A excelência turística de Portugal

Por a 2 de Outubro de 2014 as 16:53

Os turistas internacionais em Portugal revelam níveis de satisfação bastante elevados e crescentes.

Os atributos que mais contribuem para a satisfação dos turistas nas diferentes regiões são: a paisagem e natureza, o ambiente relaxante, a segurança, o clima e o alojamento. Estes factores de satisfação são transversais a todas as regiões, sugerindo que a imagem de Portugal é homogénea, ainda que as especificidades de cada região sobressaiam na avaliação que os turistas fazem. Se na região do Algarve e, sem surpresas, sobressai a praia, em Lisboa são os recursos culturais e históricos os factores distintivos. Já nos Açores, a limpeza e os recursos culturais diferenciam este arquipélago, onde a autenticidade prevalece. Na Madeira, são os estabelecimentos hoteleiros existentes que distinguem este destino. As diferenças são tão ténues que a conclusão é inevitável: Portugal é um destino com uma imagem única, onde a complementaridade deve ser privilegiada num equilíbrio em que as diferenças regionais sobressaiam. Por mercados emissores os gostos dos turistas não diferem muito, sendo que grande parte dos atributos pelos quais demonstram maior apreço decorrem mais das especificidades do seu destino final do que de preferências pessoais. Assim, no Algarve sobressai mais uma vez as praias, o alojamento e a hospitalidade de um povo que sempre soube receber, a par da gastronomia que, apesar da proximidade, é muito apreciada pelos espanhóis. Já em Lisboa, a gastronomia, os recursos culturais, a hospitalidade e as visitas/excursões determinam as vantagens competitivas da capital. Nas ilhas são os recursos culturais e históricos, a paisagem e a natureza, mas também a hospitalidade e a gastronomia que mais deleitam os turistas. Em boa verdade, Portugal em geral, e as regiões em particular, são destinos que nasceram turísticos: as suas características naturais, a peculiaridade de um povo que desde a antiguidade recebeu e recebe diferentes culturas sem perder a sua autenticidade e as infraestruturas entretanto construídas atribuem-lhe uma posição de lugar turístico difícil de perder.

Fonte: Correia, A. e Pimpão, A. (2012) Initiative.pt, Relatório II Impactes e prospectivas, Universidade do Algarve, Relatório não publicado.

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *