Portugal bate recorde da década como destino de férias dos portugueses

Por a 8 de Agosto de 2019 as 11:45

Há mais de 10 anos que Portugal não era um destino tão escolhido pelos portugueses para gozarem as suas férias. De acordo com a primeira vaga de 2019 do estudo TGI da Marktest – disponibilizada esta semana ao mercado –, apesar de não se registarem quebras nas férias fora do país, 66,9% dos portugueses escolheram Portugal Continental como destino de férias durante o último ano.

Este valor representa um crescimento de 2.1 pontos percentuais face a 2018 e é apenas superado pelo registo do TGI em 2008, quando 71,3% dos inquiridos disseram ter escolhido Portugal para passar férias.

Além de Portugal Continental, os Açores mantêm-se em 2019 como o quarto destino mais procurado pelos portugueses para gozar férias. Com 5,8% de referências dos inquiridos, o arquipélago apresenta-se assim como um destino tão procurado como França.

No segundo lugar das preferências dos destinos de férias dos portugueses mantém-se Espanha, com 21,2% de respostas, quase 3 pontos percentuais acima do verificado em 2018.

Em sentido contrário, o Brasil, que há 10 anos era referido como destino de férias por 3,4% dos portugueses, manteve em 2019 a tendência sucessiva de queda, recuando dos 1,2% de 2018 para 0,5% em 2019. Ou seja, o Brasil está já atrás de destinos de férias como o México ou a Tailândia.

A primeira vaga de 2019 do TGI revela também que um quarto dos portugueses viajou de avião no último ano (24,6%), sendo que o preço do bilhete é factor decisivo para escolha da companhia aérea nas viagens de férias (72,7%). Quando estas viagens são feitas por motivos de trabalho, no entanto, o horário dos voos supera ligeiramente
o preço dos bilhetes como critério decisivo nos voos por trabalho (60,7% contra 59,1% de referências).

No que respeita às estadias, a maioria dos portugueses que ficam em hotéis faz reservas por quatro ou mais dias (59,4%). O preço é o critério preponderante para a escolha dos alojamentos (86,6% de referências), seguido pelos comentários de utilizadores (46,3%).

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *