Estudo de Impacto Ambiental do aeroporto do Montijo pronto até final de Março

Por a 4 de Janeiro de 2019 as 15:14

O presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, revelou quinta-feira, 3 de Janeiro, que o Estudo de Impacto Ambiental sobre a construção do aeroporto do Montijo deverá estar pronto até ao final do primeiro trimestre do ano.

De acordo com a Lusa, o autarca explicou que o estudo está ainda numa fase inicial, motivo pelo qual não poderá ser apresentado já esta terça-feira, 8 de Janeiro, quando vai ser assinado o acordo de financiamento para o aumento da capacidade aeroportuária de Lisboa.

“Não me parece que esteja em condições de ser já divulgado, porque ainda está em estudo. Diria que isso será um terceiro passo, mas, segundo o que conheço, o estudo final será entregue no primeiro trimestre deste ano. Depois será validado ou não pela Agência Portuguesa do Ambiente e só a partir daí estaremos em condições de começarmos as obras”, avançou o autarca do Montijo.

Além de falar sobre o Estudo de Impacto Ambiental, Nuno Canta disse também à Lusa que será a ANA – Aeroportos de Portugal a realizar o investimento necessário na infraestrutura, cujos valores não são, por enquanto, conhecidos.

“A ANA tem obviamente interesse nesta localização, como nós temos e o Governo para resolver o problema da capacidade aeroportuária. É uma solução ‘win win’, porque toda a gente tem benefícios e, neste sentido, a ANA, que propôs a utilização da Base Aérea n.º 6 como solução, suportará os encargos”, explicou Nuno Canta.

De acordo com o autarca, o acordo de financiamento garante “o cumprimento do caderno de encargos” solicitado pelo município, o que inclui a construção de uma circular externa no Montijo, de um novo acesso à Ponte Vasco da Gama, da Variante da Atalaia, de duas avenidas de ligação ao Cais do Seixalinho e a melhoria dos transportes públicos.

“Sabemos que está incluído porque temos vindo a conversar com o Governo e com a própria ANA. Todas são necessárias ao Montijo na conexão com o aeroporto”, frisou o autarca do Montijo, revelando também que “se conseguiu assegurar as verbas necessárias à deslocalização da estrutura militar”, estimadas em 200 milhões de euros.

Nuno Canta frisou a importância do novo aeroporto a nível nacional, mas espera que traga crescimento económico, emprego e melhoria da atividade turística ao Montijo e ao distrito de Setúbal.

“Há uma expectativa de que as obras se iniciem ainda este ano, mas nestas coisas nunca sabemos se é assim ou não. Mas há essa expectativa e que esteja em funcionamento em 2022”, disse.

O acordo de financiamento para o aumento da capacidade aeroportuária de Lisboa vai ser assinado na próxima terça-feira, 8 de Janeiro, entre o Estado e a ANA – Aeroportos de Portugal, na base da Força Aérea no Montijo, numa cerimónia que vai contar com a presença do presidente executivo da Vinci Concessões, Nicolas Notebaert, e do presidente do Conselho de Administração e presidente executivo do grupo Vinci, Xavier Huillard, além do primeiro-ministro, António Costa.

 

 

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *