Neve atrai novos clientes

Por a 27 de Dezembro de 2017 as 15:56

Os destinos com estâncias de neve mais apetecíveis para os esquiadores portugueses apresentam novidades que damos a conhecer, bem como a oferta que os operadores turísticos e agências disponibilizam para a temporada 2017/2018.

O turista nacional está cada vez mais desperto para os destinos de neve, seja porque é mais frequente repartir as suas férias ao longo do ano, ou por pura curiosidade, ou simplesmente porque já é um adepto assíduo dos desportos de neve e do seu ambiente envolvente. Para Nuno Roxo, responsável do Ski Clube, de ano para ano, “cada vez mais, as pessoas procuram férias repartidas e as férias de neve já se tornaram numa das escolhas de eleição”. O profissional arrisca mesmo em afirmar que actualmente existem entre 60 a 80 mil portugueses que praticam regularmente uma semana de férias na neve. “Nota-se também procura por parte de novos clientes que começam agora a ir para a neve”, acrescenta João Cruz, director de produto e qualidade da Solférias, considera que o mercado de esquiadores em Portugal tem-se mantido nestes últimos anos. No entanto, espera que “com as melhores condições económicas proporcionadas, que o número de praticantes aumente”. O responsável salienta a importância do papel que a única estância portuguesa de esqui, a Serra da Estrela, tem no crescimento do mercado: “Numa temporada com muito poucas precipitações, manteve-se aberta durante muitos dias, tendo trabalhado muito bem a pouca neve que tinham. Isso ajuda a que o mercado cresça, se dinamize e se formem os mais pequenos, que serão os futuros esquiadores”.
A procura de clientes que fazem férias na neve pela primeira vez tem aumentado, segundo Sónia Vicente, contract & sales manager da Avalanche. “Há os [clientes] que procuram, porque já têm o hábito de praticar desportos de Inverno (…), porém tende a aumentar a procura e a vontade de conhecer estes destinos por pessoas de classe média”, destaca. Também na Leski, operador turístico especializado em neve da Avóris Travel, se nota que a procura do produto neve por parte do mercado português tem “crescido consecutivamente ao longo dos anos”, refere Diamantino Pereira, director para Portugal da Avóris Travel. Contudo, esta procura tem-se centrado nos mesmos destinos, são eles Andorra, Serra Nevada e Baqueira e nas férias de Natal e Fim-de-Ano, Carnaval e Páscoa. “Trata-se de famílias e grupos de amigos, normalmente com crianças menores que procuram alojamento de qualidade em zonas próximas das pistas”, descreve.

Perspectivas
A temporada ainda agora teve início e as expectativas são de crescimento, de uma forma generalizada, ainda que tímido. Como refere Nuno Roxo, “todos esperamos que venha a ser uma excelente temporada”. No entanto, explica que o calendário escolar este ano vai ser comum com vários países da Europa, o que torna as férias escolares “mais competitivas”. “Vamos tentar ser inovadores de forma a criar e a promover determinados destinos associados às características dos nossos clientes”, afirma. Também João Cruz frisa que o objectivo é crescer esta temporada, tendo em conta “as melhores condições económicas, no seguimento do que assistimos este Verão”. O calendário escolar, com o facto da Páscoa surgir no final de Março, é “favorável também a que subam as vendas, pois há uma melhor distribuição pelas três semanas mais solicitadas de férias”. O mesmo salienta que “ao oferecermos no mercado pacotes com maior flexibilidade nas datas, poderá atrair mais clientes e mesmo chegar a outros que nunca se poderiam permitir fazer seis ou sete dias de férias de Inverno. Que venha a neve!” Por sua vez, Sónia Vicente destaca: “Da forma como o mercado português está a aumentar e a tornar-se cada vez mais receptivo a esta área de Turismo, julgamos que este ano iremos aumentar significativamente as nossas vendas”. Para a Leski, Diamantino Pereira considera que “a temporada 2017/2018 é uma temporada curta e pela experiência de outros anos são as temporadas com melhores resultados”. “Esperamos subir em vendas e em número de esquiadores”, adianta.

Destinos
Espanha, e as suas diversas estâncias espalhadas um pouco por todo o país, é um dos destinos internacionais mais requisitados pelos turistas portugueses para as suas férias na neve. Natalia Briales, directora da Delegação Oficial do Turismo Espanhol em Portugal, refere que o “feedback que temos das estâncias quanto ao mercado português é muito positivo”. “O número de turistas aumentou e a fidelização no destino mantêm-se, o que são sempre boas notícias”. As estâncias espanholas, sendo a mais conhecida a da Serra Nevada, têm oferta para “todos os gostos, para todos os preços e tendo em conta as distâncias para quem tenha mais ou menos tempo disponível”.
Para a temporada 2017/2018, cuja neve tarda em chegar, as expectativas do Turismo Espanhol para o mercado português nas suas estâncias são altas. “Quanto a Espanha como destino turístico temos em breve os feriados de Dezembro e as férias de Natal, pelo que contamos e esperamos ter muitas visitas de portugueses tanto nas localidades fronteiriças como nas cidades com voos directos (12 cidades neste momento) resultado de várias acções de promoção que temos vindo a desenvolver com as companhias aéreas”, indica. Também França e as suas estâncias são recorrentemente frequentadas pelos portugueses. Segundo a Atout France, os Alpes franceses “oferecem a melhor variedade de resorts de qualquer país do mundo”. A entidade explica que os destinos franceses variam a partir da altitude e do propósito construído como Val Thorens, com áreas de esqui massivas e variadas, para aldeias agrícolas menos conhecidas com tradições francesas e encostas repletas de árvores como Les Carroz. Além disso, a 2.300m, Val Thorens é a estância de esqui mais alta da Europa, que garante excelente neve durante a longa temporada de Inverno (de Novembro a Maio)”. Além disso, existem muitos aeroportos perto dos Alpes, bem conectados com Portugal: Lyon (2h25 de Lisboa), Genebra, Chambéry, Annecy. Os portugueses podem também viajar de carro para os Pirenéus, porque “não é uma distância muito longa de Portugal”. “Em relação aos Pirenéus, onde estão localizadas 33 estâncias de esqui, as montanhas oferecem uma notável diversidade de paisagens e actividades”, completa a Atout France.

Oferta
Anualmente, a oferta nos destinos renova-se. Em Espanha, a expectativa é de que esta temporada que se inicia seja “uma das mais positivas dos últimos 10 anos, esperando alcançar 5,5 milhões de visitantes”, salienta Natalia Briales. A responsável sublinha que “o investimento total nas estâncias foi de quase 20 milhões que se podem traduzir em novidades nos serviços que englobam todo este produto”.
No que diz respeito a França, o país tem sete das 10 principais áreas de esqui interconectadas a nível mundial. A Atout France destaca várias mais-valias do destino, concretamente o facto de os teleféricos de França serem “os mais sofisticados do mundo, com mais de 300 milhões de euros / ano gastos em novas infra-estruturas”; mas também a proporção do preço da passagem de esqui; muitas das estações de esqui de França estão localizadas em alta altitude, o que significa que “a qualidade da neve é melhor, mais longa”. Os instrutores de esqui em França são “os mais qualificados do mundo”, diz a Atout France que também acrescenta que o país tem “a maior variedade de resorts, desde resorts de esqui de alta altitude até vilarejos tradicionais no meio das montanhas”. Há muito mais a fazer nos Alpes ou nos Pirenéus do que apenas esqui e snowboard, alerta a Atout France. A entidade dá também alguns exemplos: ice driving, ‘buggies’, ‘snowshoeing’ (raquetes de neve), big air bag, cinema, centro aquático, passeios de trenós, pistas de gelo, parapente, voos de helicóptero, escalas ‘indoor’, bowling, spas de luxo, entre outras actividades. Quanto à oferta dos operadores turísticos e agências de viagens especializadas no produto neve existem várias novidades.
No Ski Clube, a oferta é “extremamente variada”, sendo que representam sete países: Portugal (Serra da Estrela); Espanha com oito estâncias – Boi Taul; San Isidro ; Baqueira Beret; Cerler; Formigal; Serra Nevada; La Covatilla e Manzaneda; Andorra – Grand Vallira (Pas Casa; Grau Roig/ Soldeu/ Tarter/ Canillo/ Encamp), Valnord (La Massana; Ordino; Pal – Arinsal) e a cidade de Andorra; Itália com cinco estâncias – Cervinia, Cortina, Madonna, Sestriere e Val Gardena;e a Suíça com St. Moritz, Zermatt e Verbier. “A selecção de hotéis é muito distinta contemplando desde hotéis, chalés, apartamentos dependendo daquilo que se pretende tendo em conta se tratam de umas férias familiares, de amigos, grupos, individuais”, indica Nuno Roxo. Na Solférias, Andorra e as estâncias de esqui espanholas são “as que mais vendas envolvem”, assim sendo “estamos preparados para poder oferecer, através de receptivos locais que reforçamos este Verão, também as estâncias de Boi-Taüll e La Molina, que são menos conhecidas dos portugueses, mas muito válidas para o nível de esqui que se pratica em Portugal e os requisitos tradicionais deste tipo de férias no nosso país”. A par disto, o operador turístico lançou também este ano, em algumas semanas, “estadias em Andorra com voo desde Lisboa/Porto, por forma a chegar a um tipo de cliente que prefere ter a comodidade de fazer a viagem para os Pirenéus em apenas 3/4 horas, em vez de ir de carro e possivelmente ter de pernoitar no caminho”.
Na Leski, a proposta passa por estâncias e pacotes nos principais destinos de Neve, desde Espanha, Andorra, França, Suíça, Áustria, Itália, Estados Unidos e Canadá. “Os destinos mais importantes para os nossos clientes em Portugal são, por ordem de importância, as estâncias de Andorra – Grandvalira e Vallnord -, Baqueira e Serra Nevada. A Leski tem como propósito propor “estâncias mais flexíveis que se adaptem às necessidades de qualquer cliente” e dar a conhecer ao mercado português “novos destinos e datas alternativas, já que grande parte da procura concentra-se em dois ou três destinos durante os mesmos períodos”.

Acções junto do mercado
Promover os destinos de neve e o próprio produto de neve junto do mercado português, desde o agente de viagens ao próprio consumidor, é meio caminho para conseguir atrair mais turistas. Para tal, tanto as entidades turísticas como os operadores turísticos organizam várias acções promocionais para colocar a neve no ‘top of mind’ do consumidor e para formar cada vez mais agentes especializados neste produto.
O Turismo Espanhol em Portugal apoia “os operadores turísticos de neve que mais vendem o destino Espanha”. Recentemente, a entidade turística apoiou uma iniciativa ao promover a vinda de especialistas do sector para uma formação para os agentes de viagens de como vender melhor este produto. “No mesmo fim-de-semana estivemos presentes num evento organizado por um operador, onde público e profissionais podiam experimentar a prática do ski ou snowboard. Trata-se de uma acção com muito sucesso junto do público que incentiva à prática deste desporto ao mesmo tempo que informa sobre preços e estâncias”, descreve. No entanto, até ao final do ano, o Turismo Espanhol tem previsto organizar uma famtrip à Serra Nevada, onde “alguns agentes poderão pôr em prática os seus conhecimentos de neve e ainda conhecer a oferta existente nesta importante estação de esqui”, acrescenta a responsável espanhola.
Já Nuno Roxo indica que o Ski Clube pretende “estar ao lado do agente de viagens, tornar-se um verdadeiro conselheiro”. Para tal, os agentes de viagens têm a garantia que o Ski Clube trata de “todos os serviços que passam desde o aconselhamento da estância, recomendação do alojamento, meios mecânicos, aluguer de material, em suma, todos os serviços que fazem parte de umas férias na neve”. Para tal, sublinha, é “importante conseguirmos formar uma equipa. Estaremos sempre presentes em todas as acções fomentadas pelos Turismos e abertos a novas propostas e desafios”.
Na Solférias, João Cruz indica que está a ser ampliada a oferta no online, “de forma a que tenham confirmação imediata e que permitam escolher diferentes dias de entrada/saída, flexibilizando ao máximo os pacotes nos destinos e datas que tal seja permitido”. Segundo o responsável, “cada vez mais assistimos ao destino a adaptar-se ao cliente e não a rigidez que acontecia há alguns anos. E temos completa noção que logo a seguir ao preço, a disponibilidade imediata é o factor mais importante”. Também a formação dos agentes vai estar presente na estratégia da Solférias, pois “temos completa noção que é um produto que envolve certos conhecimentos para se poder vender bem”.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *