Reservas para Cuba decorrem de “forma muito surpreendente”

Por a 5 de Abril de 2019 as 14:40

A Sonhando, juntamente com a Solférias e iTravel, finalizou esta quainta-feira, em Lisboa, a 6ª edição do Roadshow de Cuba, que passou também pelas cidades de Coimbra e do Porto, totalizando uma participação total de cerca de 650 agentes de viagens.
José Manuel Antunes, diretor-geral da Sonhando, destacou que a iniciativa contou com “uma presença massiva e correu muito bem”.
Questionado acerca das reservas para as operações charter para Cayo Coco e Varadero, o responsável destaca que “estão a correr muito bem e de uma forma muito surpreendente”. isto, porque “estamos nas vésperas do Mundo Abreu e da Feira das Viagens, e temos mais do que o dobro das reservas que tínhamos no ano passado antes do Mundo Abreu. No caso de Cayo Coco é muito mais do que o dobro, é quatro vezes mais”. José Manuel Antunes salienta que, no que refere às 10 partidas para Cayo Coco, que vão realizar-se a bordo da euroAtlantic, de 8 de julho a  9 de setembro, “os voos têm, pelo menos, mais de 100 passageiros reservados na totalidade de um avião com 267 lugares, o que de facto é notável”. Em termos percentuais, é o voo de Cayo Coco que mais cresce, mas a operação para Varadero, em parceria com outro operador turístico e operada pela Orbest num aparelho com 388 lugares, é a que tem vendido mais em volume.
O diretor-geral do operador turístico considera que o volume de vendas antecipadas que se verificou no primeiro trimestre é “um fenómeno de facto anómalo”. “Nunca aconteceu em nenhum ano parecida de uma vaga tão intensa de reservas antes destes dois eventos – Mundo Abreu e Feira das Viagens”, refere, salientando que se o Mundo Abreu, que começa este sábado dia 6, “responder como tem respondido nos outros anos, a maioria das partidas ficarão esgotadas. Se fizermos o mesmo número de reservas que fizemos nos outros anos no Mundo Abreu e na Feira das Viagens metade da operação fica esgotada”.

Quanto à possibilidade de vir a reforçar a operação, o responsável diz ser “muito difícil”, porque “as pontas destas operações – Junho e Setembro – conseguem-se com grandes dificuldades e essas vão ser as últimas partidas a serem vendidas. É impossível colocarmos um reforço da operação, só se fosse duplicar a operação e ao duplicar o mercado não tem estofo para isso”.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *