Assine já
Distribuição

Viva Tours com três folhetos de Verão

América, Costa Rica e Mediterrâneo são as três catálogos que a Viva Tours está a distribuir no mercado nacional para este Verão. Costa Rica é o grande destaque do operador, propondo estadas em parques nacionais e praias, entre os quais o Parque Nacional Tortuguero e Parque Nacional Cahuita, Reserva Florestal Pacuare e o Parque Nacional… Continue reading Viva Tours com três folhetos de Verão

Liliana Cunha
Distribuição

Viva Tours com três folhetos de Verão

América, Costa Rica e Mediterrâneo são as três catálogos que a Viva Tours está a distribuir no mercado nacional para este Verão. Costa Rica é o grande destaque do operador, propondo estadas em parques nacionais e praias, entre os quais o Parque Nacional Tortuguero e Parque Nacional Cahuita, Reserva Florestal Pacuare e o Parque Nacional… Continue reading Viva Tours com três folhetos de Verão

Liliana Cunha
Sobre o autor
Liliana Cunha
Artigos relacionados
Viva Tours actualiza preços em dólares
Distribuição
Jade Travel programa Costa Rica
Distribuição
Viva Tours cresce 60% em vendas
Distribuição
Jolidey lança operação para a Costa Rica à saída de Lisboa
Distribuição

América, Costa Rica e Mediterrâneo são as três catálogos que a Viva Tours está a distribuir no mercado nacional para este Verão.

Costa Rica é o grande destaque do operador, propondo estadas em parques nacionais e praias, entre os quais o Parque Nacional Tortuguero e Parque Nacional Cahuita, Reserva Florestal Pacuare e o Parque Nacional Carara, são algumas das sugestões. As extensões na Costa Rica incluem também o bosque Nubloso de Monteverde, o Parque Nacional de Manuel António e ainda as praias do Pacífico.

Na América, o operador oferece propostas para os Estados Unidos, México, Caraíbas, Guatemala, Panamá, Nicarágua e Honduras, Peru, Chile e Argentina, além de combinados entre os vários países. Cultura, natureza, civilizações antigas, sol e praia e grandes cidades são as propostas deste folheto.

O terceiro catálogo é o “Tesouros do Mediterrâneo” com programação para países na bacia do Mediterrâneo, destacando-se a Grécia, com um cruzeiro em veleiro pelas ilhas, Israel com circuitos e estadias, a Síria, e combinados com a Jordânia.

Sobre o autorLiliana Cunha

Liliana Cunha

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

Certificado digital e teste negativo deixam de ser obrigatórios nos voos para Portugal

As companhias aéreas deixam de estar obrigadas a exigir aos passageiros, aquando do embarque de voos com destino ou escala em Portugal continental, à apresentação de comprovativo de realização de teste, Certificado Digital COVID UE ou de certificados de vacinação ou recuperação emitidos por países terceiros, aceites ou reconhecidos em Portugal.

Os passageiros de voos com destino ou escala em Portugal deixam de ter de apresentar o certificado digital ou teste negativo à COVID, informou hoje a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC).

Em comunicado, a ANAC refere que, na sequência da entrada em vigor do despacho conjunto n.º 8022-D/2022, de 30 de junho, “as transportadoras aéreas deixam de estar obrigadas a exigir aos passageiros, aquando do embarque de voos com destino ou escala em Portugal continental”, a apresentação de comprovativo de realização de teste para despiste da infeção por Sars-CoV-2 com resultado negativo, de certificado digital covid UE ou de certificados de vacinação ou recuperação emitidos por países terceiros, aceites ou reconhecidos em Portugal.

“Com a entrada em vigor deste novo regime as transportadoras áreas e os passageiros deixam de estar sujeitos às medidas restritivas, aplicáveis em matéria de tráfego aéreo, no âmbito do combate à pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2, que duraram até 30 de junho de 2022”, refere.

O despacho n.º 8022-D/2022, publicado na quinta-feira, 30 de junho, em Diário da República, revoga o despacho n.º 4829-A/2022, de 22 de abril, que determinava “as medidas aplicáveis em matéria de tráfego aéreo, aeroportos, fronteiras marítimas e fluviais e define os termos e requisitos do respetivo sistema de verificação, bem como a supervisão do seu funcionamento”.

Segundo se lê no diploma que entrou em vigor, “a situação epidemiológica vivida em Portugal na sequência da pandemia da doença COVID-19 tem-se mantido relativamente estável, resultado da elevada cobertura vacinal, da emergência de novos fármacos para a doença grave e de um maior conhecimento sobre a infeção”.

Adicionalmente, “também no contexto internacional, nomeadamente no quadro da União Europeia, a evolução da situação epidemiológica deixou de justificar a adoção de medidas excecionais em matéria de tráfego aéreo, aeroportos e fronteiras marítimas e fluviais”.

A ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, tinha anunciado na conferência de imprensa realizada após o último Conselho de Ministros, que o período de isolamento por COVID-19 iria passar de sete para cinco dias e que deixaria de ser exigido o certificado digital para entrar no país.

“Fora estas duas alterações, a passagem de sete para cinco dias e deixar de ser exigido certificado em viagens, as regras permanecem as mesmas, com a indicação de uso de máscara nos transportes públicos e com a recomendação de utilização de máscara quando estamos em contacto com pessoas mais vulneráveis, quando temos sintomas ou quando sabemos que tivemos um contacto de maior risco”, precisou.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

High-touch e alta tecnologia: Como as marcas de hospitalidade podem ter ambos

Numa altura em que as viagens são mais recorrentes, a Adyen dá vários conselhos para que a indústria hoteleira consiga responder às expectivas dos hóspedes, mantendo abordagem única do high-touch

Após anos de viagens limitadas, os hotéis e as marcas de hospitalidade estão mais do que prontos para receber os hóspedes de volta. E, por sua vez, os hóspedes estão mais do que prontos para regressar: 64% sentem tanta falta de viajar e estão dispostos a desistir das redes sociais durante um mês inteiro para irem de férias em segurança.

A palavra-chave é “em segurança”. Os hóspedes têm expectativas elevadas de como deveria ser a sua estadia num mundo a recuperar da COVID – desde pagamentos contactless, a reservas móveis e quiosques de pagamento.

Mas, será que a alta tecnologia e o high-touch podem trabalhar em conjunto para proporcionar uma experiência verdadeiramente cinco estrelas num cenário de luxo? Mark Rademaker, Global Head of Hospitality da Adyen, e Marco Trecroce, SVP & CIO do grupo Four Seasons, acreditam que sim. Quando bem feito, os hóteis de luxo podem responder à evolução das expectativas dos hóspedes, mantendo a sua abordagem única de high-touch. Eis como:

À medida que o mundo volta a abrir, a aceleração digital é fundamental

Entre restrições de viagem e preocupações de saúde pública, a maioria das pessoas permaneceu perto de casa nos últimos anos. O resultado foi um declínio anual sem precedentes no total das despesas de viagem. Compreensivelmente, muitos hotéis tiveram de despedir colaboradores para poupar nos custos.

Agora que o mundo está a voltar a abrir, vemos um aumento de viagens, o que representa uma oprtunidade enorme para o setor. No entanto, também se pode revelar um desafio já que as marcas têm de estar prontas para a carga que isso irá colocar nos seus sitemas, pessoas, tecnologia e instalações.

Com a COVID existem múltiplas conversas sobre como ir mais depressa, acelerar mais rápido, como aproveitar a oportunidade para ajudar os nossos hotéis a prepararem-se,” refere Marco Trecroce. “Porque os nossos hóspedes querem mais interações digitais, mais experiências contactless, diferentes tipos de experiências, e isso está agora a tornar-se o impulso para o nosso pensamento de como avançarmos. É muito desafiante quando os nossos hotéis estão fechados. Mas é um investimento que precisamos de fazer em paralelo, por isso é muito estratégico.

As melhores viagens oferecem diferentes opções no mesmo hotel 

Não há duas viagens iguais, especialmente quando se trata de uma experiência de luxo. Alguns hóspedes preferem fazer uma reserva por telefone, outros querem reservar através de uma aplicação móvel. Ser intencional com as suas decisões tecnológicas, independentemente da mistura de canais que um hóspede utilize, é a forma como as marcas de hospitalidade podem integrar a tecnologia sem sacrificar a experiência high-touch.

O nosso chat é o melhor exemplo,” afima Marco Trecroce. “Começou com uma aplicação móvel, que agora se converteu em camadas de mensagens. A nossa funcionalidade de chat está traduzida em mais de 100 línguas e permite aos nossos convidados comunicar connosco de uma forma sem contacto e na sua língua local. É uma das formas de disponibilizar alta tecnologia e high-touch. A tecnologia desempenha um papel crucial: complementar a experiência do hóspede,” adianta.

Quanto às tendências que a Adyen tem observado enquanto parceiro de pagamentos para marcas globais de hospitalidade, Mark Rademaker explica: “Temos presenciado uma mudança tão dramática na forma como os hotéis têm começado a ver as suas viagens de hóspedes. Se recuarmos até um pouco antes da pandemia, oferecer viagens diferentes no mesmo hotel não era algo que tivéssemos nas nossas conversas. Agora, é tão importante. Estamos realmente a ver que experiências com pouco contacto, como o check-in móvel, não se traduzem necessariamente em pouco luxo.

Os pagamentos estão agora integrados em todas as partes do negócio

Quando se trata de novas formas de pagamento, as marcas de hospitalidade tendem a preferir jogar pelo seguro antes de adotarem métodos de pagamento novos ou alternativos. A pandemia tem desafiado essa mentalidade ao tornar coisas como pagamentos contactless centrais para fazer negócios em segurança.

Mas, entregar isso aos hóspedes no back-end significa montar uma pilha de tecnologia de pagamentos que possa apoiar essas experiências sem descontinuidades no front-end. “O dilema neste momento é como apresentar métodos de pagamento a um hóspede que está do outro lado do mundo, que vai para um destino exótico nas suas férias, e que quer pagar com o seu método de pagamento preferido no local“, comenta Mark Rademaker.

Historicamente“, continua, “as limitações existiam porque os pagamentos no mundo hoteleiro têm sido bifurcados entre o mundo do comércio eletrónico e o ponto de venda. Quando isso começa a misturar-se, traz à tona estas novas oportunidades, onde se pode proporcionar a mesma experiência a esse hóspede durante todo o ciclo da sua estadia, desde o processo de reserva até à chegada ao local.

Ao investir em tecnologia é necessário deixar os convidados liderar o caminho

No final do dia, os hotéis estão no negócio de fazer as coisas certas para os seus hóspedes. A partir daí, e usando isso como bússola para ajudar a tomar as melhores decisões para o seu negócio, os seus hóspedes irão percorrer um longo caminho para proporcionar uma experiência de cinco estrelas.

Em última análise, este negócio foca-se na condução da tecnologia disponível na sua unidade hoteleira, os seus pagamentos, por exemplo, para ajudar a que o hóspede tenha a melhor experiência possível”, afirma Mark Rademaker. “Os hotéis vivem muito no aqui e agora, naquilo que querem alcançar hoje. No entanto, o como chegar ao próximo passo, à prova futura, é igualmente importante.”

 

 

Sobre o autorBrand SHARE

Brand SHARE

Mais artigos
Aviação

Publicada revogação do despacho sobre futuro aeroporto de Lisboa

Tal como tinha sido indicado pelo primeiro-ministro, António Costa, foi publicada revogação do despacho sobre futuro aeroporto de Lisboa, indicando que “a solução deve ser negociada e consensualizada com a oposição”.

A revogação do despacho de quarta-feira, 29 de junho, determinada pelo primeiro-ministro, sobre a solução aeroportuária para a região de Lisboa foi publicada em Diário da República em novo despacho.

O despacho, assinado pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, publicado em suplemento com a data de quinta-feira, 30 de junho, justifica a revogação imediata, referindo que “a solução deve ser negociada e consensualizada com a oposição, conforme indicação do senhor primeiro-ministro”.

Indica também que o teor do despacho revogado “é uma matéria de prioridade política e estratégica da maior importância e impõe uma tomada de decisão célere”

Recorde-se que o despacho de quarta-feira determinava a “definição de procedimentos relativos ao desenvolvimento da avaliação ambiental estratégica do Plano de Ampliação da Capacidade Aeroportuária da Região de Lisboa”.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, determinou a revogação do despacho, e reafirmou que queria uma negociação e consenso com a oposição sobre esta matéria.

O despacho “polémico” publicado na quarta-feira, assinado pelo secretário de Estado das Infraestruturas, Hugo Santos Mendes, determinava o “estudo da solução que visa a construção do aeroporto do Montijo, enquanto infraestrutura de transição, e do novo aeroporto ‘stand alone’ no Campo de Tiro de Alcochete, nas suas várias áreas técnicas.”

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

NH Hotel Group conta abrir 2.500 novos quartos até 2025 e inclui Portugal

O NH Hotel Group planeia abrir cerca de 2.500 novos quartos entre 2022 e 2025 em vários países, incluindo Portugal. Já assinou contratos para 16 hotéis com quatro de suas marcas, sendo que 45% estão sob o modelo de gestão.

A notícia avançada pelo jornal espanhol Hosteltur, cita Ramón Aragonés, CEO da cadeia hoteleira que sustenta que existe uma “grande oportunidade” no segmento de luxo através da marca Anantara e no segmento de férias com a Tivoli.

Durante a Assembleia Geral de Acionistas, Aragonés explicou que há 16 hotéis assinados, e outros em negociação, para abrir nos próximos três anos. O foco está no segmento superior, com contratos de gestão ou participações, e o que se procura é o fortalecimento em mercados-chave.

Cerca de 12% dos novos quartos que vão abrir nos próximos três anos serão divididos entre Portugal, Espanha e França, enquanto 38% estão na América Latina, 30% na Europa Central, e 20% em Itália.

O NH Collection concentra 37% dos futuros quartos, 31% corresponde ao Nhow, 26% ao NH Hotels e 6% à marca de luxo Anantara, segundo aquele jornal.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

TopAtlântico lança “Loucura de Verão”

“Loucura de Verão – Flash Sales” com promoções para vários destinos, é o mote de uma campanha do a TopAtlântico acaba de colocar no mercado.

A nova campanha está disponível para reservas até dia 18 de julho, na rede de agências da TopAtlântico e em www.topatlantico.pt

As “flash sales da campanha “Loucura de Verão” comporta ofertas para partidas ainda em julho mas também para agosto, setembro e outubro, com preços desde 354€ por pessoa, para sete noites.

As ofertas incluem alguns dos destinos de praia favoritos dos portugueses, tais como as Ilhas Espanholas (Menorca, Maiorca, Ibiza, Tenerife, Lanzarote ou Fuerteventura), e as Caraíbas (República Dominicana, México e Cuba). Os lugares disponíveis são limitados.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Turkish Airlines conta lançar voos sem escalas para a Austrália em 2026 ou 2027

Os voos sem escalas desde Istambul para a Austrália devem ter uma duração de 17 horas e, devido aos testes que a Turkish Airlines ainda está a realizar, não é expectável que arranquem antes de 2026 ou 2027.

A Turkish Airlines pretende abrir voos sem escalas entre Istambul, na Turquia, e Sydney e Melbourne, na Austrália, numa operação que, segundo Ahmet Bolat, presidente da Turkish Airlines, poderá arrancar em 2026 ou 2027, uma vez que a companhia aérea turca está ainda a estudar o tipo de aparelho a usar nesta rota.

“A Austrália é o último continente para o qual a Turkish Airlines não voa”, recordou o responsável, durante a reunião geral anual da IATA – Associação Internacional de Transporte Aéreo, que decorreu em Doha, no Qatar.

De acordo com Ahmet Bolat, a rota entre Istambul e a Austrália poderá vir a ser realizada num avião A350-1000XWB ou Boeing 777X, em vez dos A340-500s ou 777-200LRs que, acrescenta o responsável, acarretam maiores custos com o combustível.

“Os nossos estudos mostram uma grande perda (financeira) com essas aeronaves, especialmente com os altos preços atuais do combustível”, afirmou o presidente da Turkish Airlines, explicando que, por isso, a companhia aérea deve “optar por uma versão adicional, o A350-1000XWB, para serviços de ultralonga distância de Istambul a Sydney e Melbourne”.

Os voos sem escalas desde Istambul para a Austrália devem ter uma duração de 17 horas e, devido aos testes que a Turkish Airlines ainda está a realizar, não é expectável que arranquem antes de 2026 ou 2027.

Até à chegada dos voos sem escalas, a Turkish Airlines vai manter os acordos de codeshare que já disponibiliza nos voos para a Austrália e está em conversações com outros parceiros para alargar a oferta

“Com a frota existente, não podemos fazer voos sem escalas. Estamos a conversar com os nossos parceiros de codeshare porque é mais confortável operar a Austrália com a mesma aeronave”, concluiu o responsável.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Press Releases

Escola de Vinho do WOW lança Summer Wine School

A Escola de Vinho do WOW tem um novo modelo de formação vínica. Chama-se Summer Wine School

A Escola de Vinho do WOW tem um novo modelo de formação vínica. Chama-se Summer Wine School e é composto por um conjunto de módulos formativas. Cada sessão tem entre 30 a 45 minutos, é lecionada em português ou inglês e está limitada a 6 pessoas. Há sessões de segunda a sexta, sempre às 11h30 e às 15h. Às 17h30, há um desafio em jeito de prova cega para aplicar e testar conhecimentos.

“A ideia é que os interessados se inscrevem no número de módulos que pretender, sem compromisso de frequentar todos, afinal de contas é verão e entendemos que a oferta deva ser leve e descontraída. É uma oportunidade de aprender mais sobre um tema fascinante como o vinho. É perfeito para ocupação de tempos livres, em férias ou folgas, é um bom programa para fazer sozinho e conhecer pessoas ou para partilhar com amigos e família”, elucida José Sá, diretor da Escola de Vinho.

Por entre os vários módulos, os temas são os mais diversos, tais como: “Como provar vinho”, “Descobrir o Vinho do Porto”, “Crie a sua própria adega” ou “Vinhos do Norte de Portugal”. Haja sede de aprender e a Escola de Vinho encontra as respostas certas para melhorar a experiência vínica de cada um. Cada módulo tem o custo de 18 euros e a participação não carece de reserva, estando sujeita à capacidade de cada sessão.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

CEIT integra radar de inteligência turística de João Pessoa

O Radar de Inteligência da Economia do Turismo (RIET) é uma ferramenta que, numa primeira fase, vai permitir “mapear informações, dados e indicadores sobre a marca territorial”.

O CEIT – Centro Estratégico de Inovação Territorial estabeleceu uma parceria com a prefeitura de João Pessoa, no Brasil, e com a Universidade Federal da Paraíba, no âmbito da qual foi já lançado o Radar de Inteligência da Economia do Turismo (RIET), ferramenta que, numa primeira fase, vai permitir “mapear informações, dados e indicadores sobre a marca territorial”.

De acordo com um comunicado enviado à imprensa pelo CEIT, estes dados serão, depois, apesentados a “toda a cadeia de valor do turismo através de publicações, painéis, boletins económicos e anuários estatísticos dinâmicos”.

“Será focado no mercado interno, integrando um conjunto de pesquisas técnicas para identificar os impactos, comportamentos e perfis socioeconómicos dos visitantes”, acrescenta a informação divulgada.

O RIET vai também disponibilizar “o acesso aos resultados das sondagens empresariais que serão desenvolvidas pelo órgão municipal de turismo”, com o objetivo de “avaliar o desempenho dos diferentes segmentos”.

No âmbito desta iniciativa, vai ainda ser criada “uma linha de subsídios para a construção de cenários estratégicos para o desenvolvimento turístico da Capital da Paraíba”.

“A intenção é potenciar a marca João Pessoa alicerçada num turismo sustentável para que a cidade possa ser mais competitiva e atrativa, não só para os turistas, mas também para os pessoenses”, destaca Ferdinando Lucena, coordenador do RIET.

Já Daniel Rodrigues, secretário de Turismo de João Pessoa, sublinha a importância da ferramenta, cujos resultados “ajudarão o destino e os demais órgãos ligados ao turismo a criar uma linha de ação focada nas necessidades da economia do setor”.

A importância deste projeto é ainda destacada por Cristóvão Monteiro, presidente executivo do CEIT, que refere que o RIET vai apoiar “processos de gestão da marca territorial em tempo real”, sendo também “fulcral” para dar uma “resposta mais fundamentada aos desafios do futuro”.

Para o responsável, esta é mais uma oportunidade de estreitar relações entre Portugal e o Brasil de forma a construir uma autêntica plataforma de benchmarking intercontinental.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

GuestCentric deixa dicas para hotéis aumentarem reservas diretas este verão

À medida que os negócios se recompõem no verão de 2022, a Guestcentric Systems considera importante que os hoteleiros continuem a investir nos seus canais diretos e, neste sentido, deixa algumas sugestões para os hotéis aumentarem as suas reservas diretas.

Embora as OTAs (online travel agencies) possam dominar em termos de visibilidade online, os hotéis independentes têm a vantagem de conhecer os seus hóspedes e saber exatamente aquilo que estes gostam de fazer durante as suas estadias, indica este fornecedor de websites hoteleiros.

A GuestCentric desafia os hoteleiros a reavaliarem o seu principal canal de reservas diretas – o website do seu hotel – analisando como é que o site comunica a unidade hoteleira, como é que inspira os seus clientes com a história da sua marca, em que medida os conduz até à reserva efetiva. E deixa algumas dicas para ajudar o setor a obter mais reservas diretas neste verão.

Tendo em conta que o website do hotel é o primeiro ponto de contacto para os hóspedes compreenderem mais sobre o que podem esperar da unidade e do destino, será necessário, segundo a GuestCentric, assegurar que as visitas podem ser convertidas em reservas de estadias, para gerar mais negócio direto.  O primeiro passo é usar o poder visual do website para fazer com que os hóspedes sonhem em visitar o hotel.

Refira-se que um inquérito da Hospitality Net concluiu que a decisão de reservar é 60% emocional e 40% racional. As imagens não só valem mil palavras, como inspiram uma reação emocional nos hóspedes – que os levará a reservar ou a abandonar o website do hotel. Assim, a empresa diz que, usando o poder de fotografias e vídeos, durante a tomada de decisão dos hóspedes, o hotel consegue converter visitas em reservas.

Além disso, é importante saber o que os visitantes querem e orientar as suas decisões de reserva.

“Quando se trata de saber aquilo de que os hóspedes gostam, os hotéis têm uma grande vantagem sobre as OTAs porque observam, em primeira mão, as preferências dos clientes durante a sua estadia”, considera a Guestcentric Systems, para acrescentar que “o hotel deve assumir a liderança no processo de compreender bem os seus hóspedes. Caso contrário, é bem possível que deixe de beneficiar desta posição privilegiada”.

Depois de observar os hóspedes e compreender as suas preferências (ou aversões), há quatro passos que devem ser implementados pelo hotel no seu website: Criar ofertas e serviços em torno do que os hóspedes querem e incentivá-los a reservarem diretamente; Comunicar informações precisas e atualizadas sobre o hotel e destino; Manter e comunicar políticas flexíveis; Falar a mesma língua que os hóspedes.

Finalmente, a empresa destaca que, tal como no website do hotel, o motor de reservas deve encorajar todos os comportamentos ligados à compra em si. Assim, o melhor preço garantido, as ofertas especiais, promoções e alertas de ativação/recuperação de compras irão criar um sentido de urgência e inspirar os visitantes a reservar.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Portugal entre os destinos mais procurados pelos americanos para o 4 de julho, revela a Mabrian

Entre os destinos europeus mais procurados pelos americanos para os feriados do 4 de julho, Portugal só é ultrapassado pela Espanha. No que diz respeito aos preços, a consultora refere que o nosso país apresenta os voos com os preços mais em conta.

Portugal aparece entre os destinos internacionais mais procurados pelos norte-americanos para o fim de semana do feriado nacional de 4 de julho. De acordo com os dados da Mabrian, Portugal só é suplantando pelo México e Espanha.

Enquanto Portugal aparece com mais de 13 milhões de buscas, à frente da Grécia (com 11,7 milhões), Itália (com 10,3 milhões) e França (com 9,6 milhões), a liderança pertence ao México, destino que registou 36 milhões de buscas. Já Espanha aparece em segundo lugar e primeiro destino europeu procurado neste ranking, mercê das mais de 20 milhões de buscas.

Segundo os dados analisados pela Mabrian, regista-se uma procura crescente, indicando, igualmente, que “Grécia e Itália são os destinos com maior interesse dos americanos”.

No que diz respeito aos preços, a Mabrian indica que os preços mais competitivos para voos diretos (uma viagem) a partir dos EUA têm como destinos o México e a República Dominicana, com valores a não excederem os 350 euros. Já os preços mais caros para voos diretos a partir dos EUA e com destino à Europa, têm como destino a Grécia, apontando a Mabrian valores médios de 1.000 euros.

Para a Europa, Portugal aparece, novamente, bem classificado, com os valores mais baixos entre os destinos europeus, com um preço médio de 670 euros.

Em média, os preços para os destinos europeus começam nos 855 euros.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.