Novo projeto de enoturismo da Sogevinus abre portas em setembro

Por a 27 de Junho de 2019 as 12:00
O grupo Sogevinus, que detém marcas como a Kopke, Cálem, Burmester e Barros, vai abrir ao público, a partir do próximo dia 1 de setembro, as portas da Quinta de S. Luiz, uma das principais propriedades que o grupo tem no Douro e um dos locais onde nascem alguns dos seus vinhos.
Localizada entre a Régua e o Pinhão, a Quinta de S. Luiz é o “berço” dos vinhos Kopke – a Casa mais antiga de vinho do Porto, fundada em 1638 – e foi uma das primeiras quintas da região a ser comprada por uma companhia ligada a este setor, com o objetivo de tornar possível o controlo de todas as fases do processo de produção de vinho.
Esse mesmo objetivo é agora transposto para a área do enoturismo. A abertura da quinta ao público visa permitir aos visitantes conhecer e acompanhar, desde a plantação das vinhas, todo o processo que garante a produção dos vinhos DOC Douro e Porto que compõem o portefólio da marca Kopke.
Ao entrar nesta propriedade de 125 hectares, os visitantes terão a oportunidade de percorrer um dos vários circuitos de visita à quinta ou simplesmente relaxar e fazer uma prova de vinhos no Terraço S. Luiz, um espaço com uma vista inigualável sobre o rio Douro. Outros pontos de interesse a conhecer são a casa do Alambique, a vinha da Romilã, os lagares antigos (recentemente encontrados e recuperados após anos escondidos pelas paredes de uma cuba), a capela de Santa Quitéria e a adega de vinificação. A não perder ainda uma passagem pela sala de provas e pela loja, onde estarão disponíveis os vinhos das várias marcas que compõem o grupo Sogevinus.
Brevemente, a Quinta de S. Luiz irá ainda oferecer outras experiências como a organização de almoços ou a realização de piqueniques nas vinhas ou no miradouro da Galeira, a participação em vindimas, para além de eventos e ações especiais para empresas e escolas.
A marcação antecipada destas visitas é aconselhada, sobretudo no caso de reservas de grupo. Todas as visitas são sempre acompanhadas por um guia e estão disponíveis nos seguintes idiomas: português, espanhol, inglês e francês. Sob reserva com um mínimo de um mês de antecedência, é ainda possível realizar visitas em alemão e italiano.
A aposta neste novo projeto de enoturismo corresponde a um investimento de 1,2 milhões de euros e visa complementar a experiência de quem visita as caves Cálem ou Burmester, em Vila Nova de Gaia.
Em 2021 a oferta da quinta vai ser complementada com o recém anunciado hotel Kopke.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *