Assine já
Fórum

Turismo 3.0: novo impacto da tecnologia e a necessidade de uma estratégia de SI

Leia a opinião de Rui Ribeiro, Docente no Mestrado em Turismo, da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Publituris
Fórum

Turismo 3.0: novo impacto da tecnologia e a necessidade de uma estratégia de SI

Leia a opinião de Rui Ribeiro, Docente no Mestrado em Turismo, da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados

36_RR-fotoA massificação da Internet no final dos anos 90, do século passado, transformou toda a cadeia de valor da indústria do turismo, tendo criado impactos muito fortes na criação e falência de diversas empresas e de submercados. A diferença de base nesse momento na indústria foi no acesso à informação pelos utilizadores/clientes (Web 1.0), eliminando um conjunto vasto de distribuidores intermédios que passaram a trazer pouco valor acrescentado, uma vez que a sua fonte principal de valor, que era a informação, passou a estar acessível aos clientes finais.

O aparecimento de empresas como a Expedia.com, que revolucionou o modelo de agências de viagens online, o Booking.com, que alterou o modelo de reservas de hotéis, ou o TripAdvisor.com, que criou o modelo de relacionamento direto social entre clientes e fornecedores (Web 2.0), são apenas 3 exemplos de empresas que nasceram exclusivamente no mercado digital e com modelos de negócio disruptivos num mercado tradicional brick & mortar, muitas vezes apático e/ou lento de agilidade na mudança dos processos. A velocidade e agilidade destas novas empresas na sua implantação num mercado, que deixou de ser local para ser mundial, foi tal que atualmente há uma realidade de 6 em cada 10 utilizadores/clientes estarem atualmente a realizar reservas online.

Estes novos modelos de negócio determinaram um acesso facilitado à informação e à produção de informação/conteúdos pelos utilizadores/clientes de turismo, obrigando a que os próprios fornecedores do produto ou serviço de turismo alterem o seu próprio modelo de gestão da tecnologia e da informação, que já não é apenas interna ao seu espaço físico, mas difundida num espaço global digital. Isto é, estamos a entrar numa nova fase da vida tecnológica da Internet, o Web3.0, o que implica que já não basta ter uma ligação direta com o Booking.com, com o OpenTable ou com o português BestTables para gerir as suas reservas, ou estar atento ao TripAdvisor.com para analisar o impacto do serviço prestado aos clientes. Estas são atuações, embora muito comuns na atualidade, demonstrativas de uma atitude ainda reativa perante o mercado.

O desafio passa agora por acompanhar uma nova etapa disruptiva 3.0, influenciando e interagindo em tempo real com o mercado dos clientes. Desafios de geomarketing/marketing contextual, que permitem identificar os clientes geograficamente e direcionar os produtos aos seus perfis e ao contexto em que os clientes se encontram, ou de social media, que permitem automaticamente identificar e cruzar informações de redes sociais, como o Facebook, e influenciar a utilização de produtos ou serviços, são formas cada vez mais proactivas de potenciar os produtos de turismo. Se um hotel perceber que o seu cliente está a questionar no Facebook sobre determinado local para férias ou estadias em geral, que está a navegar no Booking.com ou no Tripadvisor.com sobre hotéis naquela zona, e naquele momento conseguir direcionar uma campanha específica àquele cliente potencial, terá certamente uma maior probabilidade de sucesso de angariação do cliente.

Imagine o que não seria se o Hotel via email, via messenger de Facebook/WhatsApp, via SMS, e em tempo real direcionasse uma campanha a dizer "Sr. José sabemos que está interessado em passar umas férias na zona X. Temos uma oferta orientada a si, pois temos a oferta para a sua família de 3 filhos. Se reservar desde já, tem acesso a uma oferta de desconto de 20% sobre a tarifa web disponível!". Imagine agora que o restaurante grego da zona do hotel sabe que houve essa reserva e que esse cliente no TripAdvisor.com realizou um comentário num outro restaurante grego noutras férias? Estes são alguns dos exemplos possíveis do modelo de posicionamento e de competitividade que os prestadores de serviço devem posicionar-se de futuro. Um posicionamento orientado ao cliente, numa lógica de marketing comercial orientado exclusivamente a uma relação e experiência contextual, nunca ultrapassando as regras impostas pelos próprios clientes.

Um novo mundo de gestão da informação e da tecnologia está a tomar forma, pelo que quem mais cedo se posicionar e testar estes modelos, mais probabilidades de sucesso terá no futuro. Estas são formas de ter mais informação dos seus clientes, potenciando esta informação em potencial negócio e em potenciais experiências aos seus clientes.

Existem várias atividades para alcançar estes modelos de gestão, sendo que recomendo que um primeiro passo seja o da definição clara de um Plano Estratégico de Negócio e de Sistemas Informação. Este será o documento orientador das fases de maturidade necessárias de implementar para um alinhamento dos posicionamentos tecnológicos com os comerciais, operacionais ou logísticos da empresa. A agilidade e a adaptação a novos hábitos de consumo e interação com o mundo, por parte dos clientes, são essenciais para garantir uma plena entrada numa nova era, a do Turismo 3.0.

E preparem-se porque o 4.0 está quase à porta… 2020 está quase aí, e a interação com as assistentes pessoais Siri (Apple) ou Cortana (Microsoft), ou outras formas de linguagem natural ou com modelos de realidade virtual virão e o negócio não irá parar. O mundo evolui, a velocidade é cada vez maior, empresas aparecem e desaparecem. Decida onde quer estar com a sua!

* O autor escreve segundo as regras do novo Acordo Ortográfico

* Autor: Rui Ribeiro, docente no Mestrado em Turismo, da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (publicado edição de 24 de Julho de 2015 do Publituris)

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

Autoridades venezuelanas justificam a decisão com a necessidade de “garantir a saúde dos cidadãos que residem na Venezuela, através de políticas que permitam mitigar os efeitos ocasionados pela pandemia”.

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país e justificam a decisão com a necessidade de "garantir a saúde dos cidadãos que residem na Venezuela, através de políticas que permitam mitigar os efeitos ocasionados pela pandemia gerada pela COVID-19".

Segundo a Lusa, a informação foi divulgada através de um comunicado do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC) venezuelano, no qual se informa "o público em geral, exploradores aéreos e agentes de viagem que continuam as restrições às operações aéreas da aviação comercial, aviação geral e privada" de e para o país.

Apenas estão autorizadas, de "forma excecional", "as operações aéreas comerciais para o transporte de passageiros, carga e correio" entre a Venezuela e a Turquia, o México, o Panamá, a República Dominicana, a Bolívia e a Rússia.

As autoridades da aviação civil venezuelanas não precisam, no entanto, por quanto tempo vão estas restrições ser mantidas, esperando-se, no entanto, que venham a vigorar por mais de 30 dias, o tempo normal para restrições às operações aéreas.

Recorde-se que as restrições às operações aéreas na Venezuela começaram a 12 de março de 2020, inicialmente apenas para voos provenientes da Europa e da Colômbia, tendo, depois, sido estendida também a nível global, com o propósito de travar a pandemia da COVID-19 no país.

Desde março de 2020 que a Venezuela está em confinamento preventivo e atualmente tem um sistema de sete dias de flexibilização, seguidos de sete dias de confinamento rigoroso. Internamente, a Venezuela permite a realização de voos comerciais durante os dias de quarentena flexibilizada.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Cuba elimina quarentena obrigatória a 7 de novembro

Eliminação da quarentena é uma das medidas que antecedem a reabertura de Cuba ao turismo, prevista para 15 de novembro.

Os viajantes internacionais que cheguem a Cuba deixam de ter de realizar a quarentena obrigatória a partir de 7 de novembro, informou o ministro do Turismo, Juan Carlos García, que anunciou o fim da quarentena como uma das medidas que antecipam a reabertura total do turismo no país, prevista para 15 de novembro.

De acordo com o jornal espanhol Hosteltur, tal como o fim da quarentena, também a apresentação de um teste PCR negativo para a COVID-19 deixa de ser exigida a 7 de novembro, passando a ser apenas necessário apresentar prova de vacinação, sendo aceite a imunização com qualquer uma das vacinas atualmente existentes contra a COVID-19.

Já os menores de 12 anos não precisam apresentar teste negativo nem prova de vacinação, mas as autoridades cubanas vão, no entanto, manter a vigilância epidemiológica, assim como o uso obrigatório de máscara.

No caso dos cubanos residentes, que estejam de regresso ao país, passa a existir a obrigação de se apresentarem num centro de saúde no prazo de 48 horas depois do regresso a Cuba, devendo ainda realizar um teste antígeno no sétimo dia depois da chegada ao país.

De acordo com Juan Carlos García, a reabertura "controlada" do turismo em Cuba só é possível devido à vacinação massiva dos cubanos, que, em novembro, deve chegar a 90% da população residente nesta ilha das Caraíbas.

O Hosteltur recorda que, desde abril de 2020, que Cuba suspendeu os voos comerciais e charter com o objetivo de travar a disseminação da COVID-19, e apenas reabriu os aeroportos em outubro do ano passado, ainda que com uma redução de voos provenientes dos EUA, México, Panamá, Bahamas, Haiti, República Dominicana e Colômbia.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Navios cruzeiros voltam a Cabo Verde

19 meses depois, o porto do Mindelo, em Cabo Verde, voltou a receber um navio cruzeiro. Até ao final do ano estão previstas cerca de 68 escalas, diz a Enapor.

Os navios cruzeiros voltaram a Cabo Verde, com a chegada do "MS Europa 2", de 225 metros de comprimento, ao Porto Grande, o primeiro do género nos últimos 19 meses.

Trata-se de uma reabertura, desta feita para os navios de cruzeiro, além dos restantes segmentos turísticos, após a pandemia, mas também para os turistas que por mais de um ano adiaram a viagem.

Pela primeira vez no arquipélago e na estreia numa viagem de navio cruzeiro, os turistas dizem-se seguros face à situação da COVID-19, tendo em conta as precauções que têm tomado e à situação no país.

Para a Enapor, empresa estatal cabo-verdiana que gere os portos do país, a passada terça-feira, dia 19 de outubro, marca “um novo capítulo” no setor do turismo de cruzeiros em Cabo Verde, após cerca de 19 meses de paralisação total”, cita a agência Lusa.

De acordo com a empresa, com o levantamento das restrições anteriores, impostas para conter a transmissão da pandemia da COVID-19, os portos de Cabo Verde voltam a receber navios de cruzeiro com passageiros, “estando previstas cerca de 68 escalas até ao final do ano”.

Cerca de 48.500 turistas em viagens em 149 navios de cruzeiro visitaram Cabo Verde em 2019, o melhor registo de sempre e um aumento de 3% face ao ano de 2018, segundo dados avançados pela Enapor.

Devido à COVID-19, o turismo de navios de cruzeiro ficou paralisado desde o início da pandemia no arquipélago, em março de 2020, mas alguns países já retomaram, de forma gradual, a atividade.

“Pretende-se uma retoma progressiva e sustentada dos cruzeiros e neste sentido os Portos de Cabo Verde, em concertação com as entidades de saúde e demais parceiros, encontram-se preparados para a receção desses navios, estando definido os protocolos necessários ao cumprimento de todas as normas de higiene e segurança impostas pela situação epidemiológica atual”, destaca a Enapor, sobre a chegada do primeiro destes navios ao Mindelo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

2022 vai ter Carnaval em Estarreja

Com o esperado regresso à normalidade, Estarreja terá Carnaval em 2022.

Câmara Municipal de Estarreja, Associação de Carnaval de Estarreja (ACE) e os 11 grupos desfilantes (7 grupos de folia e 4 escolas de samba) consideram estar reunidas as condições para o regresso do Carnaval de Estarreja no próximo ano.

Após um interregno em 2021, e tendo em conta a taxa nacional de vacinação e os indicadores atuais da pandemia de COVID-19, as partes envolvidas no evento consideram que “haverá condições para a realização dos grandes corsos carnavalescos e do desfile noturno das escolas de samba em 2022, mantendo-se o cariz competitivo dos desfiles”

A vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Estarreja, Isabel Simões Pinto, refere, em comunicado, que, “depois desta decisão unânime de voltarmos a ter os grandes corsos e o desfile noturno das escolas de samba, estamos empenhados na organização de um Carnaval de qualidade, que garanta não só um bom espetáculo, mas também as condições de segurança e de bem-estar para toda a comunidade, seja para desfilantes, seja para o público, onde manteremos todas as preocupações de um bom acolhimento”. A vereadora salienta ainda que “voltar a ter Carnaval de Estarreja é o sinal de retoma que todos precisamos”.

O presidente da ACE, Pedro Silva, sublinha que “um novo interregno poderia pôr em causa a existência de algumas associações, que mobilizam centenas de pessoas de todas as idades, e que têm um papel reconhecido no plano social. Depois da decisão tomada, o nosso principal papel é ajudar os grupos a fazerem um desfile com qualidade, apesar de todas as adversidades causadas pela pandemia.”

O evento será sempre sujeito a protocolos de segurança e a planos de contingência, a definir em articulação com as orientações das autoridades de saúde e com a evolução da pandemia.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Retoma do turismo para níveis pré-pandemia, só em 2023, diz SET

Rita Marques, secretária de Estado do Turismo, admitiu que 2023 será um ano “muito importante”, acreditando que seja o ano em que se dará a recuperação do setor para níveis pré-pandemia.

A secretária de Estado do Turismo de Portugal, Rita Marques, afirmou, em Madrid, que o Governo espera que o setor aos valores que faturou em 2019, antes da pandemia da COVID-19, somente no ano 2023.

“Em minha opinião, 2023 será um ano muito importante, pois acredito que seja o ano em que recuperaremos integralmente da quebra de procura causada por esta pandemia”, disse Rita Marques numa mesa redonda em que participou com o seu homólogo espanhol, Fernando Valdés, para debater a colaboração transfronteiriça em termos de políticas de turismo.

Os dois governantes defenderam que os países ibéricos devem trabalhar em conjunto na atração dos turistas estrangeiros.

“Estamos numa posição privilegiada para mostrar que o mercado turístico ibérico pode ser trabalhado em conjunto”, afirmou Rita Marques, acrescentando que esse trabalho coordenado entre os dois países já era feito antes da pandemia.

A secretária de Estado portuguesa recordou que em 2017 foi definida "uma nova agenda” para o turismo nacional e que depois da pandemia essa estratégia “continua atual”.

O Governo português definiu há quatro anos que era necessário lutar contra a sazonalidade do setor, apostar no turismo em todo o território e diversificar o produto turístico, acrescentando-lhe valor.

Rita Marques considerou que a gastronomia ou os vinhos são ofertas “importantes que distinguem” o país, mas que também é necessário apostar em "novos eventos”, tendo dado exemplos os subsetores de eventos corporativos, desportivos e termais, cuja procura aumentou depois da pandemia.

“Temos vantagem em fazer propostas em conjunto com Espanha. Por exemplo, eventos que se realizam um ano num país e em seguida no outro”, afirmou a governante portuguesa.

Rita Marques afirmou que Portugal e Espanha têm “muitas coisas em comum e também complementares”, tendo acrescentado que um turista pode chegar por Lisboa e sair por Madrid, depois de visitar os dois países.

“Temos que saber aproveitar as sinergias que se podem gerar entre os nossos países para o fluxo de turistas na Península Ibérica”, disse.

A secretária de Estado incentivou a presidência espanhola do Conselho da União Europeia em 2023 a continuar o trabalho da presidência portuguesa do primeiro semestre do corrente ano.

Na presidência portuguesa foram dados passos para preparar uma “Agenda Europeia para o Turismo 2030/2050”, recordou Rita Marques, que agora espera que a estratégia esteja pronta a tempo de a Espanha, em 2023, a possa executar “com o apoio das instituições europeias e dos Estados-membros”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Roadshow ‘Os Especialistas’ regressa entre 21 e 25 de fevereiro

Organização do evento não adianta, por enquanto, mais informações sobre a próxima edição do roadshow, que vai decorrer entre 21 e 25 de fevereiro, em várias cidades nacionais.

Publituris

As empresas que integram 'Os Especialistas' vão voltar à estrada no início do próximo ano e anunciaram que o roadshow vai estar de volta entre 21 e 25 de fevereiro, passando por "várias cidades nacionais", segundo comunicado enviado à imprensa esta terça-feira, 19 de outubro, pela organização do evento.

"Porque a retoma da atividade e dos negócios está aí, estamos a organizar um regresso cheio de novidades que permitirá a partilha de informação essencial ao negócio e oportunidades ímpares para fazer o networking entre os agentes de viagens, operadores turísticos, companhias aéreas e outros parceiros essenciais", refere a organização do roadshow, na informação divulgada.

Por enquanto, ainda não são conhecidos mais pormenores sobre a próxima edição d'Os Especialistas, com a organização a adiantar apenas que já está a preparar "o programa de roadshow e eventos em várias cidades nacionais para o início de 2022".

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

El Al mantém voos entre Lisboa e Telavive também no inverno

Companhia aérea israelita retomou a operação entre Lisboa e Telavive a 5 de julho, depois da paragem ditada pela COVID-19.

Publituris

A El Al vai manter no inverno a rota entre Lisboa e Telavive, em Israel, que tinha sido retomada a 5 de julho, depois da paragem motivada pela COVID-19, informou a ATR - Atividades Turísticas e Representações, que representa a companhia aérea israelita em Portugal.

De acordo com a informação divulgada, a rota conta com voos aos domingos e quartas-feiras até 27 de outubro e, a 1 de novembro, também está previsto um voo em cada sentido. A partir de 3 de novembro e até 23 de fevereiro de 2022, passa a existir apenas voos às quartas-feiras, enquanto no período entre 27 de fevereiro e 23 de março de 2022, há voos às quartas, quintas e domingos.

A partir de 27 de março e até 2 de junho, a El Al passa a contar com voos todos os dias, com exceção das sextas-feiras e sábados. Estes voos mantêm-se até 6 de junho, data em que passam a ser realizados às segundas, terças, quartas e quintas-feiras, até 1 de setembro de 2022.

Entre 4 e 22 de setembro, a companhia aérea israelita volta a contar com voos diários entre Lisboa e Telavive, com exceção das sextas-feiras e sábados, e realiza também voos nos dias 28 e 29 de setembro, enquanto de 2 a 6 de outubro as ligações são às segundas, quintas e domingos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Groundforce assina contrato com seis novas companhias aéreas e renova com mais uma dezena

Lot Polish (Polónia), JetPak BVBA (Bélgica), Tarom (Roménia), Air Seven (Dinamarca), Swiss (Suíça), e Ukraine International passam a fazer parte da carteira de clientes da Groundforce Portugal.

Victor Jorge

A Groundforce Portugal assinou novos contratos de assistência em escala (serviços prestados em terra a aeronaves, passageiros e carga) com seis novas companhias aéreas, tendo renovado contrato com mais 10 operadores.

A carteira de clientes da Groundforce aumenta, assim, com a chegada da Lot Polish (Polónia), JetPak BVBA (Bélgica), Tarom (Roménia), Air Seven (Dinamarca), Swiss (Suíça), e Ukraine International, tendo as últimas duas passado a voar também para o Funchal.

Para além destes novos contratos, o companhia de handling nacional renovou ainda os contratos que já detinha com as companhias SATA (nas vertentes International, International Carga e Ticketing), Azul Airlines, Binter Canarias, Privilege Style, Enter Air, Air Moldova, Grupo TUI, Delta Airlines, Air Moldova e Ural Airlines, continuando como parceiro destes clientes nos aeroportos nacionais.

Arafat Tayob, diretor Comercial da Groundforce Portugal, destaca o grau de exigência de todas estas companhias no que diz respeito a vários parâmetros, destacando a “segurança, qualidade do serviço e valor”, esperando estar, “em breve”, em níveis anteriores à pandemia.

De referir que as perspetivas de retoma do mercado denotam, segundo avança a Groundforce, em comunicado, “uma recuperação a ritmo acelerado em todos os aeroportos nacionais onde a companhia está presente”, adiantando mesmo que nos meses do verão de 2021, “o tráfego assistido atingiu 56,1% do número de movimentos de 2019, representando um crescimento de 200% face a 2020”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Reabertura de fronteiras nos EUA é “tremendo impulso” para viagens de inverno da MSC Cruzeiros nas Caraíbas

Companhia de cruzeiros conta, este inverno, com três navios em operação nas Caraíbas e cujas saídas acontecem de portos norte-americanos na Flórida.

Publituris

A MSC Cruzeiros veio esta terça-feira, 19 de outubro, aplaudir a decisão dos EUA de reabrirem fronteiras para turistas internacionais já vacinados contra a COVID-19 a 8 de novembro, considerando que esta notícia é "um tremendo impulso" para os cruzeiros da companhia nas Caraíbas neste inverno.

"A terceira maior marca de cruzeiros do mundo descreveu a notícia como "um tremendo impulso" para os turistas europeus e outros turistas internacionais que desejam passar as férias no sol de Inverno das Caraíbas durante a temporada de Inverno de 2021/22", refere a MSC Cruzeiros, que conta com três navios colocados nas Caraíbas durante o próximo inverno.

MSC Seashore, MSC Meraviglia e MSC Divina são os navios da companhia de cruzeiros que estão colocados nas Caraíbas e que contam com partidas da Florida, e que, a partir de 8 de novembro, vão poder voltar a receber turistas não americanos.

“Aguardámos ansiosamente a data do governo dos EUA para reabrir o país para viajantes totalmente vacinados de muitas partes do mundo que adoram fazer cruzeiros. As Caraíbas são um destino popular para os nossos hóspedes de toda a Europa e outras regiões do mundo, especialmente durante o Inverno, e muitos deles poderão agora voar para Miami e Orlando para embarcar nos nossos três navios que oferecem uma variedade de itinerários diferentes nas Caraíbas, incluindo a Jamaica, a Costa Rica, o México e a nossa ilha privada exclusiva nas Bahamas, a Ocean Cay MSC Marine Reserve", destaca Gianni Onorato, CEO da MSC Cruzeiros.

De acordo com a companhia, tanto o MSC Seashore como o MSC Divina vão ficar colocados em Miami, com o primeiro navio a chegar a este porto americano no dia 20 de novembro. Já o MSC Meraviglia vai ficar colocado em Port Canaveral, em Orlando, a partir de 28 de novembro, sendo que todos os navios vão oferecer uma variedade de itinerários pelas Caraíbas, entre as três e as 11 noites, todos com escala na Ocean Cay MSC Marine Reserve, a ilha privada da companhia nas Bahamas.

Para estes itinerários, a MSC Cruzeiros disponibiliza também pacotes com voo incluído, que estão disponíveis à partida de várias cidades europeias.

A companhia recorda ainda que a reabertura de fronteiras nos EUA é válida para todos os cidadãos não americanos que já estejam completamente vacinados contra a COVID-19 com uma das vacinas aprovadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), incluindo Pfizer, Moderna, Johnson & Johnson e AstraZeneca.

Também para embarcarem nos navios da companhia, os passageiros maiores de 12 anos de idade devem estar completamente vacinados e há mais de 14 dias, sendo que todos os passageiros com mais de dois anos de idade devem apresentar um teste com resultado negativo para a COVID-19 antes do embarque. Além disso, é ainda necessário possuir um seguro COVID-19, que cubra os riscos relacionados com a doença, como cancelamento de férias, interrupção, despesas de repatriamento, quarentena e assistência médica, bem como hospitalização e cobertura no caso de ser um contacto próximo.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Daniel Marchante (Lusanova Brasil): “O turismo massificado vai ter dificuldade em recompor-se”

Com a necessidade de “reposicionar os nossos produtos”, Daniel Marchante, diretor da Lusanova Brasil, acredita que “2022 possa ser o ano da normalização operativa”.

Victor Jorge

Com a proximidade e atenção ao passageiro a serem “ainda mais prementes para o futuro”, o diretor da Lusanova Brasil, Daniel Marchante, admite que, no futuro, “não é mais suportável que o operador procure um fornecedor no exterior por preço e não pela qualidade dos serviços”.

Com operação em Portugal e Brasil, que preferências e experiências possuem os “novos consumidores”? A que necessidades passaram a ter de responder e com esta maior vertente tecnológica, passaram a ter de fazê-lo com mais rapidez e em diversas plataformas?
No atual momento de retoma das vendas com as condicionantes por força das precauções sanitárias ainda em vigor, tivemos de reposicionar os nossos produtos de forma a atender à procura dos passageiros que, nesta fase, procuram pacotes privados em Portugal, estadias mais longas nas cidades europeia já abertas ao mercado brasileiro, circuitos em mini-van e estadias em resorts de baixa intensidade e mais exclusivos.

A nossa plataforma informática está preparada para a venda online dos principais produtos, a informação ao passageiro obriga a detalhes, como: seguros de viagem mais abrangentes, regras existentes em cada país e normas de segurança sanitária. A proximidade e atenção ao passageiro são ainda mais prementes para o futuro.

Que mudanças espera no e para o turismo de forma geral e quais são, efetivamente, os maiores ensinamentos que retira desta crise para o futuro da sua atividade e negócio?
Os passageiros estão ávidos de poder percorrer o mundo nos patamares de 2019. À medida que as fronteiras e condições de operação se vão abrindo, iremos lançar a nossa operação, prevendo que 2022 possa ser o ano da normalização operativa. Esta crise a nível mundial, como sempre acontece em momentos de dificuldade a nível global, obriga os operadores turísticos a entender o mercado e, neste caso, podemos ver que o turismo massificado vai ter dificuldade em recompor-se, que o passageiro vai preferir qualidade e segurança pagando o valor justo, que vai entregar a sua viagem de sonho ao operador que lhe oferece credibilidade e idoneidade, que os agentes de viagem vão selecionar o operador credível que lhe entrega o serviço nos termos contratados.

Não é mais suportável que o operador procure um fornecedor no exterior por preço e não pela qualidade dos serviços. Aprendemos que devemos centrar o passageiro na nossa preocupação ética e operacional, de forma que possamos cumprir com sucesso a nossa função empresarial.

 

*Para participar no webinar de dia 20 de outubro, basta inscrever-se aqui.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.