Há 30 mil euros à espera de projetos inovadores em restauração

Por a 6 de Setembro de 2019 as 12:44

Há 30 mil euros à espera de serem seduzidos por startups com ideias inovadoras e disruptivas em restauração. A segunda edição do programa de aceleração From Start-to-table, que conta com o apoio do Turismo de Portugal (TdP), arrancou, oficialmente, esta sexta-feira, 06, e quer acelerar 25 projetos em três categorias: tecnologia para restauração, novos conceitos de restauração e produtos inovadores de F&B.

Este é apenas um dos 16 programas que estão atualmente a decorrer sob a alçada do TdP. ” O Turismo de Portugal está a colocar 1,5 milhões de euros, por ano, em projetos e programas de aceleração, a par de outras medidas de simplificação. Estamos cada vez mais em contacto com quem está a ter novas ideias e a ajudar que elas aconteçam”, explicou a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, no discurso de abertura do evento que decorreu no The Spot – Meetings & Events Downtown Lisbon.

A governante explicou ainda que um dos objetivos do TdP é replicar este modelo por todo o território nacional. “Vai arrancar, brevemente, em Fornos de Algodres um programa [o Taste UP, que visa  promover a inovação e a experiência turística nas áreas da gastronomia e vinhos], para percebermos a dimensão que isto está a tomar.  Este é um exemplo de que o turismo não vive para si, o turismo vive para uma indústria e ficamos todos a ganhar quanto mais alavanacarmos imagem e marcas. Não somos só um país turístico, somos muito mais do que isso”, atestou.

As candidaturas ao programa From Start-to-table decorrem até dia 15 de setembro e podem ser feitas no website oficial. Posteriormente, um júri constituído por membros da Startup Lisboa e outros especialistas irá seleccionar até 25 projetos para entrar no programa. É a partir de 12 e outubro que durante nove semanas os  empreendedores dos projetos selecionados irão trabalhar na prototipagem e validação do seu produto.

Relatório do Fórum Económico Mundial

Foi a meio desta semana que ficou conhecido o Relatório de Competitividade no Turismo de 2019, do Fórum Económico Mundial (World Economic Forum, WEF)  e que trouxe boas-novas para o turismo nacional . Ana Mendes Godinho aproveitou a ocasião para sublinhar a subida do país para o 12º lugar  no ranking de competitividade a nível mundial e para destacar os quatro fatores-chave que sustentaram estes resultados.

Em primeiro lugar, a secretária de Estado do Turismo apontou o número crescente de ligações aéreas que permitiu a Portugal ”deixar de estar isolado”. Seguidamente, destacou o facto de ter sido “introduzido o turismo nas prioridades das políticas públicas”. O reconhecimento crescente pela UNESCO do património cultural e natural nacional foi outra das razões indicadas por Ana Mendes Godinho que, por fim, destacou o reconhecimento relativamente às infraestruturas e serviços turísticos. A governante aplaudiu o crescimento do número de empresas de animação turística que eram 2500 há quatro anos e que, atualmente, são mais de nove mil.
Apesar dos elogios e das notícias positivas para o turismo nacional, Ana Mendes Godinho afirma ”que está tudo ainda por fazer” e destaca os maus resultados que Portugal tem tido no que à sustentabilidade ambiental diz respeito frisando que esta tem de ser uma prioridade que sustente a “ambição de alcançar o primeiro lugar no ranking”.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *