Pousada do Convento do Desagravo encerra

Por a 21 de Julho de 2017 as 16:46

A pousada do Convento do Desagravo, em Vila Pouca da Beira, Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra, encerra esta sexta-feira, dia 21, mas a autarquia local diz que há boas possibilidades de poder reabrir, a prazo, com outro concessionário.

Em declarações à agência Lusa, José Carlos Alexandrino, presidente da autarquia de Oliveira do Hospital, reiterou que o contrato de exploração da Pousada do Desagravo, assinado entre as Pousadas de Portugal (Grupo Pestana) e a Fundação Bissaya Barreto (FBB) não foi renovado.

“Falei com a presidente da Fundação Bissaya Barreto, que me disse que não estão interessados na exploração e não colocam a hipótese de a renovar”, disse José Carlos Alexandrino, assumindo que a unidade hoteleira, localizada a cerca de 10 km da sede de concelho, irá encerrar.

Segundo o autarca, na base do encerramento da pousada está a “falta de rentabilidade” económica, onde se inserem questões relacionadas com o preço das rendas pagas pelo concessionário, montante que o autarca disse desconhecer.

Um comentário

  1. Zé de Eiras

    27 de Julho de 2017 at 21:29

    continua…

    in DN.pt

    A presidente da Fundação Bissaya Barreto recebe 11 mil euros de salário. Em 2011, a fundação de Coimbra recebeu 4,3 milhões de apoios públicos.

    “A presidente da Fundação Bissaya Barreto – IPSS de Coimbra que em 2011 recebeu 4,3 milhões de subvenções públicas – aufere 11 400 euros brutos de salário mensal, cerca do dobro do ordenado do primeiro-ministro e dos gestores das grandes empresas públicas”, escreve o diário i na edição de hoje.

    O jornal indica que a “fundação é a quinta maior beneficiária de fundos do Estado” e Patrícia Nascimento “tornou-se presidente do conselho de administração em junho de 2007”, e “não tem qualquer ligação a Bissaya Barreto, o médico e professor universitário que deu nome à fundação, em 1958, nem a qualquer dos sete cidadãos fundadadores.”

    O i escreve que, antes de morrer, Bissaya Barreto, designou uma pessoa que não era seu familiar para dirigir a fundação, o arquiteto Luís Viegas Nascimento, mas a partir daí “a fundação que gere o Portugal dos Pequenitos não saiu das mãos da mesma família. A atual líder da Bissaya Barreto herdou o cargo do marido, que, por sua vez, sucedeu ao pai”, o arquiteto Viegas Nascimento.

    O jornal revela ainda que a atual presidente quis aprovar cargos vitalícios e que dois administradores que se manifestaram contra, foram afastados.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *