“Diálogo construtivo e trabalho sério são a linha estratégica da APAVT nos próximos três anos”

Por a 11 de Janeiro de 2018 as 22:13

Foram muitas as caras conhecidas, incluindo deputados e ex-secretários de Estado do Turismo, que assistiram esta quinta-feira, dia 11, à tomada de posse da nova direcção da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) para o triénio 2018-2020, liderada pela terceira vez por Pedro Costa Ferreira.

Foi justamente pelo processo de eleição que o presidente da APAVT iniciou o seu discurso de tomada de posse. Sublinhando a ideia de que “o processo eleitoral existiu”, com a apresentação de “visões diferentes, com candidatos diferentes e com apoios diferentes”, no final “houve uma visão e um conjunto de candidatos que ganhou, de forma esmagadora e, por isso mesmo, clarificadora”, concluiu Pedro Costa Ferreira.

As palavras seguintes foram dirigidas à equipa que agora o acompanha nos órgãos sociais da APAVT, com um cumprimento, em primeiro lugar, a Tiago Raiano, o novo presidente da Mesa da Assembleia-Geral da APAVT, que Pedro Costa Ferreira considerou ser “a figura mais importante e mais representativa desta associação”.

O novo presidente da Mesa da Assembleia-Geral personifica “as novas abordagens no futuro, sem que tal signifique a incineração de tudo o que de bom foi feito no passado”. Pedro Costa Ferreira destacou ainda a importância de duas figuras nesta candidatura, Carlos Costa, da Club Tour, e Armando Ferraz, da Oásis. “Ambos me transmitiram, não apenas apoio, como disponibilidade para integrarem a nova lista; e não apenas disponibilidade para integrarem a nova lista, como, mais do que isso, disponibilidade para a integrarem em qualquer posição que fosse considerada a mais ajustada à vitória pretendida”.

Quanto aos desafios deste novo mandato, sem surpresas, o presidente da APAVT apontou os mesmos que já tinha identificado durante a campanha. São eles a desigualdade fiscal internacional no sector dos eventos em Portugal; as medidas de restrição à operação turística em Lisboa; o estrangulamento do aeroporto; o novo regulamento europeu de protecção de dados; mas também aquilo a que chama de “degradação das condições de venda das passagens aéreas, consequência de uma relação menos fácil com as companhias aéreas em geral e com a IATA”; e o acompanhamento da implementação da nova directiva europeia relativa às viagens organizadas.

Pedro Costa Ferreira garantiu que estes e outros desafios que surjam nos próximos três anos serão acompanhados pelos diferentes capítulos da associação “com a firmeza”, “seriedade” e “bom senso”.

“O diálogo construtivo, sério e aberto, de quem sabe que defende interesses legítimos, mas de quem tem consciência de que há mais interesses igualmente legítimos em presença, alguns conflituantes, será o nosso cartão-de-visita para a tutela, para membros da cadeia de valor, para sindicatos e para associações congéneres”, afirmou. “Diálogo construtivo e trabalho sério, que suportarão toda uma rede de contactos e linha estratégica da APAVT”, acrescentou.

Quanto ao relacionamento da associação com as outras entidades do sector e fora dele, o responsável deixou uma palavra às Regiões de Turismo, com quem quer continuar a desenvolver um “trabalho conjunto”, assim como com a Confederação do Turismo Português, com a ECTAA, organização europeia da qual a APAVT tem a vice-presidência, e com as congéneres da Europa.

Pedro Costa Ferreira também quer reforçar “as relações no âmbito da lusofonia” e “a Oriente”, tendo em consideração “o posicionamento absolutamente relevante de Macau e todas as oportunidades que se revelam e se revelarão naquela zona do globo”.

O responsável falou ainda da contribuição que a APAVT tem tido na afirmação e desenvolvimento da BTL, “não apenas enquanto espaço de exposição de Portugal enquanto destino turístico, mas também enquanto momento de dinamização dos negócios e comercialização de produtos”.

As últimas palavras foram de cooperação e colaboração para com a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, que assistia na plateia à tomada de posse; e para a direcção que agora dá início ao mandato. “A todos quero agradecer o tempo que vão dedicar aos vossos colegas e desejar um bom mandato”.

Pedro Costa Ferreira deixou ainda uma novidade para os agentes de viagens. O estudo encomendado ao escritório do Professor Augusto Mateus sobre a realidade e o peso do sector para a economia nacional será brevemente editado.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *