Ryanair contra greve de controladores aéreos em França

Por a 12 de Setembro de 2017 as 10:17

A Ryanair veio apelar ao Presidente da República de França, Emmanuel Macron, e à Comissão Europeia para que tomem medidas no sentido de evitar a greve dos controladores aéreos franceses, que decorre esta terça-feira, 12 de Setembro.

Em nota à imprensa, a companhia explica que foi obrigada a cancelar 110 voos nesta terça-feira, existindo a possibilidade de vir a ter que fazer “cancelamentos adicionais” e de que ocorram atrasos se a greve não for levantada.

Para evitar mais prejuízos em resultados das sucessivas greves, a Ryanair defende que a Comissão Europeia ponha em prática três medidas, que, segundo a companhia, “aliviariam o impacto das frequentes greves”.

A Ryanair defende, desde logo, que os sindicatos devem recorrer “à arbitragem por oposição à greve para solucionar as suas petições”, propondo também que outros controladores aéreos europeus possam operar os voos que sobrevoam a França durante o período de greve.

Por último, a Ryanair quer também que os voos que sobrevoam a França estejam protegidos durante as greves dos controladores aéreos, nomeadamente mediante a aplicação de serviços mínimos obrigatórios.

“Se o Governo Francês leva a sério a sua missão de mudar a França, deveriam começar por tomar ação sobre estes sindicatos de CTA e, juntamente com a Comissão Europeia, levar a cabo medidas imediatas para prevenir que milhares de consumidores Europeus vejam os seus planos de viagem afetados devido à greve de um pequeno grupo de sindicatos”, refere Kenny Jacobs, citado em comunicado.

A Ryanair está a apelar aos seus clientes, com voos esta terça-feira, que verifiquem previamente o estado do seu voo através do website Ryanair.com, desafiando também os passageiros a juntarem-se à petição online A4E Keep Europe’s Skies Open (Mantenham os céus Europeus abertos) – http://www.keepeuropesskiesopen.com/ – “para ajudar a defender a Europa de repetidas perturbações provocadas pelos sindicatos dos CTA [controladores aéreos]”.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *