Timor-Leste aposta no Turismo e aponta à CPLP

Por a 25 de Julho de 2018 as 10:49

O executivo timorense olha para o Turismo como “um importante motor de desenvolvimento de actividades económicas”, que contribui “também para a salvaguarda do património natural e cultural de Timor-Leste”, motivo pelo qual vai, em breve, definir uma estratégia turística para o país, que prevê receber até 450 mil turistas por ano, muitos dos quais provenientes da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“O Governo irá, de forma planeada e organizada, desenvolver uma estratégia para o Turismo na região, sem pretender competir com o Turismo massificado do Sudeste Asiático, mas podendo criar sinergias com outras localidades na região, tais como com as Flores, Molucas e Kupang, a fim de criar e desenvolver pacotes turísticos que atraiam visitantes”, lê-se no programa do VIII Governo timorense, que vai estar em debate esta quarta-feira, no Parlamento Nacional, de acordo com a Lusa.

No mesmo documento, o Governo timorense estabelece como meta os 450 mil turistas por ano, número que representa o “máximo potencial sustentável”, esperando atrair essencialmente turistas provenientes da Indonésia, Austrália e de “outros países da Ásia e do Pacifico”, mas também da CPLP, “num Turismo sustentado em laços históricos e culturais comuns, incluindo o denominador comum da língua portuguesa”.

“Com uma beleza natural incomparável, uma história rica e um património cultural único, Timor-Leste tem todas as condições para desenvolver um sector turístico original, que envolva sobretudo o seu povo e crie empresas e oportunidades de emprego diversificadas”, acrescenta o programa do VIII Governo de Timor-Leste.

Uma das características únicas de Timor-Leste é o facto de ser “um dos raros países católicos da região, praticando rituais católicos que poderão servir como atractivo para turistas católicos”, aponta o documento, que menciona ainda a “história única e recente, com vários locais simbólicos para visitar”.

A par destes atractivos, Timor-Leste conta também com “grande potencial no Turismo de montanha e de actividades desportivas e de aventura”, além de uma “longa costa e praias bonitas e ricas em biodiversidade”, sem esquecer a “gastronomia única e em expansão”, a persistência de “comunidades ancestrais, ainda em contexto natural” e “um dos índices mais baixos de criminalidade do mundo”.

Além da definição de uma política nacional para o Turismo, o Governo timorense propõe também a criação de uma marina em Díli; a reabilitação da orla marítima da capital e maior investimento nas infraestruturas básicas, como aeroportos, portos, estradas e telecomunicações, mas também turísticas, ao nível da hotelaria, restauração, equipamentos culturais e recreativos.

A reabilitação do Aeroporto de Díli e de outras atracções no centro da capital, a criação de um Centro de Formação em Turismo e Hotelaria, bem como de parques de gestão de crocodilos, que devem contribuir para aumentar a segurança das praias e preservar a espécie, funcionado ainda como uma atracção turística, são outros dos planos do Governo de Timor-Leste.

Um comentário

  1. José Salvador de Albuquerque

    23 de Abril de 2020 at 18:47

    Para isto ser levado a cabo, necessita em primeiro lugar que os injustificáveis vistos turísticos entre os países da CPLP, sejam banidos. Atualmente, acho que isso só ocorre entre Brasil, Portugal, Cabo Verde e Guiné-Bissau.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *