Natureza, Gastronomia e Vinhos. A trilogia que faltava à Arrábida

Por a 13 de Julho de 2018 as 17:43

O Senhor dos Anéis, o Regresso ao Futuro ou Matrix são trilogias de sucesso no grande ecrã. Mas no mundo real e no Turismo também há trilogias que podem ser verdadeiros sucessos, como a combinação de natureza, gastronomia e vinhos. É este o projecto de António Amaral Neto que fundou, no final do ano passado, a Amaral’s Trilogy, uma empresa que tem como objectivo criar experiências únicas para pequenos grupos na região da Arrábida, combinando estes três elementos.

Embora tenha itinerários pré-definidos, a empresa procura desenvolver programas à medida do cliente, de forma a tornar única cada experiência. “Um dos factores onde nos destacamos na forma de trabalhar são as surpresas que vamos fazendo durante os nossos programas, para que os clientes tenham momentos inesquecíveis e se sintam genuinamente bem-vindos”, explica António Amaral Neto. Depois de vários anos fora do País, regressou a Portugal no ano passado. Na bagagem trazia a experiência de ter trabalhado em Turismo em Abu Dhabi, onde fundou a empresa de passeios de barco Captain Tonys, que rapidamente se tornou conhecida naquele destino. Absolutamente convicto do potencial turístico da Arrábida, António decidiu fundar a Amaral’s Trilogy, com base na experiência adquirida em Abu Dhabi onde trabalhou com um segmento exclusivo de clientes.

Apesar de acreditar no potencial do destino Arrábida, considera que ainda está na sombra de lugares como Sintra e Óbidos, “destinos fáceis de vender, mas que na minha opinião acabam por perder muito do seu charme, pelo excesso de pessoas que visitam durante as épocas altas. O meu projecto é ambicioso no sentido que procuro promover o destino para um mercado premium numa zona onde até há pouco tempo não existiam hotéis de cinco estrelas até aparecer o Casa Palmela, com quem trabalhamos bastante, e o RM Guesthouse no centro de Setúbal”.

Experiências

Como operador turístico especializado no sector premium, a Amaral’s Trilogy dá “muita importância ao elemento tailor-made”. As experiências que a empresa oferece quase nunca vêm nos roteiros tradicionais. “O intuito é sempre entender e perceber quem é o cliente. Temos um questionário para perceber o que gostam de fazer e o querem da experiência. Geralmente é um programa de um dia”, explica. A empresa desenvolve programas até o máximo de 10 pessoas e os clientes têm na sua maioria mais de 30 anos. “Esta triologia natureza, gastronomia e vinho atrai um leque de pessoas que viaja com esta motivação e é um público com uma faixa etária mais alta. O nosso público é mais maduro”.

Quanto às experiências, e para exemplificar, a primeira paragem é, geralmente, o Castelo de Palmela. A primeira surpresa é a abertura de uma garrafa de espumante ou de moscatel de Setúbal. “As surpresas que vamos fazendo ao longo do dia são importantes porque é isso que deixa o cliente na expectativa e cria as memórias”. Em seguida, há várias opções, desde a visita aos azulejos de Azeitão, um passeio a cavalo, um piquenique no campo, visita às adegas e jantares personalizados. “Os jantares podem ser feitos em locais variados, seja no nosso Boutique Guesthouse, adegas e jardins de quintas privadas, nos próprios estúdios de azulejos ou em restaurantes da nossa escolha”, refere António Amaral Neto.

Nucha Guedes é a guru criativa da empresa. A preparação dos ambientes, seja de almoços ou jantares, é da sua autoria e bom gosto, trabalho que estende ao contacto com os clientes. A empresa trabalha ainda com um conjunto de parceiros “em quem sabemos que podemos confiar e que entendem aquilo que queremos fazer”. A Quinta do Piloto, a Quinta da Bacalhôa, a Casa Palmela e RM Guesthouse são alguns exemplos.

O maior desafio da empresa tem sido a comercialização e a promoção do destino. “Estamos actualmente a divulgar a Arrábida e o nosso serviço ao mesmo tempo, através dos meios digitais e de parcerias com DMC’s e hotéis de cinco estrelas. Queremos ser o parceiro de escolha destes hotéis para o destino Arrábida, na medida em que entendemos o nível de serviço que o cliente de cinco estrelas espera receber. Por outro lado, os hotéis podem também promover um destino diferente dos que estão habituados a promover. O nosso público são estrangeiros: americanos, brasileiros e Norte da Europa”, conclui.

Para já o projecto vai desenvolver-se na Arrábida, procurando “captar uma audiência que se interesse por gastronomia e vinho”, tendo como pano de fundo a natureza. Mas no futuro, a empresa poderá vir expandir a sua actividade para o Alentejo e até mesmo para o restante território português.

Perfil 
António Amaral Neto trabalhava numa empresa australiana de arquitectura em Abu Dhabi. Em paralelo desenvolveu um produto turístico com pouca oferta no mercado, passeios de barco. Bastou uma pesquisa de mercado e acertar no “customer service” para ter sucesso imediato. Entretanto, ficou sem emprego e dedicou-se ao Turismo a tempo inteiro. Em 2012, fundou a Captain Tonys que hoje em dia em Abu Dabi é uma empresa sobejamente conhecida. Trabalhou desde passeios escolares a passeios românticos. Os hotéis de cinco estrelas começaram também a prestar atenção à empresa e a recomendar a clientes. Começaram a aparecer os VIP’s, desde governantes europeus, famílias reais e estrelas de Hollywood. Decidiu abandonar a arquitectura de vez e abraçar o Turismo.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *