Crescimento para São Tomé e Príncipe tem sido “evidente”

Por a 13 de Julho de 2017 as 21:23

Até ao final deste ano, o Grupo HBD Príncipe  passa a oferecer quatro unidades hoteleiras. Ao Omali, em São Tomé, e ao Bom Bom Resort no Príncipe, juntam-se o recém aberto Roça Sundy de quatro estrelas e, posteriormente, o Praia Sundy, ambos na ilha do Príncipe.
Num encontro com o trade para assinalar a abertura do Roça Sundy, Paulo Andrade, sales & marketing supervisor da HBD Príncipe, falou com o Publituris e indicou que “no final deste ano vamos lançar o primeiro cinco estrelas do Príncipe, o Praia Sundy que completa o leque de quatro investimentos do grupo HBD no destino.  Este projecto vai ter 15 tendas de luxo junto à praia”.
As quatro unidades são, segundo o responsável, “hotéis que se complementam de forma a permitir ao cliente possa ter a melhor experiência na ilha do Príncipe”.
O responsável destacou que o crescimento do mercado português para o destino tem sido “evidente”. O mercado português, que já representa 60% da ocupação na generalidade da oferta hoteleira do país, é também o primeiro mercado para as unidades do grupo HBD.  O próprio perfil do cliente português tem sofrido alterações, repara que antigamente “havia uma selecção natural de quem visitava o destino, hoje em dia, a nova aeronave com 35 lugares  permite uma maior diferenciação de tarifário e uma diminuição dos preços de acesso à ilha do Príncipe tem trazido novos clientes à ilha do Príncipe e aumentado também a estada média”.
Entre as actividades que o turista português pode encontrar no destino, Paulo Andrade destaca as caminhadas na floresta tropical, a observação de pássaros, dar mergulhos nas cascatas, observar o dia-a-dia da população, desde o processo de secagem do cacau, à plantação da baunilha do café. Na praia,  o paddel, mergulho e snorkling são algumas das actividades possíveis.

A HBD tem, segundo o responsável, mais do que a componente hoteleira, tem a “responsabilidade social na ilha do Príncipe”, tendo vindo a desenvolver vários projectos. Entre eles estão: reabilitação de roças; relançamento da agricultura; estradas; infra-estruturas básicas, como água potável, internet nas escolas; recuperação do aeroporto da ilha.
Quanto a novos projectos, Paulo Andrade indica que para já “são estes os quatro projectos”, admitindo existir ideias pensadas mas que é preciso “haver alguma dinamização” no país, desde mais companhias aéreas a operarem para o país, por exemplo.

3 comentários

  1. Antonia

    15 de Julho de 2017 at 19:00

    Mais por favor respeten la naturaleza e o turismo sostenible
    Que no pase como en mi isla.
    Saludos e felicidades por ese paraiso

  2. serodia,[email protected] .com

    15 de Julho de 2017 at 17:31

    Se nao estou em erro isto pertencia ao meu avo Elias <<lopes Rodrigues é lamentar o gonverno dar roças aos outros sabendo que existe herdeiros

    o gonverno tem que ver os bens do senhor Elias LOpes Rodrigues somos herdeiros santomenses e temos os nossos direitos

  3. Raul Brandao

    14 de Julho de 2017 at 16:58

    Os meus PARABENS, P R I N C I P E.
    A todos que o esforço é latente no desenvolvimento desta ilha, a minhas maiores felicitações.
    Alerto para os custos de estadia nao sejam de certa forma inviaveis em competição com outros paraisos que nos dias de hoje são mundialmente conhecidos e muito competitivos.
    Apesar de ser uma verdade da procura por STP estar em crescente, tambem não deixa de ser verdade que tem custos elevados,não só no transporte aereo,com na hotelaria,notando-se bem a frafil e a pouca qualidade generalizada de,serviços e a sua eneficiencia.
    Raul Brandão
    (S.Tomense)

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *