Javier Blanco, OMT: “É preciso posicionar a oferta de Turismo de Saúde e Bem-Estar”

Por a 26 de Março de 2010 as 20:55

“É preciso posicionar a oferta de Turismo de Saúde e Bem-Estar e apostar em investir na competitividade deste produto, através da sua identificação, sistematização e organização estratégica”, defendeu Javier Blanco, da Organização Mundial de Turismo (OMT) durante a sua intervenção, a primeira do Seminário Internacional de Turismo de Saúde e Bem-Estar. Recorde-se que este evento insere-se na programação do Aquameeting – II Encontro Internacional de Turismo de Saúde e Bem-Estar, que aconteceu de 26 a 28 Março no centro de congressos da Alfândega do Porto.

Javier Blanco chamou a atenção para o facto de os profissionais que trabalham este produto terem a necessidade de “gerir a informação com maior rigor e rapidez para fazer a diferença”, através do uso da tecnologia no intuito de aumentarem a competitividade e a produtividade, ao mesmo tempo que reduzem os custos. “Os clientes mudaram e isso obriga a que os negócios mudem também e se adaptem à nova realidade”, alertou o responsável dizendo que “ a confiança do crescimento moderado este ano servirá sobretudo para estabelecer estratégias para o êxito num contexto difícil”. O director da OMT lembrou que o Turismo de Saúde e Bem-Estar ganha cada vez mais força porque “assenta numa filosofia e necessidade características das sociedades ocidentais desenvolvidas de ‘obsessão’ pela saúde e bem estar físico e emocional”. Segundo o responsável, o Turismo de Saúde e Bem-Estar “é um fenómeno de dimensão global que tem vindo a registar crescimentos significativos desde há 20 anos”. Além disso, observou que “é uma indústria fragmentada, dominada pelas PMES”, e que “falta ainda informação (como dados estatísticos, barómetros, inventários) sistematizada e estruturada sobre a oferta que existe relativamente a este produto”.

Javier Blanco acredita que é fundamental “configurar os produtos distintos dentro deste segmento específico assim como a oferta combinada associada a outros produtos”. O responsável considerou que no que toca ao Turismo de Saúde e bem-Estar nos destinos “há que existir a cooperação pública e privada concertada”.

Na sua apresentação, Javier Blanco deu ainda exemplos da presença deste produto no online, enquanto “produto estratégico nos planos de marketing de empresas e destinos; como produto que ajuda a combater a sazonalidade; e que contribui para a diversificação e maior percepção global do destino”. O responsável falou também do caso de marketing de Huelva, que se promove como um destino saudável “Huelva, La Luz”, e cuja mensagem é: “Vir a Huelva faz bem à saúde”, exemplificou.

Em suma, Javier Blanco olha para o futuro deste segmento com optimismo uma vez que “a preocupação das pessoas com o bem-estar continua a crescer; atrai clientes de várias faixas etárias (dos 29 aos 85 em média); existem cada vez mais centros de bem-estar integrados (holísticos) que complementam as vertentes lúdica e terapêutica; e porque é um produto/experiência personalizado”, concluiu.

Saiba mais sobre as restantes intervenções deste seminário na próxima edição do Publituris.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *