Confederação do Turismo de Portugal, Francisco Calheiros, respondeu ainda à questão da operacionalidade do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) no Aeroporto de Lisboa, deixando a garantia de que as boxes vão ser aumentadas. “O SEF tem feito um grande esforço em aumentar a capacidade de resposta”, relevou, no entanto, admitiu que o facto de existirem melhorias não significa que o trabalho esteja concluído neste âmbito. “O nosso programa de Governo prevê a necessidade de rever as funções do SEF com uma separação entre o que é a actividade policial e a administrativa. Essa duplicação de funções, além de ser contra-natura, é um factor de menor eficiência na actividade dos serviços”, destacou.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *