50 ideias para o Turismo | (Fu)turismo

Por a 8 de Abril de 2019 as 12:30

Em vésperas da Implantação da República portuguesa, a Europa (centralizada em Paris) abria-se ao turismo e ao vanguardismo cultural. Os congressos de turismo juntavam os amantes pelas viagens e sucediam-se os manifestos da vanguarda artístico-literária, a tal ponto que seriam bases de identidade e de progresso da Europa no século XX, embora entre crises, guerras e fronteiras que se desfizeram e refizeram.

Mais de um século depois o turismo é um sector chave. Através de diferentes gerações, o turismo português cresceu, nem tudo foi mau, nem tudo foi bom, mas há que saber lidar com as heranças para fazer melhor.

Para a ideia que se pede, não vos escrevo do quarto pilar (a política) que defendo para a sustentabilidade e do turismo na orgânica do Estado ou do papel das autarquias, nem do litoral versus interior e nem sequer do ensino ou das tecnologias e dos meios de comunicação. Escrevo, aliás, de tudo isto e com base nestas questões. – Porque é que as estratégicas mudam entre governos sem que haja convergência? – Porque é que o território é vítima de um consumo autofágico, ou seja, depois de o atrativo se tornar insuportável os mesmos responsáveis saem à procura de outros lugares para iniciarem um processo semelhante de apropriação? – Porque é que no ensino nem sempre se promovem os pedagogos mais criativos e aqueles que são integradores de áreas disciplinares? – Porque é que nos eventos deste sector mais interessam as aparências do que o saber?

Há precisamente um século, a Revista de Turismo referia: “Hoje, a viagem, como meio de instrução e de distração, é realizada por todas as classes da sociedade” (5 de dezembro de 1919). Sabemos que não era verdade. Presentemente, muitos mais fazem turismo, mas nem todos com qualidade.

Por vezes, porém, acho que vivemos num mundo fantasioso, quando lemos, escrevemos e atuamos no sector. Lembro que “o turismo é de todos e para todos”, tal como vos referi há uns anos quando, orgulhosamente, presidi às comemorações do Centenário do Turismo e as quisemos levar ao país em vez de uma festa glamourosa apenas para alguns.

É de Ética que vos falo.

Por Jorge Mangorrinha, professor Universitário
No âmbito da celebração dos seus 50 anos, o Publituris convida uma figura do setor a lançar uma “Ideia para o Turismo”

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *