Assine já
Emprego e Formação

th2 com Curso de Marketing e Gestão de Eventos

Entre 21 e 28 de Setembro, nas instalações da empresa.

Patricia Afonso
Emprego e Formação

th2 com Curso de Marketing e Gestão de Eventos

Entre 21 e 28 de Setembro, nas instalações da empresa.

Patricia Afonso
Sobre o autor
Patricia Afonso
Artigos relacionados
Th2 lança cursos novos
Emprego e Formação
Th2 lança três acções de formação no País
Alojamento
Th2 lança novas edições de cursos e formações em Setembro
Emprego e Formação
TP organiza Academia Formação de Formadores em Turismo
Emprego e Formação

A th2 anunciou esta terça-feira que vai realizar, nas suas instalações, um Curso de Marketing e Gestão de Eventos.

Esta formação decorrerá entre os dias 21 e 28 de Setembro, das 10h30 às 19h00, totalizando as 25 horas de carga horária.

“Tendo em conta a actual conjuntura, as empresas não têm possibilidade de contratar empresas de organização de eventos para organizar e gerir os seus eventos. Delegam essa responsabilidade ao Marketing que na maior parte das vezes não tem formação nem conhecimento da área”, afirma a empresa, continuando: “Quando analisamos também os quadros das empresas de organização de eventos, constatamos que, grande parte advêm de licenciaturas de comunicação, marketing ou relações públicas. Profissionais que procuram posteriormente formações complementares em produção e gestão de eventos.”

 

Sobre o autorPatricia Afonso

Patricia Afonso

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Princess Cruises cancela 11 cruzeiros por falta de recursos humanos

Cancelamento afeta as viagens do navio Diamond Princess, na Califórnia, EUA, entre 1 de setembro e 13 de novembro.

A Princess Cruises foi obrigada a cancelar 11 viagens de navios de cruzeiro devido à falta de recursos humanos, numa decisão que afeta as viagens do navio Diamond Princess, na Califórnia, EUA, entre 1 de setembro e 13 de novembro.

De acordo com um comunicado da companhia de cruzeiros, que em Portugal é representada pela Mundomar Cruzeiros, a crise dos recursos humanos, que se seguiu à crise provocada pela pandemia, atingiu fortemente a Princess Cruises, que se viu agora obrigada a cancelar as viagens de um dos seus navios por falta de tripulação.

A decisão foi comunicada ao mercado por comunicado, no qual a Princess Cruises admite que foi obrigada a tomar esta “difícil decisão” de cancelar 11 viagens do Diamond Princess devido a “desafios laborais”, como a companhia de cruzeiros se refere à crise dos recursos humanos.

“No ano passado, operámos centenas de cruzeiros graças às dezenas de milhares de trabalhadores que regressaram à nossa frota. No entanto, como outros na indústria de viagens, temos vivido alguns desafios”, explica a Princess Cruises.

Todos os cruzeiros cancelados do Diamond Princess tinham partida e chegada ao porto de San Diego, na Califórnia, EUA, e os clientes afetados podem agora pedir a substituição da viagem por outra no mesmo navio ou no Crown Princess, com uma oferta extra de 100 dólares para gastar durante o cruzeiro.

Os passageiros afetados podem também adiar o cruzeiro para uma data posterior, gozando igualmente da oferta de 100 dólares para usar durante a viagem, ou pedir ainda o reembolso total da viagem.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Subida dos preços das low cost vai reduzir acessibilidade das viagens internacionais, prevê GlobalData

Segundo a GlobalData, o aumento dos preços dos bilhetes nas companhias aéreas low cost já está a ameaçar a recuperação turística do Reino Unido, que estava prevista até 2024.

O aumento dos preços dos bilhetes nas companhias aéreas low cost, a exemplo da Ryanair, cujo presidente executivo, Michael O’Leary, admitiu recentemente que a época dos preços baixos na aviação terminou, vai reduzir a acessibilidade das viagens internacionais, prevê a GlobalData.

“As companhias aéreas de baixo custo, como a Ryanair, permitiram que mais e mais pessoas viajassem para o exterior. No entanto, o aumento dos preços dos bilhetes só agravará a atual crise do custo de vida, e aqueles que já estão a ter dificuldade podem ser excluídos do mercado das viagens”, afirma Benedict Bradley, analista temático da GlobalData.

De acordo com o responsável, esta crise dos preços já está a pressionar o mercado das viagens internacionais, arrastando no tempo a crise que a pandemia já tinha vindo provocar, pelo que não é de estranhar que se venha a assistir a um crescimento das viagens domésticas, enquanto as viagens internacionais vão ser pressionadas pelos cancelamentos.

A GlobalData alerta que o aumento de preços pode ser insignificante para muitos viajantes, mas ter um efeito dissuasor para muitos outros, podendo mesmo levar a que os planos de férias nos próximos anos sejam reconsiderados, a exemplo do mercado britânico, cuja recuperação estava prevista para 2024 mas em relação ao qual a GlobalData vem agora dizer que o aumento dos preços pode colocar essa perspetiva “em risco”.

“Quando questionados na pesquisa de consumidores do segundo trimestre de 2022 da GlobalData, 66% dos entrevistados do Reino Unido disseram estar extremamente ou ligeiramente preocupados com o impacto da inflação no orçamento doméstico. Viajar pode ser a primeira coisa a deixar cair para aliviar esses problemas de custo de vida”, lê-se na informação divulgada pela empresa de análise de dados.

“O aumento nas tarifas está a ser impulsionado por um aumento dramático nos custos do combustível. Desde o início de 2022, o preço do combustível de aviação aumentou 90%. A Ryanair é a primeira companhia aérea de baixo custo a declarar publicamente o fim dos voos super low-cost. No entanto, a inflação do preço do combustível não é exclusiva da Ryanair e aumentará os custos gerais em todo o setor, impactando negativamente não apenas a Ryanair, mas concorrentes como easyJet e Wizz Air. Esta não é uma boa notícia para os turistas”, conclui Keir Maclean, analista da GlobalData.

Recorde-se que o presidente executivo da Ryanair, Michael O’Leary, deu recentemente uma entrevista à BBC Radio 4, na qual admitiu que os preços da aviação vão subir, incluindo nas companhias aéreas low cost, e que o tempo dos bilhetes a 10 euros acabou, devido ao aumento dos preços provocado pela guerra na Ucrânia, principalmente do combustível da aviação.

(Leia a notícia sobre as declarações de Michael O’Leary aqui)

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Recurso a empresas externas é visto como “traição” pelos técnicos de manutenção da TAP

O Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves (SITEMA) denuncia também que o recurso a empresas externas para realização da manutenção dos aviões tem custos muitos mais elevados do que se a manutenção fosse feita na TAP.

O Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves (SITEMA) considera que o recurso a empresas externas para realização de trabalho de manutenção é “uma traição” aos técnicos de manutenção da TAP, que recentemente aceitaram a proposta da companhia aérea para regressarem ao regime de horário full time, pondo fim à greve às horas extraordinárias que estava em curso.

Num comunicado enviado à imprensa, o SITEMA, que representa 666 técnicos de manutenção de aeronaves (TMA) da TAP, diz estar preocupado com o “rumo que a TAP está a levar”, até porque a contratação de empresas externas para a realização da manutenção dos aparelhos da companhia aérea de bandeira nacional tem um custo muito superior do que se a manutenção fosse realizada pelos trabalhadores da companhia aérea.

“Os TMA veem, por isso, como uma traição o recurso a empresas externas para realizarem o trabalho de manutenção que podia estar a ser prestado dentro da companhia, poupando centenas de milhares de euros à TAP, ao Estado e aos contribuintes”, considera o sindicato, num comunicado enviado à imprensa esta sexta-feira, 12 de agosto.

Para o sindicato, além de prejudicar a imagem da TAP, esta situação leva também a companhia aérea a perder “receita importante com a recusa de trabalhos para terceiros”, assim como a perder “com o pagamento que faz às empresas onde contrata trabalho que antes realizava na TAP”.

A situação é ainda pior, acusa o SITEMA, porque a TAP “continua a deixar sair para a concorrência técnicos qualificados e a manter TMA em processo de despedimento coletivo, quando está urgentemente a precisar deles”.

“O SITEMA não compreende a razão de decisões contraditórias que só prejudicam a imagem da companhia e os seus trabalhadores, que nos últimos dois anos têm feito esforços enormes para tentarem ajudar a companhia a retomar o seu lugar de direito na aviação internacional”, acrescenta o sindicato, que se mostra, contudo, “disponível para fazer parte da solução para que a TAP continue a ser considerada uma companhia de excelência”, mas sem deixar que “o bom nome dos TMA seja posto em causa”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Osiris Travel procura colaborador para reforçar equipa de eventos e incentivos com clientes internacionais

Os candidatos à vaga para a área de eventos e incentivos com clientes internacionais devem ter entre 5 e 10 anos de experiência na gestão de projetos M.I.C.E. (Meetings & Incentives).

A Osiris Travel está à procura de um colaborador para preencher uma vaga na sua equipa de eventos e incentivos, profissional que deverá ter  entre 5 e 10 anos de experiência na gestão de projetos M.I.C.E. (Meetings & Incentives).

Numa nota enviada à imprensa, a Osiris Travel explica que os candidatos devem ter experiência na gestão de projetos M.I.C.E. (Meetings & Incentives), “desde a preparação da proposta até a sua execução no terreno”, assim como capacidade criativa e de gestão logística, enquanto a fluência em línguas estrangeiras será um elemento primordial.

Na informação divulgada, a Osiris Travel indica que, depois dos anos difíceis da pandemia, está já em recuperação e diz que “o ano de 2022 permitiu que a faturação já tenha superado os valores pré-pandemia e os recursos humanos também registaram um incremento significativo e já estão ao nível de 2019”.

A agência de viagens sublinha também que, mais importante que o recrutamento, é o “reforço da capacidade de resposta de toda a cadeia logística de apoio ao turismo”, motivo pelo qual está também a reforçar as suas equipas, com destaque para a área de eventos e incentivos com clientes internacionais.

Mais informações sobre a Osiris Travel e candidaturas através do site www.osiris.pt ou do e-mail [email protected]

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Azul retoma voos entre Belém e a Flórida a 15 de dezembro

Companhia aérea brasileira vai disponibilizar quatro ligações aéreas por semana entre a capital do estado brasileiro do Pará e Fort Lauderdale, na Flórida, EUA.

A Azul vai retomar, a 15 de dezembro, as ligações aéreas entre Belém, capital do Pará, Brasil, e Fort Lauderdale, na Flórida, EUA, disponibilizando quatro voos por semana entre os dois destinos, informou a companhia aérea brasileira em comunicado.

De acordo com a Azul, a informação sobre o regresso dos voos foi avançada durante uma conferência de imprensa de Cesar Grandolfo, responsável de Relações Institucionais da Azul, que considerou que esta operação vem contribuir para a descentralização das operações aéreas no Brasil.

“A programação de voos partindo de Belém vai ao encontro da premissa da Azul, que é descentralizar as nossas operações e fomentar o turismo nas mais diferentes regiões do país e do mundo. Estamos bastante felizes com a retomada dessa conexão partindo de uma cidade tão importante do país e agradecidos pela parceria do governo para chegarmos a esse dia”, explicou o responsável. 

Os voos entre Belém e Fort Lauderdale são diretos e não têm escalas, e vão ser operados num avião A321neo, com capacidade para transportar 174 passageiros.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Taxa turística de Cabo Verde rendeu tanto em cinco meses como em todo o ano passado

Nos primeiros cinco meses de 2022, a taxa turística de Cabo Verde rendeu 2,7 milhões de euros, valor que representa mais do dobro do apurado em todo o ano passado e que vem confirmar a recuperação do turismo no arquipélago.

Publituris

Nos primeiros cinco meses de 2022, a taxa turística de Cabo Verde rendeu 2,7 milhões de euros, valor que representa mais do dobro do apurado em todo o ano passado e que vem confirmar a recuperação do turismo no arquipélago, avança a Lusa, que cita dados oficiais.

Segundo um relatório do Ministério das Finanças de Cabo Verde sobre a execução orçamental de janeiro a maio, as receitas da contribuição turística ascenderam a 298 milhões de escudos (2,7 milhão de euros), equivalente a 62,8% do orçamentado pelo Governo para todo o ano de 2022, que é de 475 milhões de escudos (4,3 milhões de euros).

No ano passado, as receitas da taxa turística ficaram-se pelos 145 milhões de escudos (1,3 milhão de euros), valor que corresponde a cerca de metade do que foi apurado até maio deste ano.

Nos primeiros cinco meses de 2021, o valor arrecadado por Cabo Verde com a taxa turística tinha sido de 18 milhões de escudos (163 mil euros).

As receitas com a taxa paga obrigatoriamente pelos turistas em Cabo Verde caíram para metade de 2020 para 2021, renovando mínimos de 145 milhões de escudos (1,3 milhões de euros), segundo um relatório anterior do Ministério das Finanças. Já em 2019, este imposto garantiu um máximo histórico de 992 milhões de escudos (8,9 milhões de euros) em receitas.

Recorde-se que a contribuição turística foi introduzida pelo Governo cabo-verdiano em maio de 2013, passando as unidades hoteleiras e similares a serem obrigadas a cobrar 220 escudos (dois euros) por cada pernoita até dez dias, a cada turista com mais de 16 anos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Qatar Airways põe autocarro alusivo ao Mundial de Futebol a circular pela Europa

A ‘The Journey Tour’ consiste num autocarro interativo que vai chamar a atenção para o Mundial de Futebol de 2022 e que arranca em Londres, a 13 de agosto, passando por mais 12 cidades europeias.

Publituris

A Qatar Airways anunciou esta quinta-feira, 11 de agosto, que nos próximos meses vai levar a ação ‘The Journey Tour’ a várias capitais europeias para assinalar a chegada do Mundial de Futebol de 2022, que decorre no Qatar e para o início do qual faltam apenas 100 dias.

Esta iniciativa, que pretende chamar a atenção para o arranque da competição desportiva e dar a conhecer o destino do Qatar aos europeus, começa este sábado, 13 de agosto, em Londres e vai passar também por Manchester, Bruxelas, Amesterdão, Berlim, Munique, Frankfurt, Düsseldorf, Copenhaga, Zurique, Paris, Madrid e Barcelona.

De acordo com a companhia, a iniciativa consiste num autocarro interativo que vai disponibilizar várias experiências, incluindo a possibilidade de testar as habilidades futebolísticas contra o conhecido jogador brasileiro Neymar Jr., sendo também possível aprender mais sobre a história do Qatar e desta competição de futebol, além de ser possível conhecer a Sarma, a primeira tripulante de cabine Meta-humana.

Além do autocarro interativo, a ação ‘The Journey Tour’ estende-se também às redes sociais, uma vez que a companhia aérea está a promover um passatempo através da utilização da hashtag #FlytoQatar2022 que vai sortear bilhetes para os jogos do Mundial de Futebol de 2022 e pacotes de viagens com tudo incluído para assistir à prova desportiva.

“Na Qatar Airways, estamos orgulhosos por apoiar este torneio incrível como Companhia Aérea Parceira Oficial da FIFA. Com apenas 100 dias para o final, temos o prazer de ajudar a aumentar a emoção e a paixão por este evento através do ‘The Journey Tour’ – e estamos ansiosos para receber os fãs no Qatar para o pontapé inicial em novembro”, afirma Akbar Al Baker, CEO da companhia aérea.

 

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Startup Lisboa abre candidaturas para a 5.ª edição do From Start-to-Table

As candidaturas a este programa de aceleração destinado a startups ligadas ao ecossistema da restauração decorrem até 25 de setembro e podem ser realizadas online.

Publituris

A Startup Lisboa já abriu as candidaturas para mais uma edição do programa de aceleração  From Start-to-Table, destinado a startups ligadas ao ecossistema da restauração, que, este ano, tem como objetivo “alargar o âmbito do programa e desenvolver a comunidade de
foodtech ao longo do ano”. 

De acordo com um comunicado enviado à imprensa, as candidaturas decorrem até 25 de setembro e podem ser realizadas online, através do preenchimento do formulário que está disponível aqui. Os vencedores de cada categoria ganham um prémio de 10 mil euros.

“Podem candidatar-se pessoas ou startups (constituídas há menos de cinco anos), portuguesas ou estrangeiras, que tenham um projeto de tecnologia para a restauração ou novos produtos desde que tragam inovação ao setor – alinhados com objetivos de sustentabilidade ambiental, social e económica”, lê-se no comunicado da Startup Lisboa.

Numa primeira fase, os projetos pré-selecionados vão ser apresentados a “um júri que
escolherá até 20 equipas para integrarem o programa”, seguindo-se, depois, um período de oito semanas em que os finalistas vão trabalhar na prototipagem e validação do seu produto, tendo também acesso a um amplo painel de especialistas, mentores e investidores do setor e
representantes do ecossistema da restauração em Portugal.

Delta Cafés, Sagres, Zomato e a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) são algumas das empresas que se juntaram já a este programa de aceleração, assim como o Turismo de Portugal.

No entanto, este ano, a novidade é mesmo a aposta no desenvolvimento da comunidade do From Start-To-Table através do lançamento de um programa de softlanding que apoie as startups a estabelecerem-se em Portugal após a conclusão do programa, assim como o desenvolvimento de um conjunto de eventos e iniciativas que irão ocorrer após o programa de forma a dar continuidade à dinamização do ecossistema de foodtech em Portugal.

Paralelamente, está também previsto o aprofundamento da parceria com a Zomato, que vai dar aos participantes um maior acesso a mais apoio direto da equipa da Zomato em
diversas áreas, incluindo o business development, marketing, entre outros.

Recorde-se que o From Start-to-Table arrancou em 2018 e, desde então, já acelerou mais de 90 projetos, recebeu mais de 400 candidaturas, de mais de 30 países, tendo a última edição registado a maior participação de equipas internacionais, já que um dos vencedores até foi
um empreendedor cipriota, com a startup Blend.

 

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Voos a 10€? “Não vamos ver esses preços nos próximos anos”, diz Michael O’Leary

O presidente executivo da Ryanair culpa a invasão da Rússia à Ucrânia pela subida do preço do combustível, que está a levar a um aumento dos preços dos bilhetes aéreos, inclusive nas companhias aéreas de baixo custo.

Publituris

O presidente executivo da Ryanair, Michael O’Leary, afirmou esta quinta-feira, 11 de agosto, que o tempo dos preços baixos na aviação está a terminar devido ao aumento do combustível, considerando mesmo que a época dos voos a 10 euros acabou e não deverá regressar tão cedo.

“Acho que não haverá voos a 10 euros, porque os preços do petróleo estão muito mais altos, desde que a Rússia invadiu a Ucrânia. Acho que não vamos ver esses preços nos próximos anos”, afirmou o responsável, em entrevista à BBC Radio 4.

Michael O’Leary acrescentou que as tarifas médias dos bilhetes na Ryanair deverão aumentar cerca de 10 euros, para 50 euros por trajeto, ao longo dos próximos cinco anos, num aumento que não deverá, no entanto, ser um problema para as companhias aéreas de baixo custo.

Para Michael O’Leary, mesmo com as atuais restrições orçamentais, muito por culpa da inflação, a procura por viagens aéreas deverá continuar, o que o leva a acredita que, mesmo com um aumento de preços, as companhias aéreas low cost vão “sair-se bem”.

Na mesma entrevista, o presidente executivo da Ryanair criticou ainda os efeitos do ‘Brexit’, que levou a uma redução do número de trabalhadores europeus no Reino Unido, correspondendo a centenas de milhares de empregos.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Gate28
Transportes

AirHelp lança ‘Guia de Direitos dos Passageiros Aéreos”

Novo guia contém toda a informação necessária para a obtenção de reembolsos ou compensações, bem como outros cuidados a que os passageiros têm direito em caso de atraso ou cancelamento do voo.

Publituris

A AirHelp, empresa de defesa dos passageiros do transporte aéreo, lançou o ‘Guia de Direitos dos Passageiros Aéreos”, ferramenta que contém toda a informação necessária para a obtenção de reembolsos ou compensações, bem como outros cuidados a que os passageiros têm direito em caso de atraso ou cancelamento do voo.

“Criámos o ‘Guia dos Direitos dos Passageiros Aéreos’ porque a maioria dos viajantes não está consciente e não conhece os seus direitos. O nosso objetivo é informar as pessoas dos seus direitos e ajudar a reivindicá-los”, afirma Pedro Miguel Madaleno, Advogado da AirHelp, citado num comunicado enviado à imprensa.

O guia lançado pela AirHelp explica como o Regulamento (CE) n.º 261/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho Europeu se aplica na defesa dos direitos dos passageiros, já se trata de uma das legislações mais completas a nível mundial.

O guia aborda também os direitos dos passageiros em caso de bagagem danificada, atrasada ou perdida; explica as diferenças entre reembolso e compensação, “ajudando a perceber qual se aplica e em que condições”; e apresenta ainda um separador sobre os direitos dos passageiros aéreos em caso de Covid-19.

O ‘Guia de Direitos dos Passageiros Aéreos’ já está disponível para consulta online ou para download e pode ser acedido aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.