Assine já
Destinos

Festa Templária regressa a Tomar de 5 a 8 de Julho

Evento evoca o século XII e inclui diversas recriações históricas.

Publituris
Destinos

Festa Templária regressa a Tomar de 5 a 8 de Julho

Evento evoca o século XII e inclui diversas recriações históricas.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Tomar debate Turismo Cultural e Desenvolvimento Sustentável
Destinos
Tomar recebe Jornadas de Turismo Cultural e Religioso
Destinos
Convento de Cristo já reabriu ao público
Destinos
5º Workshop Internacional de Turismo Religioso esgota inscrições
Homepage

A cidade de Tomar vai regressar à Idade Média entre 5 e 8 de Julho, em mais uma edição da Festa Templária, iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Tomar e por várias entidades da região, que acontece um pouco por toda a cidade.

Durante quatro dias, Tomar vai ser invadida por cavaleiros templários, artesãos, mercadores, saltimbancos e malabaristas, num evento que evoca o século XII e que inclui diversas recriações históricas, como o cerco de 1190 ao Castelo Templário, a 5 e 6 de Julho, e um jantar real no Convento de Cristo, no dia 6.

A Festa Templária contempla também demonstrações de ofícios e danças medievais, feira de artesanato alusivo à época, petiscos nas tasquinhas e ementas dedicadas à gastronomia medieval nos restaurantes aderentes, bem como visitas culturais, que decorrem a 7 e 8 de Julho.

No dia da abertura do evento, 5 de Julho, tem também lugar o seminário “A Ordem do Templo e a Defesa Territorial”, a decorrer no Convento de Cristo, e o dia 7 de Julho fica marcado pelo Cortejo Nocturno, que reúne as várias personagens históricas, num percurso pelas ruas do centro de Tomar.

As entradas para a recriação do cerco ao Castelo Templário têm um preço de dois euros a partir dos 12 anos de idade, enquanto as visitas culturais custam três euros. Já o jantar real custa 30 euros por adulto e 20 euros por cada criança até aos nove anos de idade, sem os bilhetes disponibilizados no Posto de Turismo Municipal.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

OMT: 46 destinos mantêm fronteiras totalmente fechadas aos turistas

A OMT revela, no seu relatório sobre restrições de viagens, divulgado sexta-feira, que um total de 46 destinos no mundo (21%) estão atualmente com as fronteiras totalmente fechadas ao turismo internacional.

Um total de 46 destinos no mundo (21%) estão atualmente com as fronteiras totalmente fechadas ao turismo internacional, e destes, 26 mantêm-se completamente fechados pelo menos desde o final de abril de 2020, revela o relatório da OMT sobre restrições de viagens, divulgado sexta-feira. 

O documento da Organização Mundial do Turismo conclui que outros 55 (25% de todos os destinos em todo o mundo) continuam comas suas fronteiras parcialmente fechadas ao turismo internacional, e 112 (52% exigem à chegada aos turistas teste PCR ou antigéneo. 

A OMT destaca, no relatório divulgado na sua página de internet, que 85 destinos (39% de todos os destinos no mundo) abrandaram as restrições para turistas internacionais totalmente vacinados, mas apenas quatro destinos levantaram até agora todas as restrições relacionadas com a Covid-19 (Colômbia, Costa Rica, República Dominicana e México). 

“Abrandar ou suspender medidas com segurança é essencial para que o turismo seja retomado”, afirmou o secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili, na publicação. 

“Os desafios contínuos colocados pela pandemia indicam a importância de as autoridades nacionais garantirem que procedimentos e requisitos possam ser geridos de maneira oportuna, confiável e consistente em todos os sistemas e plataformas de informação, para manter a confiança e facilitar ainda mais a mobilidade internacional”, concluiu Zurab Pololikashvili. 

Como nas edições anteriores da pesquisa, este último relatório mostra que as diferenças regionais em relação às restrições de viagem permanecem. A Ásia/Pacífico continua a ser a região com mais restrições em vigor, com 65% de todos os destinos totalmente fechados, enquanto a Europa é a região do mundo mais aberta aos turistas internacionais (7% das fronteiras totalmente fechadas), seguida da África (9%), das Américas (10%) e do Médio-Oriente (15%). 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

UE leva muito a sério nova variante e vai atuar rapidamente (c/ vídeo)

Depois de conhecidas as notícias sobre a nova variante altamente mutante na África do Sul, Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, afirmou que a UE está a “levar muito a sério” esta questão.

Publituris

A presidente da Comissão Europeia afirmou esta sexta-feira, 26 de novembro, que a União Europeia (UE) está a “levar muito a sério” a nova variante do coronavírus, identificada inicialmente na África do Sul, exortando a ação “rápida e unida” dos Estados-membros.

“Estamos a levar muito a sério as notícias sobre a nova variante altamente mutante. Sabemos que as mutações podem levar ao aparecimento e à propagação de ainda mais variantes do vírus que se podem disseminar a nível mundial dentro de poucos meses, pelo que é agora importante que todos nós na Europa atuemos muito rapidamente, de forma decisiva e unida”, vincou Ursula von der Leyen.

Horas depois de ter anunciado que vai propor a ativação de um mecanismo travão para suspender voos da África Austral com destino à UE, devido ao aparecimento de uma nova variante do SARS-CoV-2, a líder do executivo comunitário insistiu que “todas as viagens de avião para estes países devem ser suspensas” a partir daquela região “e de outros países afetados”, novamente sem precisar.

“Devem ser suspensas [as viagens] até termos um entendimento claro sobre o perigo que esta nova variante representa e os viajantes que regressam desta região devem respeitar regras rigorosas de quarentena”, vincou a responsável.

Afirmando ter hoje discutido esta situação “em várias chamadas telefónicas e videoconferências com cientistas e fabricantes de vacinas”, Ursula von der Leyen apontou que “também eles apoiam plenamente tais medidas de precaução para evitar a propagação internacional desta variante”.

“Também depende de todos nós, como cidadãos, contribuir para um melhor controlo da pandemia. Por favor, vacinem-se o mais depressa possível, se ainda não o tiverem feito”, apelou a responsável.

A porta-voz adjunta da Comissão Europeia, Dana Spinant, indicou há algumas horas que para esta tarde está marcada uma reunião do grupo de Resposta do Conselho a situações de crise (IPCR), juntando Estados-membros, instituições europeias e especialistas, na qual se decidirá então a ativação do mecanismo de travão de emergência.

“Vamos realizar esta reunião do IPCR precisamente porque queremos ter medidas rápidas, coordenadas e consistentes em vigor para evitar que haja lacunas através das quais o vírus encontre o seu caminho para a Europa”, acrescentou Dana Spinant, durante a conferência de imprensa diária da instituição, em Bruxelas.

Certo é que o executivo comunitário está a “acompanhar de muito perto a evolução no que diz respeito a esta variante”, trabalhando nomeadamente “com a Agência Europeia para a Segurança da Aviação, que está a preparar uma recomendação aos aeroportos e companhias aéreas sobre esta matéria”, referiu.

Além disso, “o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças [ECDC, na sigla inglesa] classificou hoje de manhã esta variante como variante de interesse”, o que significa que requer monitorização, adiantou a porta-voz.

Esta nova variante do coronavírus foi detetada na África do Sul, o país africano oficialmente mais afetado pela pandemia e que está a sofrer um novo aumento de infeções, anunciaram na quinta-feira cientistas sul-africanos.

A variante identificada até ao momento como B.1.1.529 tem um número “extremamente elevado” de mutações, de acordo com aqueles cientistas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Subida de casos de COVID-19 põe em causa temporada de neve, alerta GlobalData

Um estudo recente da GlobalData estima uma redução da procura por férias de neve já em dezembro, devido ao aumento do número de casos de COVID-19 na Europa.

Publituris

A GlobalData veio esta sexta-feira, 26 de novembro, alertar que o aumento recente do número de casos de COVID-19 pode poder em causa a temporada de neve na Europa e diz que as estâncias de esqui devem assistir a uma redução da procura já este mês de dezembro, de acordo com o mais recente estudo de opinião desta empresa de análise de dados.

Num comunicado enviado à imprensa esta sexta-feira, a GlobalData lembra que, nos meses de dezembro e janeiro, o mercados das viagens e turismo costuma ser positivamente afetado pela procura por destinos de neve, como aconteceu em 2019, em que a Europa assistiu a um aumento de 38,3% no total de viagens entre novembro e dezembro.

No entanto, segundo Ralph Hollister, analista de viagens e turismo da GlobalData, se no passado este aumento estava, em grande parte, associado aos destinos de neve e esqui, este ano, não se espera que este efeito se mantenha, uma vez que “a procura deverá ser afetada pelo comportamento da pandemia”.

O estudo GlobalData’s Q3 2021 Consumer Survey apurou que, entre os consumidores europeus, 25% continuam “extremamente preocupados” com a COVID-19, uma percentagem que, segundo a GlobalData, é “tão significativa” que não pode ser um bom indicador.

No comunicado divulgado, a GlobalData diz mesmo que “espera que muitos europeus parem ou cancelem seus planos de férias se virem que a transmissão do vírus está a começar a surgir novamente”.

Segundo Ralph Hollister, esta possibilidade está já a preocupar países com a França, a Suíça ou a Itália, principalmente devido ao aumento do número de casos de COVID-19 na Alemanha, que é um dos principais mercados consumidores de férias de neve na Europa.

“A situação do COVID-19 na Alemanha pode ser um fator decisivo para o sucesso da próxima temporada de esqui na Europa. A Alemanha tem mais esquiadores do que qualquer outro país da Europa, o que torna esse mercado fonte incrivelmente importante para destinos de esqui”, considera o responsável.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

AHRESP pede “apoios robustos” para compensar encerramento de discotecas em janeiro

Governo decretou o encerramento destes estabelecimentos de animação noturna entre 2 e 9 de janeiro, a chamada ‘semana de contenção’, o que deverá ter um “impacto negativo” nestas empresas, segundo a AHRESP.

Publituris

O encerramento das discotecas entre 2 e 9 de janeiro, conforme anunciado pelo primeiro-ministro, António Costa, esta quinta-feira, 25 de novembro, no final do Conselho de Ministros, exige a adoção de “mecanismos robustos de apoio” a estes estabelecimentos, considera a AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal.

Num comunicado divulgado esta sexta-feira, a associação defende que os setores que representa “foram visados” pelas medidas anunciadas pelo primeiro-ministro para travar a subida do número de casos de COVID-19, com destaque para o encerramento das discotecas na semana de 2 a 9 de janeiro, apelidada de ‘semana de contenção’, que segundo a associação vai ter um “impacto negativo” nestas empresas.

“Pelo impacto negativo que estas novas restrições irão provocar, a AHRESP já propôs ao Governo a criação de mecanismos robustos de apoio e reparadores destas consequências no domínio da liquidez e dos custos salariais”, adianta a associação na informação divulgada.

Além do encerramento das discotecas entre 2 e 9 de janeiro, semana em que também o teletrabalho será obrigatório, o Governo decretou a apresentação obrigatória do certificado digital para acesso a restaurantes, assim como de teste negativo para a bares e discotecas,  bem como o uso de máscara facial em espaços fechados.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Vários países europeus suspendem voos provenientes da África Austral

A indicação de uma nova variante no continente africano fez soar todos os alarmes na Europa, com vários países a suspender os voos provenientes da África Austral.

Publituris

A Comissão Europeia deverá propor esta sexta-feira, 26 de novembro, a suspensão de voos provenientes da África Austral com destino à União Europeia (UE) devido ao aparecimento de uma nova variante do SARS-CoV-2, causador da COVID-19, no continente africano, anunciou Ursula von der Leyen, numa curta publicação na rede social Twitter.

“A Comissão Europeia proporá, em estreita coordenação com os Estados-membros, ativar o travão de emergência para parar as viagens aéreas da região da África Austral devido à variante de preocupação B.1.1.529”, indicou hoje a presidente da instituição.

Este anúncio vem na sequência de uma comunicação realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), reportando a primeira mutação da nova variante da África do Sul a 11 de novembro.

Rapidamente, diversos países – Alemanha, Reino Unido, Singapura, Áustria, França, Itália, Japão, Áustria ou Israel – proibiram a entrada de voos provenientes da África do Sul, Botsuana, Essuatini (antiga Suazilândia), Lesoto, Namíbia, Zimbabué, Moçambique

Sobre estas restrições a OMS já veio considerá-las prematuras, sugerindo que se continue a implementar medidas com base no risco e na evidência científica.

Este travão de emergência, implementado na UE devido à pandemia, visa fazer face a situações preocupantes, como novas variantes, permitindo aos Estados-membros o endurecimento de medidas para travar a progressão do coronavírus SARS-CoV-2.

O anúncio feito pela presidente da Comissão Europeia surge um dia após a instituição ter proposto uma atualização das recomendações sobre viagens de cidadãos de países terceiros para a UE, para dar prioridade aos viajantes vacinados contra a COVID-19.

Também na quinta-feira, 25 de novembro, o executivo comunitário propôs um reforço da coordenação sobre viagens dentro da UE devido ao aumento de casos de covid-19 um pouco por toda a Europa, sugerindo que vacinados não sejam submetidos a restrições adicionais e que não vacinados sejam mais controlados.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Portugal pode contar com o Brasil para aumentar fluxo de turistas, diz ministro do Turismo

O ministro brasileiro do Turismo, Gilson Machado, apontou que Portugal pode contar com o Brasil para restabelecer e aumentar o fluxo bilateral de visitantes.

Portugal pode contar com o Brasil para restabelecer e aumentar o fluxo bilateral de visitantes brasileiros e portugueses, assegurou o ministro do Turismo, Gilson Machado, que participou via videoconferência, na abertura do II Fórum Luso-Brasileiro de Turismo e Negócios.  

O evento online reuniu académicos, profissionais e  gestores do turismo para trocar experiências com vistas à recuperação sustentável do setor. 

O ministro brasileiro do Turismo destacou que “como Portugal é um dos países historicamente mais parceiros do Brasil, as viagens internacionais ao Brasil devem começar devido à retoma dos voos de Portugal” 

Citado pela imprensa brasileira, Gilson Machado lembrou, por outro lado que “Portugal sempre teve a maior conetividade do Brasil com a Europa. Então, o potencial para alavancar esse fluxo é imenso, justificando que “recebíamos cerca de 176 mil portugueses por ano no país e quase 94% tinham interesse em voltar, principalmente para destinos de sol e praia”. 

O ministro do Turismo também apontou a recuperação do turismo no Brasil a partir de ações adotadas pelo governo federal com vista a combater a pandemia, que passam, nomeadamente, pela disponibilidade de crédito através do Fundo Geral do Turismo (Fungetur) para os setores de hotelaria e eventos que contabilizaram as maiores perdas, a criação do Selo Turismo Responsável – que indica o cumprimento de medidas de prevenção à Covid no setor – e autorização ao regresso dos cruzeiros. 

Em recente entrevista a uma estação de rádio brasileira, o governante anunciou que estão em construção no país 147 novos hotéis de grandes dimensões, totalizando 6 mil milhões de reais em investimentos. “Isto é uma prova de que os investidores nacionais e internacionais estão confiantes na retoma do turismo no Brasil”, apontou. 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Bruxelas quer reforçar coordenação para viagens na UE

Com grandes discrepâncias nas taxas de vacinação (24,7% na Bulgária e 81,5% em Portugal), a Comissão Europeia quer vacinados sem restrições e não vacinados testados em viagens na UE.

Publituris

A Comissão Europeia propôs esta quinta-feira, 25 de novembro, um reforço da coordenação sobre viagens na União Europeia (UE) devido ao aumento de casos do coronavírus, sugerindo que vacinados não sejam submetidos a restrições adicionais e que não vacinados sejam mais testados.

Em causa está uma recomendação para uma maior “coordenação para facilitar a livre circulação segura durante a pandemia”, sugerindo o executivo comunitário ao Conselho uma “abordagem baseada na pessoa”, para que quem tenha “um Certificado Covid-19 Digital da UE válido não seja, por princípio, sujeito a restrições adicionais, tais como testes ou quarentena, independentemente do seu local de partida” na União.

Por outro lado, “as pessoas sem um Certificado Covid-19 Digital da UE podem ser obrigadas a submeter-se a um teste realizado antes ou depois da chegada”, propõe a instituição aos Estados-membros, aos quais cabe a decisão final sobre viagens.

Esta abordagem é baseada no certificado digital da UE, comprovativo da testagem (negativa), vacinação ou recuperação do vírus SARS-CoV-2, que entrou em vigor na União no início de julho. Até agora, foram emitidos mais de 650 milhões de certificados que são reconhecidos em 41 países, segundo dados de Bruxelas.

Numa altura em que a situação epidemiológica da COVID-19 na UE é considerada pelos especialistas como de risco muito elevado devido à baixa taxa geral de vacinação e à rápida propagação da variante Delta do SARS-CoV-2, Bruxelas propõe também um período padrão de aceitação dos certificados de vacinação de nove meses desde a série de vacinação primária.

“O período de nove meses tem em conta as orientações do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças [ECDC] sobre a administração de doses de reforço a partir dos seis meses e prevê um período adicional de três meses para assegurar que as campanhas nacionais de vacinação possam ser ajustadas e que os cidadãos possam ter acesso às doses de reforço”, justifica a Comissão Europeia.

No âmbito destas orientações, que Bruxelas quer ver em vigor a 10 de janeiro de 2022, a instituição propõe ainda que as isenções de quarentena apenas sejam aplicadas a crianças menores de 12 anos e a viajantes essenciais (como trabalhadores).

Além disso, o executivo comunitário pretende introduzir alterações nos mapas que servem de apoio às decisões nacionais sobre viagens na UE, que são atualizados semanalmente pelo ECDC, às quintas-feiras, com um sistema de semáforos (variando entre o verde e o vermelho-escuro).

Estes mapas incluem as taxas de notificação de casos de COVID-19 nos últimos 14 dias, o número de testes realizados e o total de positivos, mas Bruxelas quer aqui incluir as taxas de vacinação.

Dados do ECDC revelam que, até ao momento, 65,8% da população da UE está totalmente vacinada, enquanto 70,1% tomou apenas a primeira dose.

Por países, existem grandes discrepâncias nas taxas, entre os 24,7% de vacinação total na Bulgária e 81,5% em Portugal.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Nova Zelândia reabre para turistas vacinados em abril mas exige quarentena

Reabertura de fronteiras para estrangeiros completamente vacinados contra a COVID-19 acontece a 30 de abril de 2022, mas implica uma quarentena de sete dias.

Publituris

A Nova Zelândia vai voltar a permitir a entrada de turistas internacionais que já estejam completamente vacinados contra a COVID-19 a partir de 30 de abril de 2022, mas exige um  período de quarentena de sete dias à chegada, avança a imprensa internacional.

“Os neozelandeses totalmente vacinados vão ter mais facilidade para regressar a casa a partir de janeiro de 2022 e os estrangeiros a partir de abril, pois o governo vai remover a exigência de isolamento e quarentena controlada para a maioria dos viajantes”, afirmou fonte do governo da Nova Zelândia, citada pelo jornal britânico Travel Weekly.

De acordo com a informação avançada, o governo neozelandês está a preparar um plano em três fases para a reabertura do país e que vai reduzir as restrições impostas na sequência da pandemia e que levaram a que, desde o início da COVID-19, apenas seja permitida a entrada de cidadãos neozelandeses e em situações excecionais.

Apesar da anunciada reabertura, os visitantes internacionais têm de cumprir alguns procedimentos, a exemplo da apresentação de um teste negativo para a COVID-19 realizado antes da partida, do certificado que comprove a vacinação completa e de uma declaração passada pelo passageiro com o histórico das suas últimas viagens.

Além destes requisitos, os estrangeiros devem ainda realizar um teste à COVID-19 no primeiro dia depois da chegada à Nova Zelândia, cumprir um período de auto-isolamento de sete dias e realizar um novo teste antes de poderem circular livremente no país.

“Estamos a fazer este anúncio já para dar às famílias, empresas, visitantes, companhias aéreas e aeroportuárias maior certeza e mais tempo para se prepararem. É muito encorajador que, como país, estejamos agora em posição de avançar na direção de uma maior normalidade ”, indicou o governo da Nova Zelândia.

Apesar da decisão, as autoridades neozelandesas alertam que vão continuar a monitorizar a situação e que os procedimentos poderão ser revistos a qualquer momento, em função do risco epidemiológico.

Em dezembro, espera-se que o governo da Nova Zelândia revele mais pormenores sobre o plano de reabertura do país, incluindo indicações sobre como se devem os estrangeiros deslocar entre o aeroporto e o local onde vão realizar a quarentena de sete dias e informação sobre os locais que vão ser disponibilizados para essa quarentena.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Conhecimento e inovação na promoção marcam 1.º VisitAzores Tourism Forum

Iniciativa é promovida pela Associação Turismo dos Açores (ATA) e vai ter lugar na próxima semana, entre 29 e 30 de novembro, em Ponta Delgada, São Miguel.

Publituris

A Associação Turismo dos Açores (ATA) vai promover, entre 29 e 30 de novembro, o primeiro VisitAzores Tourism Forum, iniciativa que terá lugar no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, São Miguel, e que vai debater o “conhecimento e a inovação na promoção do destino Açores”.

“Dirigido aos parceiros da atividade turística nos Açores, mas também aos parceiros nacionais, o Visitazores Tourism Forum constituirá um momento de partilha de conhecimento do que foi feito em 2021, a nível de promoção do arquipélago, ao mesmo tempo que apontará caminhos para o futuro, a curto e médio prazo”, revela a ATA, explicando que a iniciativa vai juntar especialistas em Marketing e Turismo, nacionais e internacionais.

Promovido com o objetivo de “estimular o desenvolvimento e inovação na promoção do território, dando a conhecer aos responsáveis do setor da região alguns casos de estudo de sucesso internacionais”, o VisitAzores Tourism Forum vai decorrer ao longo de dois dias, o primeiro dos quais dedicado a um conferência, enquanto o segundo dia fica marcado por quatro Master Classes apenas para associados da ATA e com a participação de oradores do primeiro dia e de dirigentes da ATA – Associação Turismo dos Açores.

“É com orgulho que promovemos a primeira edição do VisitAzores Tourism Forum. Com recurso a casos de estudo internacionais, serão desenvolvidos temas como o place branding, a inovação e a transição digital. Com esses exemplos, com as experiências que vão ser partilhadas, mas também com as reflexões que vão ser promovidas, estamos certos de que todas as entidades e agentes do setor do turismo vão sair do fórum com inúmeras fontes de inspiração. Esperamos mesmo que o evento marque uma nova etapa na promoção da região”, refere Luís Botelho, diretor executivo da ATA.

“O Place Branding e a sua Aplicação; Costa Rica, Um Caso Mundial”; “Marca: Notoriedade e Estímulo da Procura Turística”; “Açores, Presente e Futuro”; “A Digitalização Enquanto Fator de Sucesso”; “Data Plan, o Futuro na Comunicação dos Destinos”; “Smart Destinations – Mobilidade e Sustentabilidade” e “Visão Estratégica na Transição Digital” são os temas que vão ser debatidos no primeiro dia do evento, que será encerrado pelo presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro.

O programa completo do evento pode ser consultado no site do VisitAzores Tourism Forum.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Madeira continua aberta ao turismo e garante todas as condições de segurança

Apesar do Estado de Contingência, a região mantém-se aberta ao turismo e a atividade económica mantém o seu “normal funcionamento”, segundo a Associação de Promoção da Madeira (APM).

Publituris

A Associação de Promoção da Madeira (APM) veio esta quinta-feira, 25 de novembro, esclarecer que, apesar do Estado de Contingência, a região mantém-se aberta ao turismo e a atividade económica mantém o seu “normal funcionamento”, apesar de alguns procedimentos que visam assegurar a segurança do destino.

“A Madeira continua assim aberta ao turismo garantindo todas as condições de segurança”, lê-se num comunicado enviado à imprensa, no qual a associação explica que as “regras de proteção relativas à COVID-19, mantêm-se na generalidade, tendo havido um reforço à testagem da população e dos seus visitantes”.

Segundo a APM, “para eventos e atividades específicos existem algumas recomendações”, que podem ser consultadas através do site Informações COVID 19 (visitmadeira.pt), e, em algumas situações, “poderá ser necessário, além do certificado de vacinação, um teste antigénio negativo”.

A associação lembra ainda que, em toda a região, “existem vários postos de testagem gratuitos disponíveis”, que podem ser consultados através do link Lista dos 45 postos de colheita.

A APM destaca que “o Governo da Madeira tem sido exemplar no combate à pandemia COVID-19 com a implementação atempada de medidas preventivas que garantiram ao destino distinções internacionais”, a exemplo dos prémios de destino mais seguro da Europa para visitar em 2021, da ‘European Best Destinations’, mas também de “Melhor Destino Insular da Europa” na 28.ª edição dos “World Travel Awards”.

“A ilha e os seus habitantes, souberam reagir atempadamente e de forma segura, implementando medidas eficientes que permitiram controlar a pandemia e permitir um fluxo, mais ou menos contínuo, de visitantes que desfrutaram da sua estadia com confiança de estarem em segurança”, considera a associação.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.