Reportagem | Cuba: impossível não se apaixonar por este país

Por a 14 de Agosto de 2018 as 17:21

Ir a Cuba é uma viagem no tempo e uma lição de história, já se sabe. As cidades, perdidas no tempo, parecem cenários de filmes e as praias são paraísos autênticos. Os cubanos são hospitaleiros e festivos. A isso, junta-se a música, a dança e o rum. Está feita a receita perfeita para umas férias de sonho.

Aos 28 anos, Eniel Navarro Leyva, um cubano natural da cidade de Baracoa, situada no extremo oriental da ilha, está pela primeira vez em Trinidad, cidade património da UNESCO. Eniel é jornalista e director de um canal televisivo regional, mas em Trinidad está como turista. Em frente à Casa da Música conversamos sobre o país, falamos da liberdade de imprensa, da situação económica dos cubanos e, claro, de viagens. Está encantado com Trinidad, que, na sua opinião, é a cidade que melhor preserva o património arquitectónico cubano. “É uma cidade parada no tempo com uma vida nocturna singular, muito activa, restaurantes com excelentes preços e cozinha de qualidade internacional e uma península com quilómetros de belas praias e, sobretudo, as pessoas são muito acolhedoras”, afirma. Eniel nem precisava de falar da hospitalidade cubana. Ao terceiro dia da viagem organizada pelo operador turístico Sonhando, e com a participação da Solférias, para um grupo de agentes de viagens, já todos reconhecíamos a hospitalidade cubana. Trinidad foi apenas uma das etapas desta longa viagem que deu a conhecer a oferta do operador para este destino.

Para aqueles que nunca visitaram Cuba, a expectativa para conhecer o país de Fidel Castro, dos charutos e do rum, é enorme. Cuba é muito ciosa dos seus símbolos, políticos e culturais, que inevitavelmente se cruzam ao longo da nossa viagem.

Havana, a sedutora
Havana é a primeira paragem. Se é para conhecer bem, então é preciso mais do que um dia para visitar a capital e centro administrativo, político e cultural do país. Mas tendo apenas um dia, então a visita obrigatória é ao centro histórico de Havana, conhecida como Havana Velha. Diz quem já cá esteve, que a recuperação dos edifícios é bastante notória, para a qual contribuiu a declaração de Património Mundial da UNESCO, em 1982, e mais tarde, em 2015, a eleição como uma das 7 cidades Maravilhas do Mundo na categoria de Cidades. Havana tem um certo ar decadente, mas, ao mesmo tempo, atraente, vibrante e sedutor, que nos faz querer conhecer mais e embrenharmo-nos pelas ruas ao som da salsa. O casco velho alberga praças, museus e cafés, deambular pelas ruas é uma viagem no tempo com os seus edifícios coloni ais. Os pontos principais são a praça San Francisco de Assis, onde se encontra a Igreja de São Francisco de Assis, agora transformada em museu e local onde se fazem espectáculos de música clássica, a Praça Velha, a Catedral e a Praça das Armas, todos a um distância a pé entre eles. Entre uma e outra praça, paragem para conhecer o café frequentado por Eça de Queirós na Calle de los Mercaderes e o Hotel Ambos os Mundos onde viveu o escritor Ernest Hemingway na década de 1930. O melhor é subir ao terraço do hotel para apreciar a vista, pedir um mojito ou uma cubata (o mesmo que uma cuba libre) e usufruir do ambiente. Ou se preferir, o famoso bar La Bodeguita del Médio é um dos pontos mais turísticos de Havana Velha. E porque estamos a falar de bares, porque não experimentar um Daikiri, no bar frequentado por Ernest Hemingway, o Floridita. Nesta viagem, o tempo foi curto para conhecer Havana, mas ainda houve possibilidade de conhecer a Praça da Revolução, um dos cartões-de-visita da cidade, imortalizada nas fotos tiradas à imagem de Che Guevara estampada no edifício do Ministério do Interior.

O povo cubano é hospitaleiro e festivo.

E como há clichés que valem a pena, uma das formas de conhecer Havana em grande  estilo é comprar um tour num dos carros clássicos de Cuba. Há de várias marcas e cores: Chevrolet, Buick, Ford, Dodge, Cadillac, entre outros. Os tours, na sua maioria, percorrem as principais atracções turísticas da cidade, como o Bairro Chino, Hotel Nacional, o Castillo del Moro  e o Malécon Habanero (passeio marítimo).

Trinidad, a bonita
Deixámos Havana para trás e o próximo destino é Trinidad, com paragem em Cienfuegos. Espera-nos, pelo menos, uma manhã de viagem. E é tempo de falar de Cuba com Jorge, o nosso guia, e fazer as perguntas que temos na cabeça. Como vivem os cubanos? O que pensam do novo presidente e quais as suas expectativas? Jorge vai respondendo a todas as inquietações de quem acompanha à distância a história do país. Insiste que Cuba vive num regime socialista, iniciado por Fidel Castro, continuado pelo irmão, Raul, e o que se espera agora de Miguel Díaz-Canel, o novo presidente, é que melhore as condições de vida do povo cubano. O acesso gratuito à educação e à saúde são as bandeiras do país que tem uma das mais baixas taxas de mortalidade infantil do mundo e cujo salário médio é de 600 pesos cubanos (20 euros). Sobre o Turismo, ficamos a saber que, em algumas empresas, 1% das gorjetas reverte para outras actividades não directamente relacionadas com a actividade turística, numa espécie de “uma mão lava a outra”.

O Palácio de Valle, em Cienfuegos

Chegados a Cienfuegos, encontrámos uma localidade costeira de casas senhoriais e apalaçadas, onde se destaca a baía e a marina, naquilo que podia ser uma Saint Tropéz cubana, já que foi fundada por franceses. Mas não, é conhecida como a Pérola do Sul. Cienfuegos é uma cidade diferente de todas as outras, já que apresenta uma topografia rectilínea. A cidade tem um centro histórico, também ele declarado património da UNESCO, em 2005. Aconselha-se a visita ao Palácio de Valle, com uma construção de estilo ecléctico que data dos fins do século XIX, sendo um símbolo da cidade. No palácio funcionam restaurante e bar. Vale a pena, pelo menos, subir ao terraço para apreciar a vista sobre a baía e beber um mojito.

Cienfuegos fica a 80 quilómetros de Trinidad, a próxima paragem, o que significa mais ou menos hora e meia de viagem. É preciso contar com todo o tipo de estradas e veículos, daí que circular em Cuba não seja comparável ao que estamos habituados e as distâncias levem mais tempo. Chegámos pelas 17h a Trinidad e o primeiro impacto não é o melhor. Se Havana parece parada no tempo, o que dizer de Trinidad? Trinidad não é daqueles casos de amor à primeira vista. Mas depois de conhecer, apaixonamo-nos. O autocarro deixa-nos o mais perto possível do centro histórico, mas ainda é preciso percorrer a pé algumas dezenas de metros até à praça central. Considerada a cidade museu de Cuba, Trinidad conserva a magia colonial da época e nem faltam as carroças puxadas por cavalos. Ruas empedradas, casas coloniais, com varandas e janelas generosas. Os cubanos resguardam-se do calor, mas as portas e as janelas protegidas com grades deixam-nos espreitar o seu interior. Recebem-nos com sorrisos e nem os turistas perturbam as suas rotinas. Uma mãe amamenta o filho à janela indiferente ao que se passa na rua.

Trinidad é considerada a cidade museu de Cuba.

À medida que nos aproximamos do centro, os edifícios estão mais cuidados e recuperados e começamos a perceber o charme desta cidade que não dá tudo logo à primeira vista. Passamos por várias casas que ostentam o símbolo de casas privadas que podem ser arrendadas, uma forma muito comum de alojamento na cidade. Trinidad foi fundada no século XVI e declarada Património da Unesco em 1988. Na praça central estão as principais atracções da cidade, como a igreja de La Santissima Trinidad e alguns museus, entre os quais o da Arquitectura. A poucos metros da praça, encontra-se a escadaria que nos leva à Casa da Música. Vários bares e esplanadas ladeiam o espaço. Ainda são 17h, mas fica a promessa que regressamos à noite onde o ambiente se faz ao som da salsa. Em Trinidad não se pode deixar de ir ao bar La Canchancharra e provar a bebida com o mesmo nome, feita à base de água ardente, mel, limão e gelo. A música é uma constante em Cuba, por todo o lado e a toda a hora, está para os cubanos, como o futebol para os brasileiros, como se tratasse de algo genético. Aliás, a música e a salsa. Os cubanos parecem ter nascido para dançar. E o primeiro contacto “a sério” com a salsa ocorreu na Casa da Música de Trinidad. Alguns de nós saltaram para a pista, onde nativos e turistas se misturam numa lógica de que a dança e a música aproximam as pessoas. 

Os Cayos

Nas águas cristalinas de Cayo Coco é possível mergulhar desde o barco ou fazer snorkeling

No dia seguinte, é tempo de despedida de Trinidad em direcção a Cayo Coco e Cayo Guillermo, ilhas tropicais localizadas no arquipélago de Jardines del Rey, ao largo do centro de Cuba. Conhecida pelas praias de areia branca e pelos recifes de coral, a costa norte está repleta de resorts com o regime de tudo incluído. Os Cayos estão unidos à ilha de Cuba através de uma estrada com 17 quilómetros de distância construída sobre o mar. Cayo Coco tem um aeroporto internacional, através do qual chegam a maior parte dos turistas que vão ficar alojados nos diversos resorts. Este destino foi um dos afectados pelo furacão Irma em Setembro do ano passado, e que obrigou inclusive ao cancelamento das operações da Sonhando para o destino. Quase um ano depois, os sinais da passagem do furacão pelos hotéis quase não se percebem. As unidades fizeram um trabalho extraordinário, num tempo recorde (apenas 62 dias) na recuperação das infraestruturas para voltarem rapidamente a receber hóspedes. O mesmo não se pode dizer da fauna e da flora. Para quem nunca visitou os cayos, talvez o choque não seja tão grande, no entanto é perceptível que a natureza foi madrasta. As árvores estão despidas, e flamingos, nem vê-los. De resto, as praias preservam a sua beleza natural. Além dos resorts, é possível fazer outras actividades no destino, conhecido para a prática de mergulho e de outros desportos náuticos ou passeios de barco.

Santa Clara e Varadero

Antes do destino final, Varadero, paragem em Santa Clara, que, à semelhança das outras cidades cubanas, tem uma praça central que concentra os principais edifícios e de diferentes períodos arquitectónicos. Mas a principal atracção de Santa Clara é o mausoléu do argentino Ché Guevara. O mausoléu de Che Guevara foi inaugurado em Outubro de 1997 quando chegaram a Cuba os restos mortais do guerrilheiro, 30 anos após sua morte na Bolívia e já foi visitado por mais de 4,5 milhões de pessoas. Ernesto Guevara nasceu em 14 de Junho de 1928, em Rosário, na Argentina. Filho de uma família de classe média alta, formou-se em Medicina na Universidade de Buenos Aires, em 1953. Juntamente com Fidel Castro, foi um dos ideólogos e comandantes que lideraram a Revolução Cubana, entre 1953-1959, que levou à queda do regime do general Fulgencio Batista. Santa Clara ficou para sempre ligado à história do comandante Che. A tomada da cidade em 1958 sob o comando de Guevara forçou a derrota de Fulgencio.

O mausoléu de Che Guevara já foi visitado por milhões de pessoas.

A viagem continua para Varadero. Situada numa península, de Hicacos, é o principal destino de sol e praia de Cuba. Varadero tem uma extensão de mais de 20 quilómetros de praia de areia branca e águas azul-turquesa, que além de calmas, têm temperaturas que rondam os 25°C, ideal para mergulhos e actividades aquáticas. Há também hotéis para todos os gostos (ver caixa). Varadero tem outros atractivos para oferecer além de umas férias de sol e praia. Há restaurantes de praia e várias actividades e festas organizadas diariamente pelos hotéis. Para os amantes da natureza, a norte de Varadero fica localizado o único parque submarino do país: Cayo Piedras del Norte, ideal para a prática de mergulho e snorkeling. Para aqueles que querem combinar sol com a história, nos arredores de Varadero podem visitar-se as cidades de Cárdenas, Matanzas e a Península de Zapata.

O plano de viagem era ambicioso, é preciso dizê-lo, condensar cinco destinos numa só uma viagem era uma tarefa difícil, mas, no final, a compensação, Varadero é um destino de sonho para relaxar.

* A jornalista viajou a convite da Sonhando



Como ir?

A operação charter da Sonhando, Solférias e iTravel para Varadero já começou no passado dia 2 de Junho e prolonga-se até 6 de Outubro, última data de partida. No caso de Varadero, às saídas são ao sábado e os voos operados pela Orbest. Para que o cliente não se surpreenda com o serviço que vai encontrar a bordo, nem sempre correspondente aos voos regulares, há serviços especiais que podem ser comprados antes da viagem. Por exemplo, por mais 89 euros é possível comprar o pacote Turista + que inclui assentos com mais espaço (primeiras filas e saídas de emergência), refeições premium, toalhitas refrescantes e auriculares, entre outros. Já a operação para Cayo Coco começou no dia 9 de Julho, e prolonga-se até 10 de Setembro, em voos operados às segundas-feiras pela EuroAtlantic, companhia aérea accionista da Sonhando. A companhia dispõe de classe executiva, o que é pouco habitual nos voos charter para Cuba durante o período do Verão. No conjunto, os operadores têm cinco mil lugares para venderem no período de Verão para Cuba. A programação dispõe ainda do circuito ‘Cuba Colonial’ (inclui Cayo Coco, Santa Clara, Trinidad e Havana); o combinado Havana e Varadero; e, desde o ano passado, que a operação para Cuba no Verão tem a parceria da MSC para a oferta de cruzeiros. Este ano estão disponíveis dois itinerários operados pelo navio MSC Armonia: Cuba e o Melhor do Mar das Caraíbas (inclui Havana, Montego Bay, George Town, Cozumel e Havana) e Os Trópicos entre Pirâmides e Fortalezas (inclui Havana, Belize, Ilha de Roatan, Costa Maya, Cozumel e Havana). Os preços incluem os voos para Varadero, transfers entre o aeroporto de Varadero e o porto de Havana e seguro de assistência de viagem. José Manuel Antunes, director-geral do operador Sonhando, é um apaixonado por Cuba. Contra todas as expectativas, retomou em 2014 os charters para Cayo Coco, que assumiu como uma paixão pessoal. “Tem sido um sucesso”, afirma. Sobre Cuba, José Manuel Antunes defende que é o melhor destino das Caraíbas, pela qualidade da praia, do mar e das pessoas. Desde que a operação se iniciou até agora, já vieram 9 mil passageiros e as reclamações são residuais. “As pessoas podem confiar no destino e há muitos repetentes sobretudo no segmento alto, porque as pessoas vêm e gostam”.

Onde Ficar?
A operação da Sonhando para Cuba está concentrada maioritariamente em três cadeias hoteleiras. São elas a Iberostar, Melia e Grand Memories. Mas também dispõe na sua programação da oferta do único hotel português no país, o Pestana Cayo Coco, e outros hotéis como o Royalton Hicacos Varadero.

Nesta viagem, visitámos diversos hotéis que estão na programação do operador. Em Havana, o grupo ficou hospedado no Iberostar Parque Central, hotel com uma arquitectura colonial e uma localização central junto ao Capitólio. Em alternativa, o Melia Havana ou o Melia Cohiba, que apesar de não serem tão centrais, dispõem de transporte regular para o centro da cidade. Alguns hotéis que visitámos, como é o caso do Cohiba (Havana) ou do Memories Varadero, encontram-se em remodelação, pelo que o melhor será confirmar se o cliente fica num quarto já remodelado. Em Cayo Coco, as opções também são variadas. Como já referido, o destino foi afectado pelo furacão Irma no ano passado, mas as unidades já se encontram recuperadas. O Melia Cayo Coco, com os seus bungalows sobre a lagoa natural de água salgada, foi um dos mais afectados, mas está recuperado. É uma unidade só para adultos. Já o Melia Jardines Del Rey (na foto) é para adultos e crianças. Tem uma arquitectura contemporânea, um ambiente moderno e muito confortável. Indicados para as famílias, os hotéis Pullman Cayo Coco e o Pestana Cayo Coco são também uma boa opção de alojamento. O Pullman dispõe de duas opções: o hotel onde estão a maioria dos quartos e uma secção apenas para adultos: o The Collection By Pullman constituída por junior suites, suites e private golden villa. Em Cayo Guillermo, o Meliá Cayo Guillermo é uma boa opção, o espaço exterior, assim como a praia e os seus passadiços sobre o mar criam um ambiente bastante agradável.

Melia Jardines Del Rey

Em Varadero, a estadia no Iberostar Varadero é bastante recomendável. É uma unidade de cinco estrelas capaz de satisfazer os clientes mais exigentes, sejam famílias ou casais. Os quartos têm áreas generosas e são confortáveis e a oferta de F&B é boa, assim como a praia. Com um estilo completamente diferente, apresenta-se o novo Iberostar Bella Vista Varadero. Enquanto o primeiro é mais clássico, o segundo é moderno e recente (tem pouco mais de um ano). Uma boa opção para férias em família.

O Paradisus Varadero é o único da marca premium de resorts da Melia indicado para famílias, dispondo de um serviço família.

O Royalton Hicacos é só para adultos e distingue-se pelo serviço de mordomo para todos os clientes e os altos standards de F&B. O Melia Marina Varadero é também uma boa opção de estadia. Sendo um resort com marina, surpreende pelo seu fácil acesso à praia.

Dicas

Em Cuba, existem duas moedas: os pesos cubanos (CUP) e os pesos (CUC). Os primeiros só são usados pelos habitantes. O Cuc é a moeda usado no turismo. A internet nos hotéis é disponibilizada através da compra de cartões que custam 1 Cuc e têm a duração de 60 minutos (podem ser usados em qualquer hotel ou espaço), desde que haja rede. Na hora de fazer a mala, não deve esquecer o repelente, e colocar na bagagem uma roupa um pouco mais formal para os jantares.

Fam trip

 No total foram 25 os elementos que viajaram a convite da Sonhando e da Soférias para Cuba. Um grupo grande, mas que esteve sempre bastante animado. Adriano Portugal (Orbita), Ana Luísa Luz (Sonhando), Ana Rita Lopes, (Viagens Abreu), Ana Rita Queiroz (Multidestinos), Ana Silva (By Travel), Carina Monteiro (Publituris), Carlos Carreira (Viagens Carreira), Custódia Carvalho (Top Atlântico Leiria), Dalila Silva (Viagens Abreu), Emília Parra (Geostar), Fernando Santos (Mercado das Viagens São João da Madeira), Joana Lopes (Rivieratur), João Real (Avic), José Luís Elias (Turisver), José Manuel Antunes (Sonhando), José Marques da Costa (Sonhando) Katy Lourenço (Sonhando), Magda Silva (By Travel), Maria João Elisário (Best Travel), Paula Moreira (Optimatours), Paulo Cordeiro, (Açoribérica), Rómulo Gonçalves (Clubtour), Rosário Santos (Solférias), Vânia Ferreira (Navitur) e Vera Caeiro (Em Viagem Évora).


Um comentário

  1. Vitor carvalho

    17 de Agosto de 2018 at 13:59

    Muito boa informação, já me desloquei a cuba por várias vezes,conheço tudo o que vem na informação! Recomendável!

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *