Assine já
Distribuição

Bestravel e Volta ao Mundo lançam passatempo

Oferta de viagem a Saïdia para duas pessoas.

Patricia Afonso
Distribuição

Bestravel e Volta ao Mundo lançam passatempo

Oferta de viagem a Saïdia para duas pessoas.

Patricia Afonso
Sobre o autor
Patricia Afonso
Artigos relacionados
Viajar Tours lança venda da operação de Verão para Saidia
Homepage
Saidia
Operação charter da Viajar Tours para Saïdia começa a 9 de Junho
Homepage
Aumento da procura por Marrocos é “reflexo da evolução” do destino
Distribuição
Beja recebe Convenção da Bestravel
Homepage

A Bestravel e a Volta ao Mundo lançaram, em conjunto, um passatempo que oferece uma viagem para duas pessoas a Saïdia, em Marrocos, com tudo incluído.

Em comunicado, é explicado que para participar é penas necessário ligar para o número 760 301 320 até 21 de Agosto. A chamada número 1.500 ganha uma viagem que tem partida agendada para 12 de Setembro e regresso a 19 do mesmo mês.

“O passatempo está a ser divulgado no jornais Diário de Notícias, Jornal de Notícias e O Jogo e no site www.voltaaomundo.pt. O regulamento está disponível em www.lojadojornal.pt/passatempos”, informa a nota enviada às redacções.

Sobre o autorPatricia Afonso

Patricia Afonso

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Procura crescente por viagens exigem levantamento de restrições, pede ACI World

Com a forte procura por viagens e apesar das restrições ainda em vigor na Ásia, a ACI World estima que o tráfego de passageiros a nível global atinja 77% dos níveis registados em 2019, representando mais de 7 mil milhões de passageiros a nível mundial.

No seu relatório trimestral, o Airports Council International (ACI) World salienta um impacto positive e imediato na procura global por viagens, “renovando o otimismo da indústria”. No entanto, frisa a ACI World, esta realidade “expôs ainda mais a recuperação desigual, uma vez que os principais mercados de aviação na Ásia-Pacífico ficam atrás dos seus pares ocidentais, pois continuam parcialmente fechados ao tráfego internacional”.

Os números da ACI World estimam uma melhoria significativa no tráfego de passageiros a nível global, já que, em 2022, deverá atingir 77% dos níveis registados em 2019, prevendo-se um total de 7,1 mil milhões de passageiros a nível mundial.

Relativamente ao ano de 2021, a ACI World refere que a COVID retirou 4,6 mil milhões de passageiros, comparado com os dados de 2019, representando uma perda de 50,3% do tráfego global de passageiros. Para os dois anos de pandemia, o conselho estima que se tenham perdido mais de 10 mil milhões de passageiros nos aeroportos mundiais.

Luís Felipe de Oliveira, diretor-geral do ACI World, refere no relatório que, com base nos dados mais recentes, “não há dúvida de que muitos viajantes estão ansiosos para retomar as viagens e os volumes do início do verão são uma prova disso” Depois da “privação de férias” e um crescente aumento na confiança nas viagens aéreas, proporcionado pelo aumento das taxas de vacinação e medidas de segurança, o responsável do conselho antevê que “o relaxamento das restrições ajudará a aumentar a propensão para as viagens aéreas e impulsionar a recuperação do setor”.

Luís Felipe de Oliveira admite que, “com muitos países a tomarem medidas para o retorno a uma certa normalidade, levantando quase todas as medidas de saúde e restrições de viagens, esperamos um salto na procura por viagens aéreas no segundo semestre de 2022”.

Contudo e mesmo com as tendências atuais relativamente ao tráfego aéreo, o ACI World considera que “ainda há muita incerteza em torno da recuperação do setor de aviação, principalmente no médio e longo prazo”. Embora muitos indicadores apontem para a recuperação, o setor também enfrenta “alguns ventos contrários, incluindo conflitos geopolíticos, inflação, risco de desaceleração económica, interrupções na cadeia de abastecimento, escassez de mão de obra e possíveis novas vagas de COVID”, lê-se no relatório.

No entanto, apesar dos riscos negativos, a indústria continua “confiante de que o potencial de recuperação para níveis de 2019 surja dentro de dois ou três anos”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Conselho Europeu prorroga Certificado Digital COVID da EU por mais um ano

O Certificado Digital COVID da UE tem, agora, validade por mais um ano, terminando a 30 de junho de 2023.

O Conselho Europeu (CE) deu, esta terça-feira, 28 de junho, luz verde à prorrogação do regulamento que cria o Certificado Digital COVID da UE, salientando que o certificado “contribuiu significativamente para facilitar a livre circulação das pessoas durante a pandemia”.

O regulamento que cria o Certificado Digital COVID da UE será prorrogado por um ano, até 30 de junho de 2023. A prorrogação do regulamento assegurará que os viajantes da UE, bem como os provenientes de países terceiros ligados ao sistema, possam continuar a utilizar o seu Certificado Digital COVID da UE para viajar na União nos Estados‑Membros em que esses certificados sejam exigidos.

O Conselho Europeu frisa, contudo, que “se a situação sanitária o permitir, o regulamento pode também ser revogado antes da data estabelecida”.

Esta prorrogação inclui uma obrigação de a Comissão apresentar um relatório pormenorizado até 31 de dezembro de 2022. Esse relatório poderá ser acompanhado de propostas legislativas que permitam reavaliar a necessidade de revogar ou prorrogar a utilização do certificado, consoante a evolução da situação sanitária. Além disso, o CE refere que esta prorrogação compreende uma “clarificação de que os certificados de vacinação deverão refletir todas as doses administradas, independentemente do Estado‑Membro onde as pessoas tenham sido vacinadas”, bem como a possibilidade de emitir um certificado de recuperação na sequência de um teste de antigénio; o alargamento da gama de testes de antigénio autorizados para a obtenção de um certificado COVID; e a possibilidade de autorizar a emissão de certificados de vacinação às pessoas que participam em ensaios clínicos.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Turismo e lazer motivam mais de oito mil queixas à Deco

Atrasos de voos, cancelamentos de viagens, testes covid para entrar e sair do país, vouchers para utilizar mais tarde e reembolsos não conseguidos motivaram, desde o início do ano, mais de oito mil queixas dos consumidores às empresas que operam nas áreas de turismo e lazer, revela a Deco.

A Deco Proteste recebeu, nos primeiros seis meses deste ano, um total de 8.773 reclamações dos consumidores em relação às empresas que operam no setor do turismo e lazer, número que subiu 128%, ou seja, mais do que duplicou face às 3.844 reclamações deste setor registadas no ano passado.

O número de reclamações subiu, segundo a entidade de defesa do consumidor, particularmente em abril, coincidindo com as férias da Páscoa, que refere ser um fenómeno que se explica facilmente com o regresso dos portugueses às muitas viagens adiadas durante os últimos dois anos de sucessivos confinamentos.

Com efeito, “os anos 2020 e 2021, mergulhados na pandemia de Covid-19, obrigaram a suspender muitas viagens já planeadas e converteram alguns dos valores pagos em vales (vouchers) para utilização posterior. A utilização dos vales nem sempre foi pacífica entre consumidores e operadores turísticos, gerando uma onda de reclamações sobre os prazos de validade dos vales e as condições impostas para a sua validação”, noticia a Deco Proteste na sua página oficial. Desde o início de 2020, a entidade recebeu 1.785 queixas relacionadas com vouchers de viagens, acrescenta.

Cumprir as obrigações de testagem impostas pelo Governo para entrar e sair do país também não foi fácil para muitos consumidores. Os atrasos de alguns voos deixaram expirar o prazo de validade de muitos testes feitos propositadamente para a ocasião, sem que fosse possível voltar a repetir o teste à covid em tempo útil para seguir viagem, pode-se ler.

A estas reclamações, destaca ainda a Deco, juntaram-se muitas outras relacionadas com atrasos e cancelamentos de viagem, pedidos de reembolso e de indemnização, além de queixas sobre estadias em locais que não correspondiam às expectativas anunciadas no momento da reserva.

A entidade sublinha ainda que, neste setor, e registados no Portal Reclamar, que mantém um canal de comunicação direto com as empresas reclamadas, garantindo um tratamento mais rápido e eficaz de cada uma das queixas ali registadas, ou seja, no máximo de cinco dias, as queixas à TAP ocupam a quinta posição de todas as empresas mais reclamadas, em todos os setores de atividade. Fazem ainda parte da lista de dez empresas mais reclamadas a E-dreams.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

China reduz período de quarentena para visitantes internacionais

O período de quarentena para visitantes estrangeiros que pretendam entrar na China foi reduzido de 21  para sete dias em instalações designadas pelo governo, mais três no domicílio.

O período de quarentena para visitantes estrangeiros que pretendam entrar na China foi reduzido de 21  para sete dias em instalações designadas pelo governo, mais três no domicílio, avança a Lusa, que cita a Comissão Nacional de Saúde chinesa.

As novas regras foram anunciadas esta terça-feira, 28 de junho, mas algumas das medidas já se encontram em vigor desde o início do mês em Pequim, assim como nas províncias de Hubei, Zhejiang e Jiangsu.

O alivio de restrições na China surge depois de a maioria dos países do mundo ter abolido barreiras para viagens internacionais e representa a mudança mais significativa relativamente à COVID-19 no país, uma vez que a China continua a seguir uma política de ‘zero casos’, mantendo, por isso, as fronteiras praticamente encerradas a cidadãos estrangeiros, desde março de 2020.

Com a mudança, os estrangeiros passam também a poder, desde 20 de junho, visitar familiares chineses diretos ou viajar para o país, caso tenham residência permanente na China continental, não precisando de apresentar uma carta convite de uma autoridade de nível provincial, ao solicitar um visto de trabalho, como acontecia até aqui.

As autoridades da aviação civil da China também disseram, no início deste mês, que o número de voos internacionais está a aumentar e que estão a falar com vários países para ampliar o número de rotas, tendo várias companhias aéreas na China indicado ainda que estão a planear lançar novas rotas internacionais.

Apesar disso, a Lusa lembra que os voos para a China continuam sujeitos à política do “circuit breaker” (‘interruptor’), o que quer dizer que, quando são detetados cinco ou mais casos a bordo, a ligação é suspensa por duas semanas. Caso haja dez ou mais casos, a ligação é suspensa por um mês.

As autoridades chinesas anunciaram na semana passada, por exemplo, a suspensão da ligação aérea entre Portugal e a China pelo período de um mês, após detetarem dez casos de covid-19, a 12 de junho, num voo oriundo de Lisboa.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Transavia voa entre o Porto e Lyon com 30% de combustível SAF

Companhia aérea low cost do grupo Air France/KLM revela que esta iniciativa é uma das ações identificadas pelo grupo “para reduzir as suas emissões de gases com efeito de estufa”.

A Transavia realizou esta terça-feira, 28 de junho, um voo entre o Porto e Lyon, em França, que utilizou, pela primeira vez, 30% de combustível SAF (combustível de aviação sustentável), numa iniciativa que, segundo a companhia aérea low cost do grupo Air France/KLM, faz parte das ações do grupo “para reduzir as suas emissões de gases com efeito de estufa”.

“O Grupo Air France KLM está comprometido, há vários anos, com a redução da sua pegada de carbono. A sua vontade passa, hoje, por acelerar a sua transição ambiental, ativando todas as alavancas à sua disposição e favorecendo o surgimento de soluções inovadoras. O Grupo definiu uma trajetória para atingir zero emissões líquidas até 2050”, indica a Transavia, explicando que, a curto prazo, o grupo pretende reduzir as emissões de CO2 por passageiro-quilómetro em 30% até 2030 face a 2019.

Para reduzir as emissões poluentes, acrescenta a companhia aérea, um dos trunfos que estão atualmente ao dispor da aviação é o SAF, que corresponde a um tipo de combustível de “origem não fóssil”, produzido a partir de “resíduos industriais ou domésticos e que não competem com a alimentação humana”.

Segundo a Transavia, estes tipos de combustíveis “podem reduzir as emissões de CO2 numa média de 80% ao longo de todo o ciclo de vida e desempenhar um papel essencial na descarbonização do transporte aéreo”, motivo pelo qual, este ano, França passou a exigir que os fornecedores de combustíveis incluam 1% de SAF nas suas vendas de carburantes.

“Estamos entusiasmados por operar este voo que incorpora 30% de combustível de aviação sustentável. É uma importante iniciativa que desejávamos para estes dias de reflexão sobre a mobilidade, os Connecting Europe Days, que se realizam em Lyon. Estamos a mobilizar todas as alavancas para reduzir as nossas emissões de CO2: os SAF, a ecopilotagem que permite reduzir as nossas emissões em 3 a 5% por voo, e vamos chegar a -15% de emissões graças à próxima renovação de nossa frota”, sublinha Sébastien Mir, diretor de Qualidade, Segurança e Ambiente da Transavia France.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

África do Sul elimina todas as restrições da Covid-19 para salvar turismo

A África do Sul acaba de levantar todas as todas as restrições da Covid-19. Elimina testes e vacinação para entrada de viajantes no país, bem como o uso obrigatório de máscaras e limitações em reuniões, eventos e conferências.

Depois de mais de dois anos, o levantamento das restrições permitirá à África do Sul recuperar a sua competitividade turística face a outros destinos africanos. A decisão é do Conselho de Coordenação Presidencial, que determinou a revogação de todas as restrições restantes da Covid-19, uma vez que haviam servido ao seu propósito, mas não eram mais necessários.

A eliminação das restrições no setor MICE permitirá o regresso de delegados, expositores e viajantes de negócios de todo o mundo.

Para o turismo sul-africano, a decisão beneficiará toda a cadeia de valor do setor, acelerando a recuperação das chegadas e da rentabilidade.

o diretor-geral interino da agência nacional de turismo da África do Sul, Themba Khumalo, qualificou a decisão como um passo na direção certa que “vai beneficiar significativamente toda a cadeia de valor do sector do turismo”, acelerando a retoma do turismo, números de chegadas de turistas e níveis de rentabilidade pré-pandemia.

Antes da pandemia o setor das viagens e turismo gerava 1,5 milhões de empregos e contribuía com 25,349 milhões de euros para a economia sul-africana, o que representava 8,6% da atividade económica total do país.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Sem categoria

HiJiffy lança sistema operativo “Aplysia OS” para facilitar interações entre hóspedes e hotéis

A tecnologia utiliza inteligência artificial para acompanhar todas as fases da jornada do hóspede no hotel, desde a pré reserva até ao pós-estadia. O objetivo passa por facilitar ações como “o processo de reserva, o check-in antecipado ou a reserva de uma mesa no restaurante”, de acordo com a HiJiffy.

A HiJiffy acaba de lançar um novo sistema operativo de comunicação com hóspedes, o Aplysia OS.

Esta tecnologia utiliza Inteligência Artificial (IA) para criar interações entre os hotéis e os clientes em todas as fases da jornada do hóspede, desde a pré reserva até ao pós-estadia, de acordo com informação enviada em comunicado pela empresa.

Desta forma, a Aplysia permite conectar os hóspedes e hotéis “24 horas por dia, sete dias por semana”, sem a necessidade de interação humana”.

O objetivo passa por facilitar ações como “o processo de reserva, o check-in antecipado ou a reserva de uma mesa no restaurante”, de acordo com a HiJiffy.

A empresa explica que este sistema foi treinado nos últimos seis anos “com milhões de questões exclusivamente relacionadas com a indústria hoteleira”, pelo que possui recursos de autoaprendizagem para analisar dados em bruto e não etiquetados e classificá-los por si só.

Isto permite que a IA “aprenda de forma quase autónoma, tornando o processo de aprendizagem mais rápido face às soluções treinadas manualmente por humanos”.

Para além disso, a Aplysia consegue “entender as emoções por detrás das conversas”, através da análise semântica e de sintaxe.

O sistema consegue reconhecer se a conversa é negativa, neutra ou positiva, reagindo de acordo com esta análise – ou seja, dá prioridade e encaminha automaticamente as mensagens para o departamento certo.

Por exemplo, se a conversa for classificada pelo sistema como positiva, “o hóspede poderá seguir um fluxo de atendimento normal, eventualmente até sem qualquer interação com um agente humano”, tal como explica Tiago Araújo, CEO da HiJiffy, à Publituris Hotelaria.

Se, por outro lado, o tom da conversa for negativo, o “hóspede poderá ser imediatamente redirecionado para a equipa do front-office, por exemplo, ou então diretamente para o diretor do hotel”.

A Aplysia OS é baseada na cloud e possui uma consola acessível através de desktop, browser e aplicações para Android e iOS.

Esta solução funciona apenas para os produtos da HiJiffy e não poderá ser comprada para ser usada para outros fins, tal como indica a empresa.

De momento, a tecnologia já está disponível “para todos os clientes da HiJiffy com muitos recursos já totalmente funcionais”, como adianta a empresa.

Funcionalidades em beta testing, que de momento só estão disponíveis para um número restrito de hotéis, serão alargadas a todos os clientes “em breve”.

Sobre o autorCarla_Nunes

Carla_Nunes

Mais artigos
Tecnologia

Fairtiq vence [email protected] in Portugal 2022

Das 20 startups selecionadas, Airdoctor e Kiss & Tell foram também projetos vencedores do programa de aceleração dinamizado pela Associação Acredita Portugal e apoiado pelo Turismo de Portugal.

A startup suíça Fairtiq foi o projeto vencedor da 2.ª edição do [email protected] in Portugal, o programa de aceleração promovido pela Associação Acredita Portugal, com o apoio do Turismo de Portugal, no âmbito do Programa FIT 2.0 – Fostering Innovation in Tourism, que atrai projetos disruptivos de base turística, a nível internacional, de modo a estimular o ecossistema empreendedor. A startup suíça destacou-se entre as 20 startups selecionados que expuseram as suas ideias, por apresentar uma solução inovadora e com potencial para revolucionar o setor do turismo ao nível da mobilidade. Os segundo e terceiro lugar foram atribuídos às startups Airdoctor e Kiss & Tell, respetivamente.

Os vencedores foram anunciados no demo day, fase final do programa, que decorreu em Gaia, onde as startups tiveram oportunidade de apresentar os seus projetos, assim como a um júri, representado pela Associação Acredita Portugal, Portugal Ventures e Turismo de Portugal.

A vencedora desta edição, traz para Portugal uma tecnologia que pretende simplificar as viagens nos transportes públicos, garantindo a facilitação do processo de pagamento. A tecnológica criou uma aplicação que, através da geolocalização, permite a qualquer pessoa entrar em diferentes tipos de transportes, sem ser necessário comprar bilhetes. O utilizador apenas tem de fazer check in/ check out na aplicação.

O segundo lugar pertence à israelita Air Doctor, que já captou 31 milhões de euros. Esta startup pretende incluir Portugal num sistema que permite pesquisar, agendar e obter consultas com profissionais de saúde, presenciais ou remotas, dirigidas a quem esteja fora do seu país e que precise de consultar um médico, com ou sem seguro de saúde. O serviço já está disponível em países da Europa, Ásia, Austrália e América.

A Kiss & Tell levou o terceiro lugar e pretende facilitar a organização de todo o tipo de celebrações, tais como casamentos, em vários destinos globais. Através da plataforma desta startup é possível comparar, planear e reservar pacotes de destinos e estadias para eventos de qualquer natureza.

Miguel Queimado, fundador da Associação Acredita Portugal, revela que “esta segunda edição e as ideias inovadoras que surgiram revelaram que existe um enorme potencial para continuar a desenvolver o setor do turismo em Portugal. Além dos projetos vencedores, outras startups que chegaram até à final estão também em conversações com empresas portuguesas para que as suas tecnologias sejam introduzidas no setor turístico nacional.”

Para o Turismo de Portugal, principal parceiro do [email protected] in Portugal, “mais do que nunca, acelerar a inovação no turismo é um dos objetivos do Turismo de Portugal”, salientou Ana Caldeira, diretora do Departamento de Inovação e Gestão de Projetos que destacou a importância do programa.

Entre os 20 selecionados, 19 startups eram internacionais, cabendo a representação nacional à startup HandyHostel.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

MSC World Europa já concluiu primeiros testes de mar

O MSC World Europa começa a navegar no inverno de 2022/23 e vai ser o primeiro navio movido a GNL da frota da MSC Cruzeiros.

O MSC World Europa, o primeiro navio movido a Gás Natural Liquefeito (GNL) da MSC Cruzeiros, já concluiu os primeiros testes de mar, que incluíram avaliação de desempenho dos motores do navio, manobrabilidade, consumo de combustível, sistemas de segurança, velocidade e distâncias de travagem.

Num comunicado enviado à imprensa, a companhia de cruzeiros explica que o MSC World Europa será “o primeiro da pioneira MSC World Class – uma nova classe de navios que apresentará uma plataforma de cruzeiro completamente nova – e poderá acomodar até 6.762 passageiros”.

O navio, que começa a navegar no inverno de 2022/23, foi construído pelos estaleiros de Chantiers de l’Atlantique, em Saint-Nazaire, França, e é um dos três cruzeiros a GNL que a MSC Cruzeiros encomendou aos estaleiros franceses, que vão também construir o terceiro navio da ´World Class II´, que deverá começar no início do próximo ano.

Além do MSC World Europa, estes estaleiros franceses têm também em construção o MSC Euribia, que também já navega, tendo agora sido transferido para a ‘doca seca’ para terminar os trabalhos, antes de se juntar à frota da MSC Cruzeiros, em junho de 2023.

“Estabelecemos um importante compromisso no ano passado de atingir o objetivo de zero emissões de gases de efeito estufa até 2050 liderando a indústria de cruzeiros no caminho para a descarbonização. O MSC World Europa e o MSC Euribia desempenharão um papel fundamental nesta jornada”, congratula-se Pierfrancesco Vago, Executive Chairman, Cruise Division of MSC Group.

Além de ser movido a GNL e, por isso, ser um navio mais amigo do ambiente, o MSC World Europa conta também com um design inovador em Y, onde se destaca a Europa Promenade de 104 metros de comprimento, assim como o Venon Drop @ The Spiral, um slide de 11 decks de altura, o mais longo no mar.

No próximo inverno, o navio começa a navegar no Mar Arábico, onde vai realizar sete viagens noturnas entre dezembro de 2022 e março de 2023, à partida do Dubai, rumando, depois, em março de 2023, para o Mediterrâneo, onde vai operar cruzeiros de sete noites com escala nos portos italianos de Génova, Nápoles e Messina, bem como Valetta em Malta, Barcelona em Espanha e Marselha em França.

Já o MSC Euribia chega em junho do próximo ano e vai passar a temporada inaugural no Norte da Europa, realizando um itinerário pelos Fiordes Noruegueses, à partida de Kiel.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Fórum Turismo promove webinar sobre Turismo LGBTQIA+

A Associação Fórum Turismo promove, no próximo dia 30 de junho, às 17h30, um webinar com o tema “Portugal: um destino LGBTQIA+”.

O objetivo é consciencializar o Turismo da forma como os destinos podem acolher esta comunidade, quais as estratégias atuais e quais os passos futuros para um setor mais inclusivo.

Este webinar enquadra no âmbito da iniciativa “3 Faces da Moeda” promovida e organizada por esta associação, que visa abordar os temas mais relevantes da atualidade, ligando-os ao setor do turismo.

Como oradores, o evento conta com a presença de Allan Barbosa, ativista e membro da direção na Associação Queer Tropical, integrante do Coletivo Aveiro Sem Armários e da Marcha LGBTQIA+ em Aveiro; Maria João Pereira, licenciada, mestre e doutorada em Ciências da Educação e coordenadora do TPC, um projeto educativo e de apoio ao estudo da Associação Renovar a Mouraria e Joana Alves, licenciada na área do Turismo, pela Escola Superior de Educação de Coimbra e profissional no Museu do Aljube Resistência e Liberdade.

A moderar a conversa estará Tiago Braz, mestre em Educação – Desenvolvimento Social e Cultural, pela UL, Gestor de Projetos no Fórum Turismo e arte-educador na ONG Conversas Associação Internacionais (CAI), em projetos com pessoas em situação de vulnerabilidade.

A participação no webinar é gratuita, mediante inscrição através do link https://bit.ly/3ymXWcI.

A propósito desta iniciativa, António Marto, presidente da Associação Fórum Turismo explica que “acreditamos num Turismo sem fronteiras no que diz respeito à inclusão”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.