SNPVAC responde à SATA e exorta companhia a cumprir lei para evitar greve

Por a 19 de Abril de 2017 as 17:51
sata1

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) emitiu esta quarta-feira, 19 de Abril, um comunicado em que responde às declarações do presidente da SATA, Paulo Menezes, exortando a companhia aérea a “cumprir integralmente a lei e tudo o que está assinado entre as partes”.

A polémica surgiu depois de o sindicato, que representa os tripulantes de cabine do Grupo SATA, ter apresentado um pré-aviso de greve para os dias 1 e 2 de Maio, válido para a SATA Internacional e para a SATA Air Açores, ao qual o presidente da companhia aérea respondeu exortando o sindicato a voltar atrás como forma de retomar o diálogo entre as partes.

“Nesse sentido, e utilizando a mesma expressão que foi proferida pelo Eng.º Paulo Menezes, o Sindicato exorta a companhia aérea a cumprir integralmente a lei e tudo o que está assinado entre as partes, pois só havendo esta demonstração de boa-fé da SATA é que poderemos aceitar retirar o pré-aviso de greve”, refere a entidade sindical, num comunicado em que diz pretender a reposição da verdade.

Em relação à acusação de que esta paralisação pode pôr em causa a recuperação financeira da empresa, o sindicato refere que foram as decisões do responsável que obrigaram o SNPVAC “a tomar uma posição mais firme na defesa dos direitos dos trabalhadores” e lembra que “foram também as más decisões das sucessivas administrações” que fragilizaram a empresa.

Neste sentido, o sindicato lembra a decisão da SATA de não aumentar o número de frequências para as rotas de Boston, Toronto, Montreal e Oakland, uma oportunidade que foi aproveitada pela TAP “com um sucesso estrondoso”.

O sindicato desmente ainda Paulo Menezes quanto a uma reunião entre as partes, que, segundo o presidente da companhia, estaria agendada para sexta-feira, afirmando que “não está agendada qualquer reunião” e “condena veemente a posição do Conselho de Administração da SATA” que rejeitou “a solução proposta pelo Sindicato para os serviços mínimos na SATA Air Açores”.

“Ao tomar esta posição, a SATA está a arriscar o cumprimento da lei e da jurisprudência que permite que não existam voos para todas as ilhas, algo que não compreendemos, nem podemos aceitar, porque os Tripulantes de Cabine têm trabalhado com um enorme espírito de sacrifício em prol do povo Açoriano”, conclui o sindicato.

Um comentário

  1. Sasha Karpets

    19 de Abril de 2017 at 19:15

    Em 8 dos 12 meses do ano, a SATA voa de e para os E.U.A. e Canadá com menos de metade da ocupação das aeronaves. Impossível dar lucro com esta gestão danosa. Reduzam frequência para estes destinos por forma a aumentar a taxa de ocupação das aeronaves. Enquanto o dinheiro público der sustento, nada mudará…

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *