Arrábida tem nova marca para promover e unificar projetos intermunicipais

Por a 31 de Maio de 2019 as 12:24

Os concelhos de Palmela, Sesimbra e Setúbal, que partilham a gestão da Arrábida, lançaram na passada quarta-feira, 29 de maio, a marca “Território Arrábida – Património Partilhado”, que visa promover e unificar projetos intermunicipais, desde a mobilidade urbana à inclusão social, passando também pelo desenvolvimento do turismo sustentável.

“Território Arrábida – Património Partilhado” é a marca que unifica a política de implementação dos projetos intermunicipais, com áreas de atuação que vão da mobilidade urbana à inclusão social, passando pelo desenvolvimento do turismo sustentável. Esta marca surge como um catalisador lógico da Declaração de Compromisso, documento firmado em 2017 para a concretização destes projetos e respetivas ações, candidatados a apoios comunitários e que, entretanto, já estão concluídos ou se encontram a decorrer”, explica a Câmara Municipal de Palmela, num comunicado enviado à imprensa.

De acordo com a autarquia, o investimento global supera os 9,2 milhões euros, com cofinanciamento de 50% do FEDER sobre o valor considerado elegível e do Fundo Social Europeu, que comparticipou com 765 mil euros, estando atualmente em curso quatro grandes operações no território da Arrábida, fruto desta parceria intermunicipal, que abrangem áreas como o património natural e cultural e o turismo.

“É o caso do PRARRÁBIDA – Plano de conservação, valorização e promoção do património histórico, cultural e natural da Arrábida, e o HUB 10 – Plataforma Humanizada de Conexão Territorial, que tem como eixo central a melhoria da mobilidade e das acessibilidades num troço da Estrada Nacional 10 que conecta os três municípios”, refere a autarquia de Palmela.

A mobilidade suave, através do Ciclop 7 – Rede Ciclável da Península de Setúbal, responsável, por exemplo, pela criação de 32 quilómetros de ciclovias com conexões intermunicipais, e a saúde, bem-estar e inclusão social, por intermédio do programa PRIA – Percursos em rede para a inclusão ativa, são também áreas de atuação conjunta.

No futuro, estes concelhos pretendem também apostar em três eixos principais, a exemplo das Smart Cities, com o objetivo de elevar a Arrábida ao estatuto de “Human & Happy Smart City”, mas também do Planeamento e Ordenamento, e ainda da Sustentabilidade Económica e Financeira do Território.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *